A Divina Comédia

A viagem espiritual de Dante, um cidadão comum que percorreu três reinos após a morte

A Divina Comédia” é um poema épico da literatura italiana escrito por Dante Alighieri durante o século XIV, período do Renascimento. Traduzida em florentino, dialeto local e vulgar, a obra possui uma temática histórica, mitológica, filosófica, política e religiosa, além de criticar alguns indivíduos que viveram na mesma época que o poeta.

Resumo

A produção é protagonizada pelo próprio Dante, que percorreu uma jornada espiritual pelos três reinos além-túmulo. Em um poema que envolve todos os personagens bíblicos do Antigo ao Novo Testamento, “A Divina Comédia” é composta por três partes: Inferno, Purgatório e Paraíso.

Livro A Divina Comédia
Livro “A Divina Comédia” de Dante Alighieri. (Foto: Site Saraiva)

Parte um: o inferno

Guiado pelo poeta romano Virgílio, autor de “Eneida“, Dante percorre uma jornada no inferno seguindo em direção ao centro da Terra, onde Lúcifer está a sua espera.

O caminho do inferno em direção ao paraíso é estruturado por nove círculos, no qual cada um corresponde a um tipo de pecado. A imagem relatada por Dante era baseada na cultura medieval, cujo o universo era formado por diversos círculos concêntricos.

  • Primeiro Círculo: O Limbo
    É destinado aos pagãos virtuosos e não batizados. Onde vivem as almas que não puderam escolher a Cristo. Vagam pela mais completa escuridão sem esperanças de ir ao céu, pois não conheceram o Evangelho e seus ensinamentos.
  • Segundo Círculo: Vale dos Ventos
    Começa no inferno propriamente dito. No local encontra-se a sala do julgamento feito por Minos, o juiz do inferno. A partir daqui, ocorre a transferência para o círculo correspondente aos pecados praticados em Terra e às devidas punições. Nessa zona também ficam os luxuriosos.
  • Terceiro Círculo: Lago de Lama
    Destinado aos pecadores gulosos, punidos por uma forte chuva de granizo, água e neve, e vigiados pelo mitológico Cérbero, o cão de três cabeças.
  • Quarto Círculo: Colinas de Rocha
    Lá viviam os avarentos e pródigos. Suas riquezas foram transformadas em pesos enormes, no qual deviam empurrá-los contra os outros.
  • Quinto Círculo: Rio Estige
    Abrigava os acusados de ira, imersos em lama ardente do Pântano do Estige.
  • Sexto Círculo: Cemitério de Fogo
    Era destinado aos hereges, aqueles que não acreditaram na existência de Deus. A punição recebida era sepultamento em túmulos abertos, de onde sai fogo.
  • Sétimo círculo: Vale do Flegetonte
    Alojava os violentos com Deus, com seu próximo e contra a si mesmo. Cada prática de violência recebia um tipo de punição diferente.
  • Oitavo círculo: O Malebolge
    O oitavo círculo é dividido em dez fossos, ligados por pontes, onde são punidos diversos pecados:
  1. Os rufiões e sedutores;
  2. Os aduladores e lisonjeiros;
  3. Os simoníacos;
  4. Os adivinhos;
  5. Os corruptos;
  6. Os hipócritas;
  7. Os ladrões;
  8. Os maus conselheiros;
  9. Os que semearam a discórdia e;
  10. Os falsários.
  • Nono Círculo: Lago Cocite
    Destinado aos traidores que pecaram contra sua própria família ou pátria.

Por fim, Dante chega ao último círculo do cone que não há fogo, e sim frio. Lá fica os três maiores traidores da história: Judas, Brutus e Cassius. Lúcifer, o demônio traidor, devora os três. 

O inferno de Dante
O inferno de Dante é um local no interior da Terra. (Foto: Guia Estudo)

Desta forma, quanto mais profundo o círculo, maior os pecados e as punições. Nessa trajetória, Dante e seu guia cruzam com amigos e conhecidos com cargos importantes, como filósofos, poetas, escritores e figuras mitológicas.

Alguns dos personagens faziam parte do universo pessoal do autor, e no decorrer desse percurso, debatem sobre os mais variados temas. Dante e seu guia seguem rumo ao paraíso, contudo ainda é preciso passar pelo purgatório.

Parte dois: o purgatório

Já no purgatório, um espaço entre o inferno e paraíso, Dante relata que lá se encontra as almas que aguardam para serem avaliadas. O local é formado por sete círculos que representam os sete pecados capitais na seguinte ordem:

  • Orgulho;
  • Inveja;
  • Ira;
  • Preguiça;
  • Avareza junto ao Pródigo;
  • Gula;
  • Luxúria.

Nessa área estão todos àqueles que se arrependeram em vida de seus pecados e passam pelo processo compensatório de culpa. No fim do purgatório, Virgílio não pode mais seguir a jornada com Dante.  Por ter sido pagão, não pode ter acesso ao paraíso.

