Amor de Perdição

Romance que narra o amor de dois jovens de famílias inimigas

Amor de Perdição” é um romance do português Camilo Castelo Branco. A obra, escrita em 1861, foi publicada pela primeira vez no ano seguinte, em 1862. É considerada a mais importante do autor, assim como para a segunda fase do Romantismo em Portugal.

Capa do livro "Amor de Perdição"
Capa do romance “amor de Perdição, de Camilo Castelo Branco. (Foto: Site Amazon)

Camilo Castelo Branco escreveu “Amor de Perdição” no período de 15 dias, enquanto estava preso por adultério. Era uma obra que não gostava muito, pois talvez tenha sido inspirada em suas desventuras e casos de amor conflituosos.

Apesar disso, foi o primeiro best-seller português, o suficiente para fazê-lo escrever “Amor de Salvação”, uma espécie de contraponto.

O romance já foi adaptado para o cinema e teatro, chegando a ser inspiração para uma ópera, em 1986. Além disso, já foi traduzido por diversas línguas e até hoje é considerado uma obra-prima da ficção portuguesa.

“Amor de Perdição” narra a história do amor proibido entre os jovens, Simão Botelho e Teresa de Albuquerque, que pertencem à famílias rivais: Botelho e Albuquerque.

Amor de Perdição: personagens

  • Simão Botelho: protagonista da história, é um jovem de personalidade forte, temperamento sanguinário, violento e briguento. No entanto, muda de postura ao se apaixonar pela vizinha Teresa Albuquerque.
  • Teresa Albuquerque: protagoniza a narrativa juntamente com Simão Botelho. É uma menina de 15 anos que se apaixona por Simão. Luta firmemente pelo amor perante um pai severo e autoritário que quer casá-la com um primo.
  • Mariana: moça pobre e do campo que nutre uma paixão não correspondida por Simão Botelho e, por isso, faz tudo por ele, até ajudá-lo no amor proibido com Teresa Albuquerque.
  • Baltasar Coutinho: constituído como vilão da história e primo de Teresa. Junta-se ao tio, que é dissimulado, moralista, hipócrita e oportunista, e juntos encomendam a morte de Simão.
  • Domingos Botelho: é o pai de Simão e totalmente contra o amor do filho por Teresa. O principal motivo é ela ser filha do seu rival Tadeu Albuquerque.
  • Tadeu Albuquerque: pai de Teresa, que também é contra o seu amor com Simão. Quando descobre o romance, trata de arranjar o casamento dela com o primo Baltasar.
  • João da Cruz: pai de Mariana, é um homem equilibrado e sensato. O único que apresenta traços realistas na obra. Ele é ferreiro, mas torna-se assassino após uma briga.

 Resumo

A história se passa em Viseu, cidade localizada no centro de Portugal. Simão Botelho, de 15 anos, e Teresa Albuquerque, 17, moram em casas vizinhas e se apaixonam e iniciam uma relação amorosa através das janelas.

Mas essa paixão encontra a oposição das famílias Botelho e Albuquerque, que eram declaradamente inimigas. A rivalidade se deu após o juiz Domingos Botelho proferir uma sentença desfavorável à Família Albuquerque.

Assim que a afeição dos dois é percebida, o pai de Teresa trata de arranjar o casamento da moça com seu primo Baltasar Coutinho.

Contudo, ela se recusa e o pai ameaça mandá-la para o convento de Monchique, no Porto. Simultaneamente, Simão é mandado pelo pai para estudar em Coimbra, também no intuito de pôr um fim no romance do filho com  Teresa.

Escultura de Simão e Tereza: protagonista de "Amor de Perdição"
Estátua “Amor de Perdição” do escultor Francisco Simões, na cidade do Porto. (Wikipédia)

Sentindo-se desprezado e ofendido, Baltasar se junta com tio para tentar persuadir Teresa a esquecer Simão e casar-se com ele. Mesmo com várias tentativas, tanto do pai quanto do primo, ela continua irredutível e se recusa a casar com ele.

