Arquitetura Medieval

Estilos arquitetônicos desenvolvidos durante a Idade Média

A arquitetura medieval reúne os estilos arquitetônicos realizados no período da Idade Média sob a influência do cristianismo católico. Predominou no período construções de igrejas, catedrais, pontes e castelos.

A Idade Média – período entre os séculos V ao XV – também é chamado de Idade das Trevas. Dentre as características que marcaram o período estão: as invasões dos povos bárbaros, a economia voltada para o campo, o feudalismo, hierarquias sociais e a supremacia da Igreja Católica.

A concepção dos humanistas sobre a época foi de que a região europeia retrocedeu nos aspectos artístico, intelectual, filosófico e institucional, principalmente pela sociedade hierarquizada e com forte traço do teocentrismo. Além dos intelectuais renascentistas, os iluministas também concebiam o período civilizatório da Idade Média como místico e inferior a razão.

Todo conhecimento agregado pelos povos gregos e romanos ao longo do Império Romano foi prejudicado pela rigidez e poder da Igreja Católica.

A sociedade medieval era formada pela nobreza feudal, os integrantes do clero e os camponeses. E foi exatamente nessa sociedade hierarquizada e estática que desenvolveu-se a arquitetura medieval em dois momentos distintos: a Alta Idade Média e a Baixa Idade Média.

Alta Idade Média

A Alta Idade Média foi o período de formação dos reinos feudais. Esse período ocorreu do século V ao IX quando se iniciaram as invasões dos povos bárbaros nas fronteiras do imenso Império Romano.

O Império Romano foi invadido por povos de diversas origens, principalmente os germânicos. Isso provocou a migração de muitas pessoas para as zonas rurais ou para os campos fugindo dos saques e da violência. Por isso, na Europa Ocidental iniciou-se o processo de ruralização da população.

A região rural tornou-se protegida com a presença de um senhor feudal, proprietário de terras, que tinha o poder sobre os demais habitantes. Dessa forma estava instalada a sociedade feudal. Agora o poder era fragmentado nas mãos de cada senhor feudal, forte economia rural e ligada ao religioso.

Baixa Idade Média

A Baixa Idade Média foi o período de formação das cidades e do comércio. Esse período ocorreu do século X ao XV quando se iniciou a consolidação dos estados ocidentais europeus.

O melhoramento das técnicas agrícolas e o fim das invasões bárbaras propiciaram o crescimento demográfico durante a Baixa Idade Média. Entretanto, houve o processo de desintegração do sistema feudal, o excedente das produções agrícolas passaram a ser comercializadas e iniciou o sistema capitalista.

A França, a Inglaterra e a Espanha tornaram-se centros de poder políticos e econômicos. Com o desenvolvimento comercial surgiu a chamada Liga Hanseática, ou seja, acordo comercial entre cidades alemãs no norte da Europa e no Báltico.

No campo cultural, os conhecimentos dos realistas e dos nominalistas conceituaram acerca da universalidade. E ainda o filósofo Aristóteles contribuiu para a questão empírica e racionalista. Esse e outros agregados culturais da época estimularam o pensamento intelectual.

Arquitetura Medieval: Estilo Bizantino

A desintegração do imenso Império Romano o repartiu em dois impérios – Império Romano do Oriente e o Império Romano do Ocidente. A parte oriental tinha como capital a cidade de Constantinopla, atualmente a cidade de Istambul, que foi constituída no Império Bizantino em 330 d.C.

O governo do imperador Justiniano foi um período de muitas riquezas e vitórias do império. Foi nesse contexto que surgiu o estilo bizantino da arquitetura medieval e o auge da arte bizantina.

Esse estilo se espalhou por todo continente europeu, também no norte da África e na Ásia menor. NA arquitetura bizantina foi predominante o uso de cúpulas, e de planta de eixo central nas construções.

As cúpulas serviam para cobrir o alto das igrejas. E também, especificamente as cúpulas reproduziam as abóbadas celestes, que eram construções semelhantes ao espaço do céu.

Arquitetura Medieval: Estilo Românico

O estilo românico da arquitetura medieval ocorreu nos séculos XI e XIII com surgimento na Itália e na França.

As construções de igrejas com o modelo românico substituíram as antigas basílicas dos povos romanos. E nessas construções foram utilizados instrumentos das construções romanas. Essa foi a razão do nome do estilo românico.

O estilo românico é caracterizado pelas construções de paredes de espessuras grossas, poucas janelas, pouca iluminação no interior e muitos planos horizontais.

A visão do mundo católico cristão influenciou as construções da arquitetura medieval. Por isso, o modelo arquitetônico romântico nas igrejas referia-se ao impedimento da entrada de forças ruins.

Os castelos eram semelhantes as grandes fortalezas que tinham por finalidade a proteção dos ataques de povos inimigos durante as guerras.

Arquitetura Medieval Basílica  de San Miniato al Monte
A Basílica de San Miniato al Monte está localizada em Florença, município da Itália. (Foto: Wikipedia)

Veja exemplos da arquitetura medieval românica:

  • Igreja Sé Velha;
  • Igreja Nossa Senhora a Maior;
  • Igreja Germiny des Prés;
  • Catedral de Santa Maria (Duomo di Pisa);
  • Batistério de Florença;
  • Basílica de San Miniato al Monte.

Arquitetura Medieval: estilo gótico

O estilo gótico da arquitetura medieval ocorreu na França no século XII ao XV. A propagação desse estilo foi realizado pelos monges da Ordem de Cister e nomeado pelos artistas italianos do Renascimento. Esse estilo arquitetônico foi predominante na França, na Inglaterra e na Alemanha.

A principal característica da arquitetura gótica era a predominância dos planos verticais. O objetivo era passar a ideia de aproximação do divino.

As catedrais góticas tinham o formato arcobotante, ou seja, de meio arco. Além da beleza, essas estruturas distribuíam o peso das paredes e das colunas.

A leveza, as espessuras finas das paredes e as muitas janelas eram outras características do estilo gótico, além de gárgulas penduradas nas altas quinas das igrejas e das catedrais.

As gárgulas funcionavam como desaguadouros das chuvas e eram figuram de monstros.

Arquitetura Medieval Gárgula
A gárgula era elemento arquitetônico do estilo gótico colocado nas igrejas e catedrais. (Foto: Pixabay)

As esculturas monstruosas das gárgulas remetiam a ideias do imaginário religioso cristão. A crença da época era de que as gárgulas eram demônios que estavam aos redores dos cristãos, ou que as mesmas serviam para espantar os espíritos das trevas.

Foram construídas catedrais, edifícios públicos, palácios da justiça e dos papas. Veja outros exemplos da arquitetura medieval gótica:

  • Catedral de Notre Dame;
  • Abadia de Saint Denis;
  • Igreja Negra;
  • Catedral de Milão;
  • Catedral de Amiens.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

ARAÚJO, Andréa. Arquitetura Medieval; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/arquitetura-medieval >. Acesso em 18 de novembro de 2019 às 17:24.

Copiar referência

Outros Artigos de Artes

Monumento à Terceira Internacional.

Construtivismo nas artes

O construtivismo nas artes está relacionado com o movimento artístico […]

A Commedia dell’arte fazia a utilização do humor e críticas à sociedade em palcos improvisados.

Commedia Dell’Arte

A Commedia Dell’Arte iniciou-se a partir do início do século […]

Circo armado

Circo

O circo é o lugar onde acontecem expressões artísticas que […]

características das cores matiz

Características das Cores

As características das cores podem ser descritas como matiz, tonalidade […]