Barroco em Portugal

Estilo artístico influenciado pelo Renascimento e pela Igreja Católica

O Barroco em Portugal desenvolveu-se entre os anos de entre 1580 e 1756. Esse estilo artístico teve seu início marcado pela unificação da Península Ibérica sob o domínio espanhol (1580). Já o fim, ocorreu com o fim da fundação Arcádia Lusitana (1756), que estabeleceu um novo estilo: o Arcadismo.

Durante 60 anos Portugal foi uma província da Espanha e somente em 1640 conquistou a sua independência. No período que desenvolveu-se o Barroco em Portugal, o país passava por uma enorme crise econômica, política e social, provocada pelos conflitos com a Espanha e a Guerra de Restauração.

A Igreja Católica já não exercia tanto poder como antes. Com a Reforma Protestante de Martinho Lutero ela perdeu muitos fiéis na Europa.

Deste modo, o Barroco em Portugal surgiu em um contexto de dúvidas no campo religioso e desenvolvimento da ciência.

Características gerais do Barroco em Portugal

Na tentativa de recuperar o seu poder, no século XVIII, a Igreja Católica reagiu com uma Contrarreforma que tinha como objetivos: conter os ideais promovidos pela Reforma Protestante, recuperar o teocentrismo (Deus no centro de todas as coisas) medieval e promover a expansão da fé católica.  

Ao mesmo tempo, o homem barroco desejava manter a visão do antropocentrismo (Homem no centro de todas as coisas) herdada do Renascimento. Nesse cenário, o Barroco em Portugal tentava racionalizar a religião, por meio da conciliação entre fé x razão.

O Barroco em Portugal tinha como principais características:

  • Dualismo: as forças contrárias (fé e razão, corpo e alma, Deus e o Diabo, morte e vida, etc.) regulam a existência humana;
  • Fugacidade: na concepção barroca, a vida e tudo que passa por ela é passageiro. As pessoas, as coisas e o mundo mudam;
  • Feísmo: marcando a ruptura com o equilíbrio clássico, as obras barrocas eram compostas por imagens com aspectos cruéis, dolorosos e grotescos;
  • Pessimismo: a fugacidade por muitas vezes coexistia com a ideia da morte. Justamente esse medo da morte e a incerteza da vida deram uma característica pessimista ao estilo.

Literatura  

Um das faces literárias do Barroco em Portugal, o Cultismo ou Gongorismo – em referência aos textos do poeta espanhol Luís de Góngora – corresponde ao jogo de palavras que visa o rebuscamento e ornamentação do texto.

Nesse estilo é comum o uso de figuras de linguagem como metáforas, antíteses, hipérboles, hipérbatos, paradoxos, entre outras. Os escritores também utilizavam nos textos figuras de sintaxe como trocadilhos, hipérbatos e dubiedades.

Já o Conceptismo, também chamado de Quevedismo – em referência às poesias do espanhol Francisco de Quevedo-, corresponde ao jogo de ideias e conceitos pautados em argumentos racionais.

Além da exacerbada minuciosidade dos textos, o conceptismo possuía características de silogismo (com base no raciocínio dedutivo, duas premissas geram uma terceira proposição lógica) e sofisma (baseado em um argumento lógico, o objetivo é desestimular a verdade por meio de regras lógicas).

Autores

O padre Antônio Vieira (1608 – 1697) foi um religioso, filósofo, escritor e orador português. Ele escreveu mais de 200 sermões, 700 cartas, além das profecias.

Suas principais obras foram:

  • “Sermão pelo Bom Sucesso das Armas de Portugal Contra as de Holanda”
  • “Sermão dos Bons Anos”
  • “Sermão de Santo António aos Peixes”
  • “Sermão da Sexagésima”
Obra Antônio Vieira do Barroco em Portugal
Obra do Padre Antônio Vieira. (Foto: Wikipédia)

Conhecido o Judeu, Antônio José da Silva (1705 – 1739) nasceu no Brasil, mas sua família era portuguesa emigrada para a colônia brasileira, fugindo da Inquisição por práticas judaizantes.