Com medo de ser mandada para o convento, Teresa diz que terminou o romance com Simão após sua partida para Coimbra. Mas Simão retorna a Viseu e com a ajuda de Mariana troca correspondência com Teresa clandestinamente.

Em um dia, Simão resolve se encontrar com Teresa em sua casa, aproveitando o momento de distração durante festa na residência da família Albuquerque, mas são flagrados por Baltasar.

Nesse conflito, dois criados de Baltasar são mortos e Simão sai ferido. Simão busca refúgio na casa de João da Cruz, Mariana se torna sua enfermeira, enquanto Teresa é mandada para o convento na cidade de Viseu.

Mariana então se apaixona por Simão, mas não é correspondia pois todo o amor do rapaz era de Teresa. Contudo, mesmo apaixonada por ele,  percebe a dificuldade do casal e resolve ajudá-los.

Mariana faz uma visita ao convento e Teresa comunica que será enviada para o convento na cidade do Porto.

Ao saber do fato, Simão decide raptar Teresa, mas na tentativa defronta-se com Baltasar e nesse conflito o atinge com um tiro que o leva à morte.

Então, João da Cruz dá cobertura a fuga de Simão e o incentiva a fugir, no entanto, como um personagem heroico, ele recusa e se entrega a prisão, sendo depois condenado à morte.

Entretanto, com a interferência de seu pai Domingos, a sua pena é convertida ao degredo nas Índias por 10 anos. Para Simão era vergonha e humilhação, mas para Mariana era a esperança de que seu amor fosse correspondido.

Já Teresa adoece, definhando de tristeza e magoa. A jovem tinha perdido a vontade de viver. No dia da partida do amado,pede que fique no mirante do convento para ver o navio que levará Simão.

Quando embarca, Simão ver Teresa e em um aceno de adeus, ela morre de desgosto. Após nove dias no mar, sofrendo pela amada, Simão também adoece e morre.

Quando o corpo de Simão é jogado ao mar, Mariana não suporta a dor da perda do amado e se joga abraçando o corpo enrolado no lençol . Juntos eles afundam no oceano.

Ironicamente, na água onde Simão e Mariana afundam, papéis boiam. São as cartas de amor entre Simão e Teresa.

Análise da obra

“Amor de Perdição” é um livro típico da escrita de Camilo Castelo Branco, pois é comum em suas obras a temática do amor profundo entre jovens que lutam pela paixão, com o típico casal herói lutando contra os obstáculos em busca da felicidade.

Além disso, também é possível perceber o conflito relacionado a um grande desabafo do autor, por ele ter sofrido e se revoltado ao ser preso por adultério.

“Amor de Perdição” é  característico da segunda fase do romantismo português, geração que trouxe os valores ultrarromântico no formato tradicional do Romantismo, com herói e heroínavilão, conflito e redenção.

O romance também faz algumas denúncias sociais: a hipocrisia social, a preocupação com a aparência e com o status, a arrogância, o pedantismo, a denúncia da monarquia e das mazelas do clero.

Além disso, tem um aspecto de inspiração, no modelo shakespeariano, se tornando uma espécie de Romeu e Julieta lusitano, sendo a utopia do romance  a da morte, tanto que o destino desses heróis é trágico, assim como a rivalidade entre as famílias de Romeu e Julieta, de William Shakespeare.

Escrito em terceira pessoa, “Amor de Perdição” é caracterizado pelo narrador onisciente – conhece e sabe a história que está contando, desvendando o interior de cada personagem, sabendo o que se passa no coração e na cabeça deles. Assim como também faz comentários e expressa opiniões sobre os sentimento e comportamentos dos personagens.

A segunda geração do romantismo tem por utopia os princípios ligados à ideia de morte. Por isso, a conclusão dessa história acontece em meio a tragédia, aspecto percebido também no próprio título da obra. 

Ou seja, a concepção de que todos, em um momento que sentiu amor por alguém, teve como resultado a perdição, no caso, a morte.

“Amor de Perdição” está em domínio público. Faça o download e boa Leitura!

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Lima, Cleane. Amor de Perdição; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/amor-de-perdicao >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 14:34.

Copiar referência