Adolf Hitler

Líder do regime nazista, responsável pela Segunda Guerra Mundial e pelo holocausto

Adolf Hitler nasceu no dia 20 de abril de 1889 em Braunau am Inn, uma cidade da Áustria-Hungria. Era filho de Klara Hitler e de Alois Hitler, um funcionário da alfândega da cidade de Braunau.

Em 1900, ingressou em uma escola secundária em Linz, no entanto Adolf Hitler queria frequentar uma escola clássica e se tornar um artista. Nessa época já demonstrava predileção pelo desenho e pela pintura.

Líder nazista Adolf Hitler
Líder da Alemanha Nazista, Adolf Hitler. (Foto: Wikipédia)

No livro “Mein Kampf” (em português: “Minha Luta”) escrito por Hitler, ele afirmou ter sabotado seu desempenho na escola, esperando que seu pai o deixasse progredir seu sonho em uma escola artística.

Após o falecimento do pai, Adolf Hitler mudou-se para Viena e entre outra atividades, trabalhou como pintor, vendendo aquarelas nos locais turísticos da cidade. Tentou ingressar na Academia de Belas-Artes, mas foi rejeitado por ser considerado “inapto para pintura”.

Em 1907, sua mãe morreu vítima de câncer. Órfão e sem qualquer fonte de ajuda, Adolf Hitler permaneceu vivendo em Viena com grandes dificuldades financeiras que o forçava a dormir em abrigos e cortiços.

Segundo historiadores, esse período foi significativo para a aquisição das ideias nacionalistas e a formação do antissemitismo, que mais tarde o levaria ao poder. No “Mein Kampf” Hitler afirmou que se tornou um antissemita em Viena.

Primeira Guerra Mundial

Em 1913, Adolf Hitler se mudou para Munique, no sul da Alemanha, para evitar o alistamento ao serviço militar austríaco, pois este contava com a alta miscigenação das forças armadas.

Embora fosse um cidadão austríaco e não tenha servido ao seu país, Hitler se voluntariou no exército alemão após a eclosão da Primeira Guerra Mundial (1914-1918).

Durante seu serviço militar, foi condecorado por bravura, recebendo a Cruz de Ferro. Neste período também continuou seu trabalho como artista, fazendo desenhos e ilustrações para o jornal do exército.

O tempo e a experiência na guerra foram consideradas por Hitler como "a maior das experiências", reforçando seu patriotismo. A derrota da Alemanha elevou e moldou sua ideologia.

Adolf Hitler acreditava que o exército alemão fora traído e apunhalado pelas costas pela liderança política civil e pelos marxistas, e não pela incapacidade das forças armadas alemãs de participar da batalha.

Fim da Primeira Guerra Mundial

O Tratado de Versalhes de 1919 documentava a Alemanha como a responsável pelo conflito mundial e estabelecia as despesas, multas e exigências políticas, militares e econômicas que deveriam ser cumpridas pelo país.

Isso causou uma forte depressão econômica e política no país. Entre as transformações sociais que marcaram o pós-guerra, ocorreu o fim da monarquia e foi declarada a República, período conhecido como “República de Weimar”.

Tudo isso tornou o terreno fértil para o crescimento de filosofias extremistas, que iam do comunismo ao nacionalismo.

Início da carreira política

Sem formação ou perspectiva de carreira, Hitler permaneceu no exército. Em 1919, tornou-se um dos primeiros afiliados do Partido Alemão dos Trabalhadores (DAP) gerido pelas ideias nacionalistas, anticapitalistas, anticomunistas e antissemitas do fundador Anton Drexler.

Um ano depois, para aumentar seu apelo popular, o grupo de extrema-direita passou a se chamar Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães (NSDAP), ou abreviado como Partido Nazista.

O Partido Nazista se inspirou no fascismo italiano como modelo para sua aparência, estilo e até políticas.

Os entusiasmados discursos de Adolf Hitler começaram a atrair grandes multidões com muita frequência. Utilizando uma oratória fascinante, populistas e engajada, além de seu entendimento da psicologia, logo se tornou líder absoluto do partido.