Nesse momento, Dante encontra Beatrice, sua amada quando ainda estava na Terra. Ela o leva até o rio Lete e, ao beber a água, a memória e todos os pecados de Dante são apagados, como se ele tivesse renascido.

Após atravessar o rio, que julga ser o Tigre, Dante finalmente chega ao paraíso liberto de todos os pecados.

Parte três: o paraíso

A última parte de “A Divina Comédia” está dividida em 33 cantos e narra a passagem de Dante pelo paraíso. Guiado por sua amada Beatrice, relata a visita ao local que as pessoas, não pecadoras, vão quando morrem.

O paraíso de Dante é formado por sete céus, sendo que cada um corresponde a um planeta. Dante é abençoado na passagem pelos céus e sua trajetória termina quando encontra com Deus.

Análise do livro “A Divina Comédia”

Não existe um registro exato a respeito da data em “A Divina Comédia” foi feita, mas especula-se que tenha sido entre 1304 e 1321. Escrito por Dante Alighieri, o livro é um clássico da literatura mundial.

As riquezas das alegorias tornam o relato da obra em atemporal. Escrito com estrutura épica e propósitos filosóficos, a obra foi concretizada em dialeto local, o florentino, uma variedade do toscano.

Ao defender que tal língua era adequada para o mais elevado tipo de expressão, a produção de Dante tornou-se referência para a língua italiana padrão.

O enredo é baseado na história da conversão de um homem pecador ao caminho de Deus. O protagonista é um ser humano comum, com dúvidas e tentações. E nessa viagem espiritual e de forte teor moral, Dante busca destacar a importância de seguir o caminho do bem e da ética.

Sobre o autor Dante Alighieri

Dante Alighieri foi um escritor e poeta da literatura medieval. Nasceu em Florença, na Itália, no ano de 1265. Filho de Bella degli Abati e de Alighiero di Bellincione, ficou órfão ainda jovem.

Casou-se com Gemma por volta de 1285, com quem teve vários filhos. Apesar de ter construído uma família, nutria uma paixão platônica por Beatrice Portinari.

Poeta Dante Alighieri
O nome Dante é um hipocorístico de Durante, seu nome de batismo. (Foto: Wikimedia Commons)

Não há fundamentos que justifiquem essa paixão, contudo teve uma importância significativa para a cultura italiana. O amor do poeta por Beatrice desponta como a razão da poesia e da própria vida de Dante.

A morte súbita da amada, em 1290, causou desespero no poeta florentino, que procurou refúgio espiritual na filosofia da literatura latina. Dante dedicou-se ao estudo da filosofia em escolas religiosas e participou das disputas entre místicos e dialéticos.

A paixão excessiva pela filosofia era criticada por Beatrice, representando a teologia no purgatório, terceira parte do livro “A Divina Comédia”. Ela também aparece em outras obras produzidas pelo poeta.

Considerado o primeiro e maior poeta da língua italiana, Dante Alighieri foi visto como além de literato. Para o poeta francês Victor Hugo, ele era um dos que “marcam os cem graus de gênio”.

Ao escrever um poema de viés épico e teológico, em uma época que apenas os escritos em latim eram valorizados, “A Divina Comédia” tornou-se uma das obras mais aclamadas da literatura universal.

Diante da importância e consistência, a obra tornou-se a base da língua italiana moderna e culminou a afirmação do modo medieval de entender o mundo.

Dante Alighieri morreu no dia 14 de setembro de 1321, aos 56 anos, em Ravenna, Itália.

Principais obras de Dante Alighieri

“A Divina Comédia” foi a obra-prima de Dante, mas o autor italiano também escreveu outros livros. Alguns deles são:

  • De vulgari eloquentia” (Sobre a Língua vulgar):  ensaio escrito em latim defendendo a língua italiana;
  • Vita Nuova” (Vida Nova): utilizando a língua toscana, a coletânea de poesias narra a história do seu amor por Beatrice;
  • Le Rime” (As rimas, também chamadas de “Canzoniere“): reúne vários textos de cariz lírico, como sonetos, canções, baladas, sextinas. Novamente Dante aborda seu amor por Beatrice, além de citar a ciência, a filosofia e a moral;
  • Il Convivio” (O Convívio): reúne canções e comentários que pretendem a língua vulgar italiana.

Curiosidades

  • Dante era um grande admirador da poética de Virgílio, por isso é a ele que pede ajuda para percorrer o doloroso caminho do inferno ao paraíso;
  • A obra “A Divina Comédia” foi base de inspiração para diversas adaptações no campo das artes. Já foi recriada para filmes, teatro, ilustrações, etc.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. A Divina Comédia; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/a-divina-comedia >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 14:41.

Copiar referência