Anita Garibaldi

Revolucionária e heroína brasileira

Anita Garibaldi manuseou armas em três nações diferentes e em Roma, onde está seu túmulo. Ela é considerada uma das heroínas que cometeu sacrifícios para que a Itália conseguisse se tornar uma nação integrada. Além do Brasil, ela manuseou armas no Uruguai e na Itália onde é chamada de heroína revolucionária.

 

Imagem de corpo inteiro de Anita Garibaldi.
Na foto, Anita Garibaldi em pé e com roupas com características masculinas. Demonstrando estar bem à frente de seu tempo. (Foto: Wikipédia)

Anita Garibaldi: como tudo começou

Ana Maria de Jesus Ribeiro da Silva (1821-1849), como foi registrada, lutou na Revolução Farroupilha (Guerra dos Farrapos), na Batalha dos Curitibanos e na Batalha de Gianicolo, na Itália.

Era mais conhecida como Anita Garibaldi, nasceu em Morrinhos, então município de Laguna, Santa Catarina, no dia 30 de agosto de 1821. Era filha de Bento Ribeiro da Silva, um singelo e humilde comerciante de Laguna, descendente de família portuguesa vinda dos Açores e de Maria Antônia de Jesus.

Pouco tempo após o falecimento de Bento Ribeiro da Silva, seu pai, Anita foi obrigada a se casar com o sapateiro Manuel Duarte de Aguiar. Ainda menor, com apenas quatorze anos, casou-se na Igreja Matriz de Santo Antônio dos Anjos.

O seu então esposo iria se alistar nas tropas imperiais, enquanto a família de Anita apoiava os farroupilhas (ou farrapos) que pleiteavam separar-se do Império do Brasil.

Seu casamento durou cerca de três anos e seu marido se alistou no exército do império. Anita voltou a residir com sua mãe após estes acontecimentos e foi então que, já na maioridade (18 anos), conheceu Giuseppe Garibaldi, que vinha aportar no Brasil. 

Assim, abandonou de vez seu esposo Manuel. Com isso, Anita demonstrou que não aceitava ser refreada às normas da sociedade daquela época.

Anita e Giuseppe Garibaldi

Anita Garibaldi, em 1839, conheceu Giuseppe Garibaldi. Giuseppe era um general italiano, que chegou ao Rio de Janeiro no ano de 1935 buscando refúgio já que, após lutar pela unificação da península itálica sob forma de república, ele precisou fugir. Ele não obteve êxito em seu golpe e foi condenado à morte. Após a condenação começou seu exílio contínuo e ficou refugiado na França inicialmente e logo após aportou no Brasil. Nessa época o país tinha outros exilados de nacionalidade italiana.

No ano em que Giuseppe chegou ao Brasil, surgiu no Rio Grande do Sul um movimento Republicano, comandado por Bento Gonçalves da Silva. Assim que obteve informações sobre a revolução, Giuseppe Garibaldi apoiou a causa e a República de Piratini deixou claro que à sua disposição estavam poder bélico, doze homens e um veleiro.  

Durante os anos de guerra, Anita Ribeiro da Silva, que também lutava na revolução, conheceu Giuseppe Garibaldi. Anita deu reforço e apoio a ele e participou dos confrontos em Imbituba (Santa Catarina) e da Batalha de Laguna, onde manuseou um canhão que ela mesma abastecia.

Concomitante a Guerra dos Farrapos, Giuseppe Garibaldi executou vários feitos. Dentre eles, tomou a cidade de Laguna (Santa Catarina) aumentando as fronteiras da República.

A Batalha de Curitibanos estava em pleno vapor quando Anita Garibaldi foi capturada pelas tropas do Império. Neste momento da vida dela, Anita estava grávida de seu primeiro filho e recebeu a triste notícia de que seu esposo tinha morrido. Incrédula, buscou forças e fugiu a cavalo procurando por seu marido. A coragem e insistência dela fez com que encontrasse seu marido na cidade de Vacaria.