As manifestações de Hitler ganharam milhares de participantes e doadores partidários. Da mesma forma, atraiu parte da classe média e alta, que nos seus ideias era a oportunidade de recuperar seu antigo prestígio.

Putsch da Cervejaria

Em 1923, com o apoio do general Erich Ludendorff, Adolf Hitler liderou um golpe de estado, conhecido como o “putsch da cervejaria de Munique”, para tentar tomar o poder na Baviera e dali, o governo central em Berlim.

O fracassado golpe encabeçado pelo líder do Partido Nazista resultou na morte de cerca de dezesseis membros do NSDAP e de mais quatro policiais. Hitler tentou fugir, mas acabou preso sob acusação de traição.

Foi levado à corte popular de Munique e sentenciado a cinco anos de prisão em Landsberg. Foi durante esse tempo que escreveu boa parte do livro “Mein Kampf”.

Contudo, Hitler permaneceu preso por poucos meses. Antes de entrar com um pedido de condicional, o governo da Baviera tentou extraditá-lo para a Áustria que foi recusado pelo chanceler Rudolf Ramek.

Em 7 de abril de 1925, Adolf Hitler renunciou sua cidadania austríaca. Já em liberdade, concordou em respeitar a autoridade do estado e prometeu que buscaria poder político apenas por meios democráticos.

Reconstruiu o Partido Nazista aos poucos e, em decorrência do período conhecido como “grande depressão”, houve uma ótima oportunidade política em meio ao descontente eleitorado alemão.

Poupo a pouco o partido foi reconquistando espaço, passando a ser reconhecido como um legítimo partido político.

Ascensão de Hitler ao poder

Em 1932, Adolf Hitler já era um pleno cidadão alemão. Tamanha era a força e destaque do Partido Nazista que o levou a concorrer às eleições presidenciais da Alemanha contra Paul von Hindenburg.

O slogan de sua campanha era “Hitler über Deutschland” (em português: “Hitler sobre a Alemanha”), uma referência as suas pretensões políticas e sua campanha. Por fim, terminou em segundo lugar nesta eleição, mas se estabeleceu como uma figura forte na política alemã.

Em 1933, Hindenburg nomeou Adolf Hitler Chanceler da Alemanha, que logo deu início a manobras para derrubar o governo Hindenburg e assumir o controle ditatorial da Alemanha, entre elas:

  • Insistiu na aprovação do Decreto do Incêndio do Reichstag que suspendeu vários direitos civis e permitiu que o governo fizesse prisões sem mandato judicial;
  • Reprimiu as atividades do Partido Comunista Alemão (KPD), prendendo milhares de integrantes;
  • Engajou a violência paramilitar nas ruas;
  • Espalhou propaganda anticomunista;

Entre outras aprovações conquistada por Hitler, estava a “Lei sobre o Mais Alto Cargo do Reich”, que certificava que no caso de morte de Hindenburg, o cargo de presidente seria abolido e seus poderes seriam fundidos aos do chanceler da Alemanha.

Paul von Hindenburg morreu no dia seguinte a esta aprovação, tornando Adolf Hitler “Führer und Reichskanzler” (“Líder e Chanceler”) da Alemanha.

Governo Hitler e Segunda Guerra Mundial

Consolidado no poder, Adolf Hitler dedicou-se à execução do seu sonho político: o Reich. Em 1938, anexou a Áustria, tornando-a parte da Alemanha. No ano seguinte, suas tropas invadiram e tomaram o controle da Tchecoslováquia.

Em agosto de 1939, a Alemanha assinou um pacto de não-agressão com a União Soviética e no dia 1 de setembro desferiu um ataque em grande escala sobre a Polônia. Logo em seguida, a Inglaterra e França declararam guerra à Alemanha dando início a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

O desenvolvimento inicial da guerra foi favorável a Hitler e as forças alemãs até 1944, quando os aliados anglo-americanos tomaram bases importantes na França e na Itália. Na Europa Oriental, os exércitos soviéticos forçaram os alemães a recuar do leste europeu.

