Américo Vespúcio

Importante navegador da época dos grandes descobrimentos

Américo Vespúcio foi um navegador, geógrafo e cosmógrafo italiano que viajou pelas terras do Novo Mundo explorando e escrevendo sobre elas ao Reino de Portugal e da Espanha. Viveu no período das grandes navegações e descobrimentos marítimos cercado de ampla efervescência cultural.

Anos após a primeira viagem de exploração de Cristóvão Colombo, Vespúcio atravessa o oceano atlântico. A sua percepção era de que as terras da América fossem um continente separado da Ásia e desconhecido até então e não uma ilha, contrariando a ideia de Colombo que acreditava que elas faziam parte do extremo leste da Ásia.

Embora não tenha sido o primeiro europeu a pisar em terras americanas, teve seu nome como inspiração para o nome do continente da América. Tal reconhecimento se deve às cartas que Américo Vespúcio escrevia com descrições do continente recém-descoberto e que ficaram muito famosas.

Biografia

Américo Vespúcio nasceu em Florença na Itália, em 9 de março de 1454, como Amerigo Vespucci, seu nome em italiano. Filho de Nastagio Vespucci e Lisabetta Mini, fazia parte de uma família poderosa e tradicional florentina. Aos cuidados do seu tio Giorgio Antonio Vespucci consegue uma boa educação e se aprofunda nos conhecimentos de cosmografia, geografia e astronomia.

Em 1491, Vespúcio começa a trabalhar para a Família Médici na Itália, com quem tinha grande aproximação, principalmente com Lorenzo di Pier Francesco dei Medici e seu irmão Giovanni.

Mais tarde se muda para Sevilha, na Espanha, para trabalhar no comércio com Gianotto Berardi equipando navios para longas viagens.  Vespúcio conviveu muito tempo perto de empreendimentos marítimos, o que lhe despertou o desejo por navegar e se aventurar.

Américo Vespúcio e suas viagens à América

Atuando como mercador em Sevilha, Américo Vespúcio cuidou dos provimentos dos navios de Cristóvão Colombo pra as suas segunda e terceira viagens. Nessa área, o comerciante conseguiu contato com grandes navegadores e conquistadores.

É provável que ele tenha iniciado suas incursões pelo Atlântico desde o ano de 1497, mas é em 1499 que ele consegue embarcar em uma viagem às Índias, fazendo parte da expedição espanhola de Alonso de Ojeda.

Por causa de desentendimentos os dois se separam e Vespúcio segue direção como comandante do seu navio. Nessa viagem atuou como navegador e explorou a costa do norte da América do Sul. A intenção era explorar terras já descobertas por Colombo.

Em 1501, já depois do descobrimento do Brasil, retorna à América, dessa vez na costa sudeste em um navio de Portugal a serviço do Rei Dom Manuel I. Essa viagem o consolidaria como grande nome das navegações. Vespúcio foi enviado para analisar quais riquezas existiam no Brasil.

Vespúcio encontrando o astrolábio, a a constelação da Cruz do Sul em seu texto Mundus Novus
Retrato de Vespúcio encontrando o astrolábio, revelado na carta Mundus Novus. (Foto: Wikimédia)

Depois de explorar algumas regiões, Américo Vespúcio encontrou na Bahia de Todos os Santos um rio enorme de águas cristalinas em 04 de outubro desse mesmo ano, nomeando-o de Rio São Francisco, com referência ao santo daquele dia.

Percorrendo a costa mais ao sul com a frota encontraram uma baía, chegando lá no dia primeiro de janeiro de 1502. Esse local eles chamaram de Rio de Janeiro por causa dessa viagem.

Retornou ao Brasil novamente em 1503 em uma frota associada a Fernão de Noronha, carregou o navio de pau-Brasil e seguiu para Lisboa em 1504.

A partir dessas viagens, Américo Vespúcio conseguiu escrever muito conteúdo que descrevia o novo território e por isso ganhou grande notoriedade.

Escritos e vida controversa

Ao voltar das viagens exploratórias, Vespúcio começou a escrever e publicar sobre o que tinha visto nas novas terras, as quais chamou de Novo Mundo. Durante as viagens, seus textos eram enviados exclusivamente para as coroas Espanhola e Portuguesa.

No entanto, escreveu duas versões de cartas para serem publicadas com dois títulos diferentes, uma chamada “Quattuor Americi navigationes e Mundus Novus”, e a outra “Mundo Epistola Alberici de Novo”, ambas falando do mesmo assunto.

As narrativas de suas viagens fizeram Américo Vespúcio ser um dos autores mais vendidos da época. Todavia, muitos textos tiveram sua veracidade questionável. Dizem alguns historiadores que ele mesmo falsificou um dos seus próprios textos e negou que fosse autor. No entanto, por possuir sua assinatura não se sabe ao certo se muitos dos textos eram verídicos ou não.

O problema era que Vespúcio mentia sobre muitas coisas, inclusive de ser o verdadeiro descobridor da América e não Colombo. Parte da história que ele contava sobre si próprio poderia não ser verdade tornando suas obras bem controversas.

Apesar das suspeitas de fraudes e mentiras do conteúdo de algumas de suas cartas, seus textos ainda são referência para o conhecimento da história de exploração da América nos primeiros anos. Vespúcio contribuiu bastante com as descrições das terras e com a cosmografia da época.

“Nenhuma espécie de metal lá se encontra, exceto o ouro, do qual aqueles países abundam, ainda que nada dele conosco tenhamos trazido nesta nossa primeira navegação.”

O que fez suas cartas representarem tamanha importância, foi o fato de Américo Vespúcio afirmar que aquela região não era uma extensão das Índias, como dizia Colombo, mas sim um novo mundo, o qual era separado de países da Europa e dos continentes próximos a ela. Essa questão nas cartas se tornou de grande importância para a cartografia e ajudou a popularizar as suas narrativas.

Origem do nome “América”

O nome “América”, é derivado do latim Americus, que é uma versão feminina do primeiro nome de Américo Vespúcio.

Na verdade, quem nomeou o novo continente de “América” foi o cartógrafo alemão Martin Waldseemüller quando estava elaborando o mapa do mundo, em 1507. Ele havia lido as cartas de Vespúcio sobre as suas viagens às novas terras e por isso nomeou a parte sul do Novo Mundo de América, chamado depois de América do Sul.

Mais tarde, o restante do território foi nomeado pelos cartógrafos da época de América do Norte e América Central, mesmo Vespúcio nunca ter ido a esses outros dois locais.

Depois das grandes navegações

Em 1505 de volta a Sevilha e com o vasto conhecimento adquirido nas viagens exploratórias, Américo Vespúcio começou a trabalhar para o governo da Espanha ajudando na preparação de mapas das novas terras descobertas e na elaboração de rotas marítimas para se chegar a elas.

Teve importantes atribuições no cargo de navegador chefe em 1508, oferecido pelo governo.

Vespúcio também publicou o livro “Mundus Novus”, o qual narrava suas viagens e depois publicou outro livro intitulado “Carta a Soderini”.

Américo Vespúcio faleceu em Sevilha, em 22 de fevereiro de 1512, após adquirir malária.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Oliveira, Darcicleia. Américo Vespúcio; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/americo-vespucio >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 19:41.

Copiar referência