Suas principais obras foram:

  • “Vida do grande D. Quixote de la Mancha e do gordo Sancho Pança”
  • “Os Encantos de Medeia”
  • “Labirinto de Creta”
  • “Guerras do Alecrim e Manjerona”

D. Francisco Manuel de Melo (1608-1666) foi outro grande nome do Barroco em Portugal. Nascido em uma família nobre de Lisboa, D. Francisco era considerado um artista multifacetado pois foi militar, memorialista, historiador e cronista.

Suas principais obras foram:

  • “Carta de Guia de Casados”
  • “Apólogos Dialogais”
  • “As Segundas Três Musas”

Arquitetura

A arquitetura barroca é fruto de várias influências externas, principalmente o domínio espanhol. Na tentativa de criar um estilo próprio, o Barroco em Portugal tentou ao máximo se diferenciar das obras arquitetônicas já existentes na Europa.

Uma das particularidades da arquitetura barroca é a influência da Arquitetura Chã, um estilo marcado pela austeridade das obras. As construções eram marcadas por abóbadas, arcos e contrafortes.

Os principais artistas e suas respectivas obras arquitetônicas do período foram:

Nicolau Nasoni (1691 – 1773) foi um arquiteto italiano que desenvolveu grande parte das suas obras em Portugal, por meio dos estilos barroco e rococó. Suas principais construções foram:

  • “Igreja de Santo Ildefonso”
  • “Torre dos Clérigos”
  • “Igreja da Misericórdia do Porto”
Igreja Barroco em Portugal
Igreja e Torre dos Clérigos. (Foto: Wikipédia)

Diego de Arruda (14? – 1531), junto com seu irmão Francisco de Arruda, criou um estilo próprio que era muito ligado à arquitetura militar. Sua principal obra foi:

  • “Paço da Ribeira”

João Frederico Ludovice (1673 – 1752) foi um arquiteto e ourives alemão, que teve passagens na Itália e Portugal, onde serviu ao rei D.Pedro II e construiu as seguintes obras:

  • “Palácio Nacional de Mafra”
  • “Convento de Mafra”

Pintura

O Barroco em Portugal se desenvolveu sob fortes influências da Igreja. As pinturas tinham como característica o realismo, concentrado nos retratos no interior das casas, nas paisagens da natureza morta e nas cenas populares.

Os principais pintores e suas respectivas obras do período foram:

André Reinoso (1610 e 1641) considerado o primeiro pintor do Barroco em Portugal foi autor de obras como:

  • “Calvário”
  • “Santa Paula (Mosteiro dos Jerônimos)”
  • “Pregação de São Francisco Xavier em Goa”
André Reinoso pintura Barroco em Portugal
Pintura de André Reinoso: “S. Francisco Xavier despedindo-se de D. João III antes da viagem para a Índia”. (Foto: Wikipédia)

Baltazar Gomes Figueira (1604 -1674) foi um pintor português famoso por suas obras de natureza morta. As principais foram:

  • “Natureza morta com cordeiro e peças de caça”
  • “Natureza morta com peixes, crustáceos, cebolas, laranjas e gato”
  • “Um cesto de figos, com um papagaio a olhar”

Domingos da Cunha (1598 -1644), também conhecido como Cabrinha, foi um pinto e religioso português que pintou obras como:

  • “Retrato de D. João IV”
  • “Adoração dos Pastores”
  • “Vida de Santo Inácio de Loyola”

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

CAIUSCA, Alana. Barroco em Portugal; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/barroco-em-portugal >. Acesso em 06 de dezembro de 2019 às 21:18.

Copiar referência

Outros Artigos de Artes

Monumento à Terceira Internacional.

Construtivismo nas artes

O construtivismo nas artes está relacionado com o movimento artístico […]

A Commedia dell’arte fazia a utilização do humor e críticas à sociedade em palcos improvisados.

Commedia Dell’Arte

A Commedia Dell’Arte iniciou-se a partir do início do século […]

Circo armado

Circo

O circo é o lugar onde acontecem expressões artísticas que […]

características das cores matiz

Características das Cores

As características das cores podem ser descritas como matiz, tonalidade […]