Amebíase

Doença causa desde simples diarreia até comprometimento de órgãos

A amebíase é uma doença parasitária causada por protozoário. Com nome científico de Proto, a amebíase também é popularmente conhecida como disenteria amébica ou disenteria amebiana.

O protozoário da doença é uma ameba Endamoebidae, que são parasitas comuns dentro do corpo humano.

Eles vivem no aparelho digestivo ou infectam tecidos. Além disso, são extremamente pequenos e possuem a capacidade de formar cistos, que são uma forma deles sobreviverem às condições desfavoráveis do ambiente.

Sintomas da amebíase 

Os sintomas da amebíase vão desde uma simples diarreia, com aumentos dos sons intestinais e cólica, até algo mais grave, como o comprometimento de algum tecido ou órgão, com sangramento nas fezes e febre.

Os protozoários estão diretamente ligados a falta de higiene e a baixas condições econômicas, sendo encontrados na água ou alimentos, e contaminando através das fezes humanas.

Apesar de pessoas de qualquer faixa etária poderem ser contaminadas com amebíase, geralmente os bebês e crianças são os mais infectados por não terem o costume de lavar a mãos antes de leva-las à boca.

Logo, podemos classificar os sintomas leves da amebíase em: cansaço; desconforto e cólica abdominal; sangramento nas fezes; gases em excesso; calafrio e emagrecimento.

Nos casos mais graves, os médicos chamam a amebíase de colite, quando ocorre uma invasão do protozoário a parede do intestino grosso com inflamação mais intensa. Contudo, raramente a infecção chega neste nível.

Nos casos mais graves, é possível listar os sintomas em: febre; vômito; sensibilidade abdominal; perfuração do intestino; agressão aos pulmões, fígado e cérebro e evacuação aumentada (chegando a 20 vezes por dia).

Geralmente a doença se manifesta de forma mais leve, com uma simples diarreia e podendo levar anos para chegar ao estado mais grave.

mulher com dor no estômago
Cólicas abdominais são um dos sintomas da amebíase. (Foto: Freepik)

Transmissão

Por ser um parasita existente no intestino dos seres humanos, só existe uma forma de contaminação da água: através das fezes. Por conta disso que está diretamente ligado ao saneamento básico e condições econômicas da população, pois, quanto mais precário se encontrar esses dois fatores, maiores as possibilidades de contaminação das águas por fezes humanas.

Por isso o cuidado com a água é um fator importante para evitar a transmissão da amebíase. Quando a água de um rio está contaminada ela pode ser usada, por exemplo, para irrigação de plantações de frutas e hortaliças, além do consumo humano direto (banho ou ingestão), contaminando aqueles que entram em contato.

Além disso, os parasitas causadores da amebíase são considerados resistentes, já que sobrevivem ao ácido do estômago, e podem durar uma média de 30 dias na água, 12 dias nas fezes, 24 horas em pães e bolos e 20 horas em produtos derivados do leite.

Dentro do organismo, o período de encubação do protozoário pode variar para cada pessoa, podendo se manifestar em dias, meses ou anos.

Como evitar

Algumas atitudes simples podem evitar a contaminação com o protozoário causador da amebíase, são elas:

  • Lavar as mãos: lavar bem as mãos antes e após qualquer refeição pode evitar a contaminação por ingestão;
  • Lavar a frutas e hortaliças: Lavar os alimentos de origem vegetal, a exemplo de frutas e hortaliças, e deixá-los de molho em uma solução de água com água sanitária, sendo uma colher de sopa de água sanitária de para cada litro de água, pode eliminar os protozoários;
  • Ferver água: é importante sempre ferver a água por pelo menos 20 minutos e filtrar águas de poço ou rios antes de bebê-las;
  • Contato com fezes: sempre evitar o contato direto e indireto com fezes humanas. Se for necessário opte por algum meio de proteção, como luvas.

Como detectar

A amebíase pode ser identificada através de exames de fezes, que consegue, com facilidade, detectar os antígenos que o organismo produz para combater o parasita.

Contudo, a forma mais grave da doença precisa de exames de imagem, a exemplo da tomografia computadorizada, ressonância magnética ou ecografia. Em alguns casos, para conseguir diagnosticar a doença, os médicos podem utilizar de agulhas finas para puncionar os abscessos (coleções de pus dentro do tecido, causados por infecção bacteriana).

Se a doença não for detectada com esses exames, também é possível realizar um exame de sangue para a identificação da presença de anticorpos contra o parasita. Em último caso pode ser realizado uma biopsia intestinal, onde um pequeno pedaço do tecido do intestino é retirado para análise em laboratório.

Algumas especialidades médicas podem ajudar a identificar a amebíase, sendo elas: clínica geral; infectologia; proctologia e gastroentereologia.

Tratamento da amebíase

O tratamento da doença geralmente é feito com dois medicamentos: o metronidazol, que é um derivado nitroimidazol com atividade antiprotozoária, ou o tinidazol, também utilizado contra infecções por protozoários.

O tempo do tratamento pode variar de acordo com o organismo do infectado e com a fase que se encontra a doença. Além disso, quando existe a formação de abscessos pode ser necessário retirá-los com agulha ou outro tratamento específico, porém é raro chegar ao ponto de precisar de uma cirurgia.

Na maioria dos casos, duas semanas de tratamento com medicações são suficientes para eliminação da doença do corpo humano.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Luiz, Victor. Amebíase; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/amebiase >. Acesso em 29 de janeiro de 2020 às 22:39.

Copiar referência

Outros Artigos de Biologia

Celoma

O Celoma tem origem do latim “cele” que significa “cavidade”. […]

Cavalo Marinho

O Cavalo Marinho é da espécie do Hippocampus, um gênero […]

Cavalo

O Cavalo é um animal mamífero que pertence a um […]

Caule

O Caule é o órgão que conduz as seivas das […]