Ancilostomose

Doença do amarelão

A ancilostomose ou doença do amarelão, como é popularmente conhecida, é  provocada por duas espécies de parasitas nematelmintos: o Ancylostoma duodenale e o Necator americanos, causando infecção intestinal no indivíduo contaminado.

Esses vermes estão espalhados pelo mundo. Algumas espécies têm a vida livre e podem ser encontradas tanto no ambiente aquático como no terrestre. Outras espécies, entretanto, são parasitas que vivem apenas em plantas e animais, como os Ancylostoma braziliense e Ancylostoma caninum.

Verme da ancilostomose.
Imagem microscópica da Ancylostoma duodenale, uma das vermes causadoras da ancilostomose. (Foto: Wikimedia)

Ciclo de vida dos vermes

Nos humanos, os vermes adultos que causam a ancilostomose medem entre 1 e 1,5 cm. Eles vivem no intestino delgado da pessoa infectada, onde os machos e as fêmeas acasalam dando origem aos ovos que são eliminados junto com as fezes.

Contudo, se após a expulsão, os ovos encontrarem condições favoráveis de umidade e temperatura as vermes permanecem vivas por até 24 horas, uma vez que os ovos eclodem e eliminam pequenas novas larvas no ambiente.

Por sua vez, estas larvas conseguem sobreviver no ambiente externo por até sete dias, no qual já conseguem penetrar na pele do homem. Além disso, elas passam de rabditoide para filarioide infestante.

A fêmea de uma das vermes causadora da ancilostomose, chamada de Ancylostoma duodenale, põe até 30 mil ovos por dia, já a que recebe o nome de Necator americanus consegue pôr 9 mil ovos por dia.

A verme penetra na pele do homem principalmente quando este anda descalço sobre lugares infectados. Dessa forma, elas seguem para os capilares sanguíneos e através da circulação são levadas para o coração e, em seguida, para os pulmões.

Depois que perfuram os capilares pulmonares e a parede dos alvéolos, migram pelos bronquíolos, passam pela faringe e descem pelo esôfago até chegarem no destino final, que é o intestino delgado, parte propícia para a maturidade sexual.

Sintomas da ancilostomose

No indivíduo infectado, a ancilostomose se manifesta por meio de uma infecção intestinal. Como as vermes se hospedam no intestino delgado, elas agarram as paredes intestinais com seus dentes, causando lesões e hemorragias no local.

Outro sintoma muito comum é o aspecto da pele amarelada (pálida), uma vez que a doença provoca a perda de sangue e, por isso, também é chamada de amarelão.

As pessoas contaminadas por ancilostomose podem apresentar irritação na pele, desânimo, fraqueza, perda de peso, lesões pulmonares e perturbações intestinais, que se manifestam através de cólicas, náuseas e hemorragias.

As hemorragias, inclusive, podem durar bastante tempo e, se não tratadas, causam anemia intensa ou outras complicações, como desnutrição profunda (caquexia), ausência de menstruação (amenorreia), partos com feto morto e, em crianças, atraso no crescimento ou transtorno mental.

Transmissão

A transmissão ocorre pelo contato direto da pele com as larvas, principalmente em países de clima quente e úmido. Esse contato pode ocorrer através dos pés, mãos, pernas e nádegas ou pela ingestão de alimentos contaminados pelo parasita.

As crianças, por brincarem na terra, e os trabalhadores rurais, pelo manuseio constante, têm mais propensão em adquirir a doença, já que as larvas entrem em contato com o solo depois que são expulsas nas fezes humanas.

Tratamento e formas de prevenção da ancilostomose

A maneira mais eficaz de se prevenir contra a ancilostomose é evitar andar descalço sobre a terra contaminada. Os alimentos, tais como frutas e verduras também devem ser bem higienizados antes do consumo.

As outras formas de prevenção envolvem o investimento em construções de instalações sanitárias adequadas, de modo que o solo não seja facilmente contaminado pelos ovos das vermes. 

O diagnóstico da doença é feito através de uma pesquisa nas fezes humanas. Para isso, os exames laboratoriais usam alguns métodos, como o de sedimentação espontânea (HPJ), o MIFC,o método de Willis, entre outros.

O tratamento de ancilostomose é feito com uso de medicamentos que, a princípio, têm o objetivo de tratar a anemia, por isso, alguns médicos recomendam a ingestão de suplementos de ferro.

Caso a anemia já estiver controlada, o médico irá indicar apenas o uso de remédios antiparasitários, a exemplo do Albendazol ou o Mebendazol, que normalmente são utilizados por 3 dias, de modo que o parasita seja totalmente eliminado do organismo.

Por fim, além de amarelão, que é o nome mais comum da doença, a ancilostomose também é chamada de ancilostomíase, necatoríase ou doença do Jeca Tatu. Inclusive, o escritor Monteiro Lobato retrata, em um de seus livros, o personagem Jeca Tatu como um indivíduo parasitado pelo verme.

A relação feita pelo autor fez com que o Laboratório Fontoura usasse o personagem do livro na propaganda de medicamentos indicados para o tratamento da doença.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

MENDONÇA, Camila. Ancilostomose; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/ancilostomose >. Acesso em 29 de janeiro de 2020 às 18:57.

Copiar referência

Outros Artigos de Biologia

Celoma

O Celoma tem origem do latim “cele” que significa “cavidade”. […]

Cavalo Marinho

O Cavalo Marinho é da espécie do Hippocampus, um gênero […]

Cavalo

O Cavalo é um animal mamífero que pertence a um […]

Caule

O Caule é o órgão que conduz as seivas das […]