Hitler manteve o espirito otimista para a realização de seu plano, a expansão do Reich, na Europa. Contudo, com o avanço da guerra, o líder foi perdendo a confiança e ficando cada vez mais irritado.

Morte e o fim da segunda guerra

Temendo a derrota da Alemanha e as ameaças contra sua vida, Adolf Hitler passou as últimas semanas do seu regime nazista refugiado no complexo subterrâneo, a Chancelaria do Reich, prédio onde residia localizado na cidade de Berlim.

Em 30 de abril de 1945, quando as tropas soviéticas marchavam rumo a Chancelaria do Reich, cercando a capital alemã, Adolf Hitler cometeu suicídio. Conforme desejava, seu corpo foi cremado e os restos mortais foram jogados no rio.

Apesar da desesperada defesa de território pelos alemães, a guerra chegou ao fim com a vitória dos aliados em 1945 alterando significativamente o alinhamento político e a estrutura social mundial.

O corpo do líder nazista foi encontrado no Führerbunker (em português: “abrigo do líder”) junto ao de Eva Braun, sua companheira de longa data com quem havia se casado um dia antes.

Nazismo

Além do extermínio planejado da população judia, a ideologia nazista de Adolf Hitler fez milhares de vítimas no decorrer de suas atividades. Cerca de 27 milhões de soviéticos, entre soldados e civis, morreram em consequência do nazismo.

 suástica símbolo do partido nazista
A suástica era símbolo do partido nazista. (Foto: Wikipédia)

Após a sua fundação, o Partido Nazista transformou a cruz gamada, também conhecida como suástica, um símbolo milenar que fazia referência à ideia do orgulho nacional germânico desde o século XIX, como símbolo do Partido.

As principais ideologias nazistas são:

  • Antissemitismo
  • Antiliberalismo
  • Antibolchevismo
  • Nacionalismo
  • Racismo
  • Estimulo a guerra
  • Exaltação da raça germânica
  • Desejo de expansão territorial
  • Desprezo pelas artes modernas

Holocausto

O sonho de longa data de Adolf Hitler era expandir pela Europa um Reich racialmente puro. Para ele, os judeus eram os verdadeiros inimigos do povo alemão, sendo os responsável pela degradação moral e econômica da Europa, em especial da Alemanha.

Em janeiro de 1942, Hitler decidiu que os judeus, eslavos e todos aqueles que não pertencessem à raça ariana, considerados indesejáveis e inferiores, deveriam ser exterminados.

O ditador nazista conduziu a chamada “Solução Final”, criando uma rede de crematórios, através de câmaras de gás, para a execução em massa da população judia de todos os territórios ocupados pela Alemanha durante a Segunda Guerra Mundial.

O genocídio em massa, sistematizado e premeditado, resultou no assassinato de cerca de seis milhões de judeus, incluindo crianças. Mundialmente conhecido como “o holocausto”, foi um dos acontecimentos mais marcantes da história da humanidade.

“Mein Kampf”

Originalmente chamado de “Quatro anos e meio de Lutas contra Mentiras, Estupidez e Covardice”, o livro “Mein Kampf” (“Minha Luta”) foi escrito por Adolf Hitler durante o período em que esteve preso.

Dedicado ao membro da Sociedade Thule e amigo Dietrich Eckart, o livro se trata de uma autobiografia e exposição de suas ideias antissemitas, anticomunistas, antimarxistas, racialistas e nacionalistas de extrema direita, então adotadas pelo partido nazista, com detalhes do plano para transformar a sociedade alemã em uma raça pura.

Citações

Temos de ser cruéis. Temos de recuperar a consciência tranquila para sermos cruéis.

Quando maior a mentira, maior é a chance de ela ser acreditada.

Não se pode viver verdadeiramente e desistir do que dá significado e propósito a uma vida inteira.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Adolf Hitler; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/adolf-hitler >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 15:51.

Copiar referência