Casamento e filhos

Anita Garibaldi e Giuseppe Garibaldi, em 16 de setembro de 1840, festejaram o nascimento de seu filho primogênito Domênico Menotti, na região da Lagoa dos Patos (Rio Grande do Sul).

No décimo segundo dia de vida de seu filho, Anita Garibaldi foi obrigada a fugir a cavalo. Mal houve tempo para vestir-se e o pequeno recém-nascido foi junto. Ela sofreu um ataque na madrugada, durante um período em que Giuseppe estava ausente. Para não morrer nas mãos dos inimigos, ela teve essa atitude desesperada.

Anita e o filho foram reencontrados depois e seguiram na posterior grande retirada pelo funesto vale do Rio das Antas. Segundo Giuseppe, a personalidade enérgica de Anita Garibaldi com sua atitude corajosa foi salvar o filho.

Dispensado por Bento Gonçalves, em 1841, Giuseppe Garibaldi direcionou a sua vida e a de sua família para Montevidéu. Lá ele fez parte das lutas uruguaias contra o opressor Rosas.

Em 26 de Março de 1842, Anita casou-se oficialmente com Giuseppe Garibaldi, na antiga Igreja de São Francisco de Assis. Mais tarde Anita teve mais três filhos: Rosita, Teresita e Riccioti.

Rosita não conseguiu se recuperar de uma difteria e faleceu aos trinta meses, deixando seus pais desesperados. No final de 1847 Anita Garibaldi seguiu com seus filhos para a Itália, para Gênova e Nice. Mais adiante seu marido foi de encontro à família.

Já na Itália, Anita Garibaldi demonstrou aprimoramento intelectual com honras de esposa com qualidades e características perceptíveis de um herói italiano conhecido em todos os continentes.

Morte de Anita Garibaldi

Anita Garibaldi foi com as crianças para Nice, na França, em 1848, e ficou alojada com a sogra. Giuseppe, não tinha regressado a sua terra natal desde 1834 e assim que chegou foi recebido com uma grande festa, honras e prestígio. Ganhou homens e armas.

Foi em uma Itália unida, em 1882, que Anita Garibaldi morreu. Em 1849, o casal precisou escapar de tropas francesas e austríacas que queriam matá-los para tomar para eles o poderio de Roma. Já bem debilitada e enferma, especula-se que ela contraiu malária, Anita Garibaldi colheu os malefícios de uma vida de batalhas com alimentos ruins e ferimentos de guerra. Também era comum não dormir e passar dias ao sereno.

Com o bebê ainda em formação na barriga, Anita foi a óbito. O marido não pôde acompanhar o enterro. Teve que fugir depressa para continuar a luta.

Anita Garibaldi faleceu em Mandriole, Itália, no dia 04 de agosto de 1849. Em Roma, na colina de Gianicolo, em sua homenagem, existe um monumentos. Lá colocaram seus restos mortais. Anita deixou cinco filhos, frutos de seu relacionamento com Giuseppe.

Anita Garibaldi: acertos e fracassos

  • Seguia seu coração – Teve a coragem de desfazer-se de sua vida previsível para ficar ao lado de quem amava;
  • Corajosa – Anita Garibaldi manuseava armas e combatia de maneira enérgica em batalhas;
  • Influenciadora – Na Itália, diversas mulheres participaram das guerras que resultaram na formação do país europeu afirmando que foram inspiradas por Anita;
  • Saúde deixada de lado – O embaixador norte-americano em San Marino ofereceu abrigo ao casal, mas Anita não utilizou a ajuda e recusou a proposta. Como não se recuperou fisicamente, morreu dias depois;
  • Indisciplina – Houve circunstâncias em que ela colocou a tropa em situações de risco e obrigou soldados a recuar para defendê-la.

Citações

Não quero ser o primeiro, mas o último amor de um homem.

Não tenha medo de viver, de correr atrás dos sonhos. Tenha medo de ficar parado.

Bendita pobreza que me liberta.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Bispo, Manuela. Anita Garibaldi; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/anita-garibaldi >. Acesso em 29 de janeiro de 2020 às 21:20.

Copiar referência