As Treze Colônias e a Formação dos Estados Unidos

Acontecimentos que deram início a formação dos EUA

As Treze Colônias e a Formação dos Estados Unidos são os termos usados para fazer referência a relação entre a criação das colônias britânicas e o processo de independência dos EUA. As treze colônias também são chamadas de treze colônias britânicas ou treze colônias americanas.

Fundadas entre o século XVII e o século XVIII na costa leste, as treze colônias americanas era constituída por Carolina do Norte, Carolina do Sul, Connecticut, Delaware, Geórgia, Rhode Island, Massachusetts, Mayland, New Hampshire, Nova York, Nova Jersey, Pensilvânia e Virginia.

As Treze Colônias e a Formação dos Estados Unidos foram importantes acontecimentos na história do mundo. Vários momentos históricos importantes envolveram a criação das treze colônias britânicas (ou treze estados).

algumas regiões que formaram as treze colônias americanas
Na foto, é possível ver algumas das regiões que formaram o território das treze colônias americanas. (Foto: Wikipedia)

As Treze Colônias e a Formação dos Estados Unidos

O ponta pé inicial para a criação dos treze estados americanos aconteceu quando colonos se posicionaram em uma região entre o monte dos Apalaches e o Oceano Atlântico. Mais tarde, esses colonos ficariam conhecidos como “pais peregrinos”.

Esses peregrinos ingleses puritanos buscavam fundar um novo modelo de sociedade que fosse compatível com suas crenças, já que saíram da Inglaterra para fugir das perseguições religiosas que aconteciam no país.

No ano de 1607, os ingleses fundaram a cidade de Jamestown, na Virginia (esse nome foi dado em homenagem a Rainha Elizabeth I, considerada a “rainha virgem”). A região passou a ser povoada no decorrer do século XVII, durante o período de revoluções que a Grã-Bretanha vivia.

Em pouco tempo, a região de Virginia se tornou um centro de exportação de fumo e isso se devia ao grande fluxo de colonos na região. O fumo era uma mercadoria com grande aceitação em grande parte da Europa, o que tornou a região ainda mais importante.

Em razão do desenvolvimento positivo da região de Virginia, surgiram novos territórios (estados) ao sul da colônia. Especificamente, a Carolina do Norte, a Carolina do Sul e a Geórgia. Mais próximo da fronteira do Norte foi criado Maryland.

Essa região ficou conhecida como as “colônias do Sul” e tinha como principal foco o plantio de produtos, como o arroz e o algodão, para a exportação. Esses produtos eram cultivados em regimes de trabalhos forçados.

No ano de 1620, outro grupo de puritanos fundaram a “colônia de Massachusetts” e em pouco tempo depois fundaram as regiões de New Hampshire, Connecticut e Rhode Island. Essa região ficou conhecida como “as colônias do Norte” e “Nova Inglaterra”.

Ao fundarem as “colônias do Norte”, os puritanos se comprometeram em fazer da região um lugar onde se pudesse “congregar num corpo político e civil” e em se auto governar para o bem de todos.

É importante destacar que no início, essa região era muito pobre e vivia sobre a escassez de recursos naturais. Na tentativa de resolver a situação econômica da região, foi criado um sistema baseado no livre trabalho, na pequena propriedade familiar e na produção de subsistência.

Nova York, Delaware, Pensilvânia e New Jersey formavam a região conhecida como as “colônias centrais” e ficavam entre as “colônias do Sul” e as “colônias do Norte”. Esse território era focado na produção agrícola para o merca externo e interno.

Principais características das Treze Colônias Americanas

Cada uma das treze colônias possuía um perfil econômico específico, ligado as condições humanas, climáticas e geográficas das regiões onde estavam estabelecidas. A região das “colônias do Norte” possuía uma forte ligação com a religião e políticas e chegavam a misturar tais aspectos.

Muitas decisões políticas eram tomadas em assembleias na igreja. As crenças também eram levadas a sério e com absoluto respeito. O racismo era comum e os negros eram escravizados e tratados como inferiores. A agricultura não era rentável já que a região vivia sobre a escassez de recursos naturais.

A região das “colônias do Centro” possuía um clima mais favorável, o que fazia com que a atividade agrícola fosse bastante rentável. Nessa região os negros eram escravizados no trabalho, mas conviviam com a mão de obra livre.

O tráfico humano passava pela zona, que também era ponto de troca comercial entre colônias portuguesas e espanholas. É importante destacar que muitos alemães, suecos e holandeses eram expulsos da região pelos colonos.

A região das “colônias do Sul” também possuía um clima mais favorável, classificado como subtropical, essa característica tornou a zona um dos principais centros de exportação. O trabalho pesado também era feito por negros escravizados, como nas outras regiões.

A Independência das Treze Colônias Americanas

O processo de independência das treze colônias americanas começou em meados do século XVIII. É importante destacar que, o rei inglês da época não se envolvia diretamente na organização das colônias, pois achavam que a região não era rentável o suficiente.

Ao invés de governar a região das treze colônias, ele passou a nomear pessoas para desempenhar a função de governador com uma espécie de assessoria provinda de assembleias, que era responsável por recolher os lucros e tributos.

Apesar disso, as colônias eram de certa forma livres e desde o início, viviam sobre o regime do autogoverno. Os representantes tinham toda autonomia política, social e administrativa para tomar as decisões ligadas a manutenção do sistema.

Em pouco tempo, os colonos passaram a perceber que não precisavam da supervisão da coroa inglesa, já que conseguiam desempenhar as funções de forma satisfatória e positiva para cada respectiva região.

Esse pensamento se tornou um dos principais motores para o estopim da independência das treze colônias. O outro fator foi a intensa disputa territorial travada entre os franceses e os ingleses.

Na tentativa de conseguir recursos para cobrir as despesas da Guerra dos Sete Anos, os britânicos aumentaram os impostos e tributos que cobravam da região das treze colônias, deixando os colonos muito insatisfeitos.

Os colonos também viviam sobre o medo de um possível ataque indígena e sentiam que se caso isso ocorresse, não poderia contar com o suporte da coroa inglesa pois sabiam que a preocupação maior da coroa em relação as treze colônias era a renda dos tributos.

Outro fator que contribuiu bastante para o estopim da independência da zona, foi o boom das ideias iluministas que estavam se espalhando por toda Europa e pelo resto do mundo. Os ideais do iluminismo que envolviam principalmente a ânsia pela liberdade, gerou nos colonos a ideia de que de fato não precisavam mais do governo britânico.

A independência foi estabelecida logo após o governo britânico anunciar a imposição do monopólio da venda do chá para a Companhia das Índias e o estabelecimento do Imposto do Selo

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Maria Azevedo, Amanda. As Treze Colônias e a Formação dos Estados Unidos; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/as-treze-colonias-e-a-formacao-dos-estados-unidos >. Acesso em 29 de janeiro de 2020 às 22:20.

Copiar referência

Outros Artigos de História

Ciclo do Pau-Brasil

O Ciclo do Pau-Brasil foi um período histórico da nação […]

Ciclo do ouro, um dos ciclos importantes do Brasil.

Ciclo do Ouro

O Ciclo do Ouro também era chamado de “ciclo da […]

Um dos ciclos econômicos do Brasil, foi o ciclo do café.

Ciclo do Café

O Ciclo do Café foi a atividade econômica mais importante […]

Ciclo do Algodão no Brasil

O Ciclo do Algodão no Brasil aconteceu entre a segunda […]