Alexandre, o Grande

Herdeiro do trono de Filipe II, foi príncipe e rei da Macedônia

Alexandre, o Grande (356 a.C. – 323 a.C.), também conhecido como Alexandre Magno ou Alexandre III, era filho do rei Filipe II e herdeiro do trono da Macedônia. Formador de um dos maiores e mais poderosos impérios do mundo antigo, é considerado um dos comandantes militares mais bem sucedidos da história por ter vencido todas as batalhas durante seu período no poder.

Biografia

Alexandre Magno nasceu em julho de 356 a.C., em Pela, capital do reino da Macedônia. Era filho de Filipe II, que se tornou rei da Macedônia em 338 a.C., ao dominar toda a Grécia, com exceção de Esparta.

Durante juventude, Alexandre teve como tutor Aristóteles, um dos homens mais sábios da época e de todos os tempos, pois o rei desejava que seu sucessor tivesse uma educação refinada.

O filósofo grego foi responsável por ensinar-lhe retórica e literatura, e estimular seu interesse pela política, medicina, geografia e ciências físicas e naturais. Alexandre, o Grande se destacou pela inteligência e facilidade com a doma de cavalos.

Primeiras batalhas

Seu pai era um militar experiente e corajoso, e durante sua adolescência lhe ensinou a arte da guerra, instruindo-o com conhecimentos de estratégia e de comando. Ao mesmo tempo, Filipe II estimulava a rivalidade entre as cidades-estado, que brigavam pela hegemonia na Hélade e preparava seu exército para invasão.

Assim, aos 18 anos de idade, Alexandre III pôde mostrar seu talento ao vencer o batalhão sagrado de Tebas, na Batalha de Queronéia, em 338 a.C, um momento decisivo na estratégia de seu pai para conquistar o poder.

Alexandre, o Grande – Rei da Macedônia

Com o assassinato do rei Filipe II, em 336 a.C., Alexandre Magno herdou um império que mal ultrapassava as fronteiras da atual Macedônia. Tornou-se rei dos macedônios aos 20 anos, assumindo dois altos postos: o chefe da “Liga de Corinto” (união de várias comunidades gregas) e de comandante do exército da época.

Como rei, tinha como principal objetivo realizar a expansão da Macedônia e ampliar o poderoso exército deixado por seu pai. Mas, para isso, precisava das riquezas de outro povos, principalmente dos persas. Assim deu início à trajetória de que o tornaria um dos maiores conquistadores da história.

O Império Persa

Em virtude da excelente educação e da habilidade militar, Alexandre se fez um grande general, administrador e valorizador da cultura. Deu início a uma série de campanhas vitoriosas, na qual contou com o apoio de algumas cidades-estados da Grécia. Após promover a pacificação da Grécia, iniciou o seu ambicioso projeto de conquista do Império Persa.

Batalhas

Em 334 a.C., liderou um exército poderoso e organizado, dividido em infantaria, cuja principal arma era lanças de grande comprimento e em cavalaria, que constituía a base do ataque rápido ao inimigo.

Após atravessar o Helesponto – como era chamada a faixa de mar entre a Grécia europeia e a Grécia asiática, Alexandre teria sido desafiado a desatar o “nó górdio”, que, segundo a tradição local, só seria desfeito pelo homem que governaria a Ásia.

Alexandre, o Grande enfrentou os persas pela primeira vez, alcançou importantes vitórias e chegando a Górdia, cortou o nó com a espada, apossando-se da Ásia Menor.

Em seguida, obteve uma vitória decisiva contra o exército persa, comandado pelo próprio rei persa, Dario III. Com a vitória, Alexandre III pôde avançar pela costa do Mediterrâneo rumo ao sul, invadindo a Síria e a Fenícia.

Alexandria

Em 332 a.C., o império se estende até o Egito, que era dominado também pelos persas. Além de se apresentar no santuário do Oásis de Siwa, onde foi reconhecido como filho de Amon e sucessor dos faraós, Alexandre, o Grande fundou a cidade de Alexandria, que viria a converter-se num dos grandes focos culturais da Antiguidade.

Em 331 a.C., Alexandre enfrentou novamente Dario III na batalha de Gaugamela, cujo resultado determinou a queda definitiva da Pérsia em poder dos macedônios. Com a morte do então rei, Alexandre, o Grande foi proclamado rei e sucessor da dinastia persa em 330 a.C.

Mosaico de Alexandre, o Grande
Mosaico de Alexandre, o Grande e seu cavalo Bucéfalo, na Batalha de Isso. (Foto: Wikipédia)

Mesmo quando derrotou definitivamente o império persa, Alexandre procurou deixar claro o seu respeito pelo adversário maior e sua cultura. Seguiu conquistando territórios asiáticos, dirigiu suas tropas para a Índia, onde fundou colônias militares e cidades às margens do Rio Hidaspe.

No ano 326 a.C., já dentro das atuais fronteiras da Índia, suas tropas, exaustas, se negaram a continuar e Alexandre Magno permitiu que parte deles retornasse para a Pérsia. Nesse momento, o império atingiu seu auge. 

Casamento

Alexandre estreitou ainda mais os lanços entre a cultura grega e a cultura oriental ao casar-se com Roxana, filha do nobre bactriano Oxiartes com Estatira (ou Stateira), filha mais velha de Dario III. Esse gesto inspirou seus oficiais para que aceitassem mulheres persas como esposas.

Cultura helenística

Devido ao período em que foi discípulo de Aristóteles, Alexandre, o Grande criou uma grande admiração pela cultura helênica. Quando partiu para a expansão territorial, progressivamente conquistando a Ásia Menor, a Pérsia até as margens do rio Indo na Índia, procurou preservar a cultura das regiões.

Apesar de ter construído um império gigantesco, sempre presou o respeito pela cultura dos povos vencidos, criando condições para uma integração cultural. Assim surgiu a “cultura helenística”, uma combinação da cultura helênica (grega) com a cultura oriental.

mapa do império de Alexandre o grande
Mapa do império criado por Alexandre, o grande. (Wikipedia)

Morte

Em apenas 12 anos, Alexandre, o Grande formou um enorme império, que ia do sudeste da Europa até a Índia. Alexandre morreu em junho de 323 a.C., aos 33 anos, vítima de um grave desarranjo intestinal.

Ele é considerado um dos mais importantes e bem sucedidos militares da Antiguidade. Seu legado inclui a difusão cultural que suas conquistas geraram, como a propagação da cultura grega, que resultou em uma nova civilização helenística, aspectos que ainda eram evidentes nas tradições do Império Bizantino em meados do século XV.

Resumo sobre Alexandre, o grande

Alexandre, o Grande foi filho do rei Filipe II e herdeiro do trono da Macedônia. Ele criou um dos maiores impérios da antiguidade, além de ser considerado um dos comandantes militares mais bem sucedidos da história mundial.

Durante toda sua vida, Alexandre nunca perdeu uma batalha. Ele assumiu o trono da Macedônia aos 20 anos, após a morte de seu pai. Com isso investiu em diversas batalhas para ampliar o poder do seu império.

Contudo, como discípulo de Aristóteles, Alexandre era um admirador da cultura e nunca impôs modificação na cultura dos locais que ele conquistava.

Citações

Vence o medo e vencerás a morte.

Lembre-se que da conduta de cada um depende o destino de todos.

A sorte favorece os destemidos.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Alexandre, o Grande; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/alexandre-o-grande >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 15:59.

Copiar referência