Affonso Penna

Sexto presidente do Brasil. Implantou a política de valorização do café

Affonso Augusto Moreira Penna nasceu no dia 30 de novembro de 1847 na cidade de Santa Bárbara, estado de Minas Gerais. Era filho de Domingos José Teixeira Pena, imigrante português, e da brasileira Ana Moreira dos Santos.

Presidente Affonso Penna
Presidente Affonso Penna (1847-1909) (Foto: Wikipédia)

Formou-se em direito pela Faculdade de Direito de São Paulo em 1870, onde foi colega de Rui Barbosa, Castro Alves e Rodrigues Alves, que também foi um dos presidentes do Brasil.

Affonso Penna iniciou na carreira política em 1874, quando se tornou deputado provincial de Minas Gerais pelo Partido Liberal (PL).

Posteriormente ocupou o cargo de deputado geral (1878-1889), ministro da Guerra (1882), ministro da Agricultura, Comércio e Obras Públicas (1883-1884), e ministro da Justiça (1885).

Affonso Penna integrou a comissão organizadora do Código Civil Brasileiro e participou da Assembleia Constituinte de Minas Gerais, nos primeiros anos da República. Assim, obteve o primeiro contato com os republicanos.

Em 1892, foi um dos fundadores e o primeiro diretor da Faculdade Livre de Direito de Minas Gerais, atual Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Entre os anos de 1892 a 1894 Affonso Penna ocupou o cargo de governador de Minas Gerais, após o afastamento de Cesário Alvim, sendo o primeiro eleito no estado por voto direto.

Affonso Penna foi o responsável pela mudança da capital do estado, alterando da cidade de Ouro Preto para Curral del-Rei, atual Belo Horizonte.

Em 1895 assumiu a presidência do Banco da República do Brasil, atual Banco do Brasil. Posteriormente foi novamente senador de Minas Gerais (1899-1900), além de presidente do Conselho Deliberativo de Belo Horizonte (1900-1902).

Em 1902, Affonso Penna tornou-se vice-presidente da República no governo de Rodrigues Alves, após Francisco Silviano de Almeida Brandão falecer dois meses antes de ser empossado.

Presidência da República

No ano de 1906, Affonso Penna foi eleito presidente da República, através do voto direto, conquistando quase todos os votos. Nilo Peçanha foi eleito como seu vice-presidente.

Apesar de ter sido eleito com base na política do café com leite, ao iniciar seu mandato não deu continuidade à política antiga de valorização do café e aos interesses regionais.

Diante dessa objeção, o governo do estado de São Paulo apostou na ideia de valorização do café e adquiriu empréstimos estrangeiros que viabilizaram a compra de cerca de oito milhões de sacas de café, quase a metade do total da safra brasileira na época.

Affonso Penna deu continuidade ao projeto do seu antecessor na restauração das ferrovias e dos portos. Fez importantes investimentos para a novas construções como a Estrada de Ferro Noroeste do Brasil.

As ferrovias paulistas e as paranaenses permitiram pela primeira vez a ligação do sudeste com o sul do Brasil por trem.

Affonso também disponibilizou recursos para que Cândido Rondon realizasse a interligação da Amazônia ao Rio de Janeiro pelo fio telegráfico.

Implementou a modernização do Exército e da Marinha sob a supervisão do ministro de Guerra general Hermes da Fonseca. Entre as mudanças realizadas, o governo tornou obrigatório a prestação do serviço militar ao país.

Em 1906, Affonso Penna criou a Caixa de Conversão com o intuito de combater a crise que dominava o mercado do café.

Assim, fez a primeira compra estatal de estoques de café, pratica já realizada nas regiões de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, que haviam assinado o Convênio de Taubaté.

Tal medida gerou um período de prosperidade, quitação de dívidas externas e grandes lucros. Foi a primeira iniciativa governamental no comércio que obteve sucesso, porém foi interrompido com início da Primeira Guerra Mundial.

Affonso Penna incentivou e acelerou a imigração, principalmente de europeus, para o Brasil. Criou o Serviço Geológico e Mineralógico, destinado a pesquisa e aproveitamento das riquezas minerais do país.

Governar é povoar

Além disso, também criou o Serviço de Proteção ao Índio que promoveu o contato e a pacificação com as tribos indígenas que tinham suas terras invadidas pelas construções das vias de comunicação.

Affonso Penna permaneceu no cargo até seu último dia de vida. Faleceu em 14 de junho de 1909, sem concluir seu mandato presidencial.

Curiosidades sobre Affonso Penna

  • Affonso Penna foi homenageado dando seu nome à cidade de Penápolis, à cidade de Conselheiro Pena e ao Centro Acadêmico Affonso Penna (CAAP) da Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).
  • Seu nome também foi utilizado em importantes avenidas de cidades do Brasil, como em Belo Horizonte, Campo Grande, Porto Velho, Rondônia e Mato Grosso do Sul.
  • Na cidade de Santa Barbara, a principal escola estadual do município foi batizada de Escola Estadual Affonso Penna.
  • Affonso Penna obteve mais de 288 mil votos na sua primeira eleição presidencial, contra 4.865 votos de Lauro Sodré e 207 votos de Rui Barbosa.
  • Em 13 de fevereiro de 2017 o mausoléu com os restos mortais de Affonso Penna e sua família foi transferido para a cidade de Santa Bárbara. Foi confeccionado em mármore de Carrara por José Maria Oscar Rodolfo Bernardelli.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Affonso Penna; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/affonso-penna >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 19:27.

Copiar referência