Auguste Comte

Reivindicou uma nova doutrina social

Auguste Comte ou Isidore Auguste Marie François Xavier Comte, nasceu em Montpellier em 19 de janeiro de 1798, onde fez os seus primeiros estudos. Era filho de família católica e monárquico. Com 16 anos ingressou na Escola Politécnica de Paris, a qual foi expulso aos 18 anos, porque liderou um protesto. Colaborou em jornais e deu aulas particulares.

Foi filósofo francês, fundador da Sociologia e do Positivismo. Tentou reparar a indisposição social que foi gerada pela Revolução Francesa trabalhando demasiadamente na criação de uma filosofia positiva e reivindicando uma nova doutrina social baseada nas ciências. Considerado então o primeiro filósofo da ciência dando significação moderna da expressão.

Trajetória de Comte

Auguste Comte fez-se discípulo de Caude Henri de Rouvroy, conde de Saint Simon e teórico francês do socialismo utópico, que orientou Comte aos estudos das ciências sociais e doutrinou duas ideias básicas que lhes guiaram os pensamentos:

  • Os fenômenos sociais, como os de caráter físico, também obedecem às leis,
  • Todo conhecimento científico e filosófico deve ter por finalidade o aperfeiçoamento moral e político do homem.

Invalidou sua parceria com Saint-Simon ao discordar de suas ideias sobre as relações entre a ciência e a reorganização da sociedade, pois estava convicto que seu mestre privilegiava a elite industrial e científica do período sacrificando a reforma teórica do conhecimento.

Teve um colapso nervoso quando trabalhava na criação de uma filosofia positiva em 1826, o qual aparentemente foi desencadeado por problemas conjugais. Após a recuperação iniciou sua redação do Curso de Filosofia Positiva, escrito em seis volumes. Esse trabalho durou 22 anos.

Perdeu seu emprego de examinador de admissão à Escola Politécnica por criticar a instituição universitária francesa e começou a ser auxiliado pelos admiradores como o pensador inglês John Stuart Mill.

Nesse mesmo ano se separou de Caroline Massin, depois de 17 anos de casamento. No ano de 1845 se apaixonou por Clotilde de Vaux, que morreu no ano seguinte devido a tuberculose.

Escreveu o “Sistema de Política Positiva” nos anos de 1851 a 1854, em que expressou algumas das principais consequências do seu pensamento de mundo não-teológica e não- metafísica, promovendo a interpretação pura e plenamente humana para a sociedade e sugerindo soluções para os problemas sociais.

No volume final dessa obra apresentou as principais instituições da sua “Religião da Humanidade”.

Publicou em 1856 o primeiro volume da “Síntese Subjetiva, planejada para apreender quatro volumes, os quais cada um trataria de questões específicas das sociedades humanas: lógica, indústria, pedagogias e psicologias. Não conseguiu finalizar a obra porque morreu, provavelmente de câncer, em 5 de setembro de 1857, na cidade de Paris.

Posteriormente, positivistas compraram sua última casa e a transformaram no Museu Casa de Auguste Comte, que fica na rua Monsieur-le-Prince, em Paris.

Auguste Comte e a Sociologia

auguste comte filósofo francês
Auguste Comte, filósofo e criador da Sociologia. (Foto: Wikipedia)

Auguste Comte inspirou muitos pensadores do século XX como Karl Marx, John Stuart Mill e George Eliot com o conceito de sociologia e evolucionismo social e deu estilo aos primeiros teóricos sociais e antropólogos, entre eles, Harriet Martineau e Hebert Spencer, desenvolvendo a sociologia moderna acadêmica retratada por Émile Durkheim, como pesquisa social prática e objetiva.

Comte declarava que as diversas ciências já tinham atingido a positividade, mas a sociedade ainda estava incompleta e sentia necessidade de uma nova disciplina que chamou de física social ou Sociologia, que representaria em um quadro de ciências dispostas em grau de generalidade decrescente, e complexidade crescente: matemática, astronomia, física, química, biologia e sociologia. Depois acrescentou mais uma ciência, a moral.

Para ele, a sociologia deveria empregar os mesmos métodos positivos das ciências anteriores, a observação, a experimentação e a comparação, além de um novo método, a filiação histórica.

Dessa maneira seria possível compreender e estudar a sociedade para reorganizá-la e fazer uma reforma posterior.

As teorias sociais de Comte resultaram na sua Religião da Humanidade, que previa o progresso de organizações humanistas e humanistas religiosas não teístas no século XIX. Auguste Comte criou o significado da palavra altruísmo. Suas ideias influenciaram as palavras Ordem e Progresso, lema da República Federativa do Brasil.

Religião da Humanidade

Auguste Comte se dedicou completamente à sua instituição Religião da Humanidade a partir do ano de 1847, e teve muitos adeptos influenciando o pensamento de teóricos pelo mundo. O filósofo impregnou-se de misticismo, gerou um sacerdócio, sacramentos e orações, além de apresentar uma rigidez aos seus adeptos.

Seu intuito de firmar as bases do Positivismo o levou a propagar sua nova religião com palestras públicas, cartas a políticos e intelectuais de todo o mundo. Dessa forma publicou: “Sistema de Política Positiva” (1851 – 1854) e “Catecismo Positivista” (1852).

Foi bem correspondido e conquistou adeptos sobressaindo-se no Brasil, Chile e México. A inscrição “Ordem e Progresso”, da bandeira do Brasil, teve como base o lema de Auguste Comte que diz: “Amor como princípio, ordem como base e progresso como objetivo”.

Positivismo

De acordo com o sistema filosófico criado por Auguste Comte, o conhecimento humano passa por três estágios:

  • Teológico – onde os fenômenos são considerados como resultantes de uma vontade livre;
  • Metafísico – o qual os fenômenos são atribuídos à abstração, chamadas causas;
  • Positivo – que abandona as explicações anteriores substituindo as hipóteses e causas primeiras, religiosas ou metafísicas, pelas leis científicas.

Principais obras de Auguste Comte

  • Plano de Trabalho Científico para Reorganizar a Sociedade, 1822
  • Opúsculos de Filosofia Social, 1816-1828
  • Curso de Filosofia Positiva, 1830-1842
  • Discurso sobre o Espírito Positivo, 1848
  • Discurso sobre o Conjunto do Positivismo, 1848
  • Catecismo Positivista, 1852
  • Sistema de Política Positiva, 1851-1854
  • Apelo aos Conservadores, 1855
  • Síntese Subjetiva, 1856

Citações

Conhecimento é poder.

O progresso não é mais do que o desenvolvimento da ordem.

Não se conhece completamente uma ciência enquanto não se souber da sua história.

A maioria dos seres humanos, por ser dominada pela afetividade, poderia ter sua existência moldada conforme as exigências da doutrina social do ‘progresso dentro da ordem’.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Letícia Reis, Ana. Auguste Comte; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/auguste-comte >. Acesso em 23 de agosto de 2019 às 18:11.

Copiar referência