Borba Gato

Bandeirante paulista e explorador de minas de ouro

Manuel de Borba Gato, mais conhecido como Borba Gato, foi um bandeirante nascido em São Paulo em meados do século XVII, tendo iniciado a atividade ao lado do sogro, o conhecido Fernão Dias Paes. Além de descobridor de minas, explorando o território brasileiro, foi também um administrador.

Biografia de Borba Gato

Borba Gato era filho do casal João de Borba Gato e Sebastiana Rodrigues, nasceu em São Paulo no ano de 1649.

Casou-se com a filha do também bandeirante Fernão Dias e fez parte da expedição do sogro em busca de pedras preciosas, principalmente as esmeraldas.

No final de uma expedição, com um pressentimento de que morreria em breve, Fernão Dias entregou a liderança do grupo ao seu genro, Manuel de Borba Gato.

Representação de Borba Gato em estrutura
Borba Gato foi um dos principais bandeirantes brasileiros. (Foto: Wikipédia)

Após terminar a expedição em que o grupo descobriu as tais pedras verdes (esmeraldas) todos já retornavam à vila no momento em que encontraram Rodrigo Castelo Branco, este era natural da Espanha, que prestava serviços à Portugal e tinha a responsabilidade de fiscalizar as minas.

O filho de Fernão Dias Paes, Garcia Paes entregou as jazidas ao fiscal das minas, Rodrigo Castelo Branco e gerou muitas reclamações, o que fez com que outros bandeirantes ficassem insatisfeitos.

Durante a confusão entre os dois, Garcia acabou morto e Borba Gato foi o principal suspeito pelo crime.

Com a grande possibilidade de ser preso, Borba Gato fugiu para o sertão, percorrendo os territórios por dezessete anos à procura de ouro nas atuais cidades de Sabará e Caeté, nas proximidades do Rio das Velhas no estado de Minas Gerais, onde finalmente encontrou grande quantidade de ouro.

O então governador do estado do Rio de Janeiro, Artur Sá, ao receber a notícia da descoberta de Borba Gato o procurou para negociar sua liberdade em troca da informação sobre a mina de ouro recém descoberta.

Nesse período várias pepitas de ouro foram encontradas na região e o local viveu seu apogeu da fase de ouro.

Em virtude desse crescimento e ápice econômico da região, houve a organização da localidade em zonas administrativas e, coube a Borba Gato, a responsabilidade de administrar a superintendência do distrito do Rio das Velhas.

Com a disseminação da descoberta das minas, muitos portugueses começaram a se instalar na região para explorar terras brasileiras. Esse movimento migratório em nada agradou aos paulistas. Estes não aceitavam que a riqueza do estado fosse distribuída para outros povos.

Com isso, os mineradores ficaram separados em dois grupos, de acordo com as ideias que cada um interpretava sendo justa.

O primeiro grupo era chefiado por Borba Gato, formado por paulistas que não admitiam a invasão dos portugueses. E no outro grupo estavam os invasores, denominados de “emboados”, liderados por Manuel Nunes Viana, natural de Portugal.

Durante esse período de exploração das minas, ocorreram muitos incidentes, aumentando ainda mais a concorrência entre os dois grupos, entre eles duas mortes.

O líder Borba Gato abandonou seu cargo e retornou apenas quando D. João concedeu anistia para todos os homens envolvidos no conflito. Após posição incisiva de D. João os chefes emboabas (portugueses) deixaram as minas e Borba Gato voltou a chefiar a superintendência das minas do distrito do Rio das Velhas.

Quando era jovem, Borba Gato teve participação em atividades de captura de índios e comercialização para a escravidão.

Principais conquistas

  • Liderou a exploração de territórios brasileiros, principalmente nas regiões dos atuais estados de Minas Gerais e São Paulo, na região Sudeste do país;
  • Descobriu, em parceria com Fernão Dias Paes, as minas de esmeralda na região de Sabarabuçu, em Minas Gerais;
  • Localizou as famosas jazidas de ouro nas imediações do Rio das Velhas, também localizada no estado de Minas Gerais;
  • Assumiu o cargo de capitão-mor no século XVIII, no ano de 1700, da região do Vale do Rio das Velhas, localidade vastamente desbravada pelo bandeirante;
  • A descoberta de minas de ouro fez com que fosse homenageado com várias sesmarias;
  • Ao lado de paulistas, lutou contra os invasores portugueses com a finalidade de retirá-los da exploração das pedras preciosas;
  • Foi atuante na superintendência-geral das minas do distrito do Rio das Velhas, em Minas Gerais;
  • E por fim, foi o responsável pela fundação da cidade de Sabará.

Polêmicas sobre a atuação dos bandeirantes

Alguns importantes bandeirantes como Borba Gato, Fernão Dias Paes e Raposo Tavares fazem parte da histórica construção da cidade de São Paulo.

Esses nomes são conhecidos pela população do sudeste pois são endereços comuns em ruas, travessas e estradas no decorrer do estado.

Estátua de Manuel Borba Gato na Avenida Santo Amaro
Estátua do bandeirante na Avenida Santo Amaro. (Foto: Wikipédia)

Além disso, também há estátuas dessas personalidades icônicas no Museu de São Paulo.

As homenagens ocorrem em função de que essas bandeiras contribuíram para o Tratado de Tordesilhas, fazendo com que os limites fossem expandidos, resultando em um aumento da América Portuguesa.

Logo depois, a Espanha e Portugal entraram em conflito para redefinir os limites das suas colônias em continente americano.

A principal polêmica sobre a atuação dos bandeirantes, entretanto, persiste em virtude dos historiadores questionarem o objetivo das expedições.

De acordo com a historiografia brasileira, os bandeirantes caçavam e escravizavam os povos indígenas.

Em muitos casos, relata a historiografia, muitas aldeias eram devastadas e seus povos eram dizimados e afastados para sempre.

Borba Gato, um dos principais bandeirantes brasileiros, possui uma estátua no Museu Paulista, além de ter um grande monumento de 10 metros de altura e 20 toneladas no bairro de Santo Amaro. O monumento levou seis anos para ser construído.

Inaugurada ano de 1963, de autoria de Júlio Guerra, o monumento exibe o explorador de barba, chapéu e uma arma na mão.

No ano de 2008, um grupo de moradores da cidade fez questionamentos sobre a credibilidade de Borba Gato e a necessidade de homenagear uma personalidade de comportamento suspeito, supondo a retirada do monumento, entretanto, a indignação foi contida e a estátua permanece ainda no mesmo local.

Morte

Borba Gato falece no ano de 1718, com quase 70 anos de idade. Nesse período ocupava o cargo de Juiz ordinário da vila de Sabará, cidade que fundou após o período de expedições.

Não se sabe ao certo o local do seu sepultamento, mas há relatos que apontam para a Capela de Santo Antônio de Mouraria, demolida em 1920, ou na Capela de Santana, as duas localizadas no arraial velho de Sabará, ou ainda, segundo algumas pesquisas pode ter sido sepultado em Paraopeba, local onde tinha um sítio.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Neves, Juliete. Borba Gato; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/borba-gato >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 19:43.

Copiar referência