Allan Kardec

Líder espírita reconhecido pelos estudos sobre mediunidade

Allan Kardec, registrado Hippolyte Léon Denizard Rivail, foi um educador, tradutor e escritor francês que obteve destaque internacional como decodificador da doutrina espírita. Kardec foi um dos seguidores da teoria de Johann Heinrich Pestalozzi.

Além de ser considerado um dos principais estudiosos sobre os fenômenos paranormais, também denominados como pesquisas mediúnicas, um tipo de teoria considerada inapropriada naquele período.

Com o objetivo de assumir uma identificação diferente aos trabalhos pedagógicos já elaborados, adotou o pseudônimo “Allan Kardec” para dar continuidade aos trabalhos de decodificação espírita.

Biografia de Allan Kardec

Nascido em uma família com fortes influências do catolicismo e tradição da advocacia e magistratura, Kardec precocemente manifestou interesse pela filosofia e estudos científicos.

Desde sempre estudou na Escola de Pestalozzi, no Castelo de Yverdon, em Yverdon-les-Bains, Suíça, país de cultura protestante onde tornou-se um dos principais reformuladores do método de ensino na França e na Alemanha.

Ainda na adolescência, mais precisamente aos 14 anos, criou cursos gratuitos para ensinar os colegas menos desenvolvidos intelectualmente.

Aos dezoito anos alcançou a graduação nos cursos de ciências e letras. Com a conclusão dos estudos, retornou ao país de origem.

Imagem sobre Allan Kardec
Allan Kardec é considerado um dos principais estudiosos sobre psicografia. (Foto: Wikipédia)

Fluente e conhecedor da língua alemã, traduzia para este idioma diversas obras nas áreas e educação e moral, além de ser também um profundo pesquisador do inglês, francês, italiano e espanhol.

Rivail, nome de batismo, era membro de diversas associações acadêmicas, dentre elas o Instituto Histórico de Paris e a Academia Real de Arras; esta última onde foi promovido através de concurso no ano de 1831.

Pouco tempo depois, após ser empossado em cargo por meio de concurso, no dia 6 de fevereiro de 1832 casou-se com Amélie Gabrielle Boudet. Pouco antes disso, em 1824, havia retornado a Paris e publicado um plano educacional para aperfeiçoamento do ensino público.

Com a efetivação do estatuto, já no ano de 1834, passou a lecionar, publicando importantes obras sobre educação, consagrando-se, então, membro da Real Academia de Ciências Naturais.

Com o cargo de pedagogo, o jovem Rivail iniciou manifesto em prol da popularização do ensino público.

Entre os anos de 1835 e 1840 lecionou para alguns estudantes, na sua própria residência, as disciplinas de química, física, anatomia, astronomia, dentre outros cursos, todos ofertados de forma gratuita.

Ainda nessa mesma fase, estando receoso com a didática de ensino ineficiente adotada nas escolas, elaborou um manual de aritmética, que foi posteriormente utilizado por décadas nas instituições francesas.

Doutrinação Espírita

De acordo com relatos do próprio Allan Kardec, registrado em obras póstumas, foi no ano de 1854 que ele passou a conhecer o chamado fenômeno das “mesas girantes”, conceito espírita bastante difundido naquele período através do seu amigo Fortier, um magnetizador vastamente conhecido.

Até aquele momento, Allan não atribuía devida importância a esses fatos, dando continuidade apenas aos estudos sobre magnetismo animal.

Por volta de maio de 1855 voltou-se, efetivamente, para as mesas, frequentando as reuniões em que tais fenômenos ocorriam.

Na mesma época também começou a entender sobre a escrita mediúnica, chamada de psicografia, passando a comunicar-se com os espíritos.

Um desses espíritos, que ficou conhecido como “espírito familiar”, passou a dar diretrizes aos seus trabalhos. Mais tarde, este mesmo espírito orientador disse, em uma das suas comunicações, que já o conhecia do tempo das Gálias, com o nome de Allan Kardec.

Imediatamente após esse fato, Rivail passou a adotar este pseudônimo, tendo publicado as obras que sintetizam a doutrina espírita com esta nova identidade.

Após algumas experiências mediúnicas, Kardec começou a ser convencido de que o movimento e as respostas complexas das mesas eram resultado da interação e interferência de espíritos.

Certo do que ocorria, começou a buscar um mecanismo que fosse possível intermediar uma proposta de compreensão da realidade com base na integração entre os conhecimentos científicos, filosóficos e moral, incluindo os episódios que envolviam o mundo espiritual.

Em 18 de abril de 1857 iniciou a publicação das obras de Codificação, lançando neste mesmo ano “O Livro dos Espíritos, que destacou-se como marco de fundação do espiritismo, após o lançamento da Revista Espírita em 1º de janeiro de 1858.

Também em 1858 fundou a primeira sociedade espírita regularmente constituída, intitulada “Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas”.

Principais obras espíritas

Abaixo estão listadas as principais obras espíritas, algumas delas póstumas, lançadas por Rivail, já adotados o pseudônimo de Allan Kardec.

  • O Livro dos Espíritos, Princípios da Doutrina Espírita, publicado em 18 de abril de 1857;
  • O Livro dos Médiuns ou Guia dos Médiuns e dos Evocadores, em janeiro de 1861;
  • O Evangelho segundo o Espiritismo, em abril de 1864;
  • O Céu e o Inferno ou A Justiça Divina Segundo o Espiritismo, em agosto de 1865;
  • A Gênese, os Milagres e as Predições segundo o Espiritismo, em janeiro de 1868.
  • Revista Espírita (periódico de estudos psicológicos), publicada mensalmente de 1 de janeiro de 1858 a 1869;
  • O que é o Espiritismo? (resumo sob a forma de perguntas e respostas), em 1859;
  • Instrução prática sobre as manifestações espíritas (substituída pelo Livro dos Médiuns; publicada no Brasil pela editora O Pensamento) O Espiritismo em sua expressão mais simples, em 1862;
  • Viagem Espírita em 1862 (1867) (publicada no Brasil pela editora O Clarim).
  • Catálogo Racional de Obras para se fundar uma biblioteca espírita, em abril de 1869.
  • O Principiante Espírita (pela editora O Pensamento)
  • A Obsessão (pela editora O Clarim)

Curiosidades sobre a vida de Kardec

  • Kardec escolheu seu pseudônimo após uma comunicação com um espírito que revelou tê-lo conhecido em Gália e afirmado que viviam juntos, sendo chamado de Allan Kardec.
  • Em um congresso mundial realizado em Paris, na França, no ano de 2004, o médium brasileiro Divaldo Pereira Franco psicografou ao inverso, em francês, uma língua que não dominava. Nesse relato havia uma mensagem atribuída ao espírito de León Denis, com uma afirmação de que Allan Kardec era a reencarnação de Jan Hus, um reformador religioso que viveu no século XV.
  • No livro intitulado “Cartas e Crônicas”, escrito por Irmão X, pseudônimo do espírito Humberto de Campos, psicografado pelo médium Francisco Cândido Xavier, mundialmente conhecido como Chico Xavier , no ano de 1966, há o depoimento que descreve o momento em que Allan foi apresentado a Napoleão pelo Espírito da Verdade, em uma certa noite no dia 31 de dezembro de 1799, em plano espiritual.

 

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Neves, Juliete. Allan Kardec; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/allan-kardec >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 16:18.

Copiar referência