Catolicismo

Dogmas e costumes da Igreja Católica

O catolicismo é uma religião cristã que se tornou oficial em Roma no ano de 392. Durante toda a história, a Igreja Católica desempenhou papel fundamental influenciando monarquias e governos de inúmeros países.

Considerado um dos movimentos religiosos mais populares do mundo, o catolicismo marcou várias épocas da história mundial regendo, inclusive, formas de pensamento.

Cristo na Cruz é um dos símbolos do catolicismo
Imagem de Cristo pregado na cruz, um grande símbolo da fé católica. (Foto: Pixabay)

História

Segundo a visão católica, a Igreja nasceu com o apóstolo Pedro, seguindo as instruções de Jesus Cristo. Conforme a passagem bíblica de Mateus 16:18, Pedro teria sido o primeiro Papa da igreja primitiva.

O versículo cita a fala de Jesus para Pedro:

“Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”.

O catolicismo tornou-se a religião oficial de Roma após muitos anos de perseguição aos que seguiam Jesus Cristo. Pouco a pouco, a Igreja Católica passou a ter a forma e estrutura atuais.

Perseguição e Igreja de Roma

Roma teve vários imperadores. Dentre os mais conhecidos está Nero, famoso por incendiar Roma. Seu império foi marcado pela violência e perseguição aos cristãos.

Um exemplo de crueldade com os cristão foram as arenas (a mais conhecida, Coliseu), que eram lugares para divertir o público com a morte de quem seguia Cristo. Os membros da igreja eram levados às arenas para batalhar com gladiadores armados, eram queimados e por vezes devorados por leões e ursos.

Durante o seu governo, Nero mandou incendiar Roma. O fogo consumiu diversas regiões do Império, irritando a população. Ainda como forma de perseguição aos cristãos, Nero assegurou que a culpa do incêndio era deles, transformando ainda mais o ambiente contra os seguidores de Jesus.

Foram anos violentos contra os cristãos. Somente cerca de 300 anos depois, no império de Constantino, a busca violenta contra eles foi dada como ilegal e a população conquistou liberdade para qualquer tipo de culto.

Concomitante a isso, quando Roma passou a ser um lugar livre, o catolicismo tornou-se a religião oficial do Império e a figura do Papa começou a ser importante, inclusive politicamente.

Saiba mais sobre a Igreja Católica e o crescimento que ela passa a ter na construção do catolicismo em Roma e posteriormente na Idade Média.

O papado e demais hierarquias do catolicismo

A Igreja Católica tem diversos níveis de liderança, a maioria deles envolve votos de celibato. A exceção são os diáconos, que podem ser casados.

O celibato consiste na abdicação do relacionamento sexual com outras pessoas, ou seja, padres, freias e aqueles que ocupam outros cargos da Igreja não podem se casar sob nenhuma hipótese.

Dentro da Igreja, o papa é a maior figura. Para se tornar o líder, é preciso ser um homem que serviu a "casa de Deus" a vida inteira, atestando pureza sexual e estando recluso de vários desejos da carne. Além dos anos de serviço, é necessário vencer uma eleição para que um sacerdote se torne um papa. O papado no catolicismo só acaba com a morte ou a renúncia, que é rara.

Também conhecido como pontífice, esse líder do catolicismo tem inúmeras responsabilidades com a Igreja Católica e com o mundo de forma geral. O papa opina sobre diversos acontecimentos do mundo, além de responder por todas as decisões da Igreja.

Uma igreja representante do catolicismo na Bahia
Igreja Católica do Senhor do Bonfim, em Salvador – Ba. (Foto: Wikipédia)

Organização da Igreja Católica

Para um dia se tornar papa, o religioso precisa passar por vários anos de vida eclesiástica (vida dentro da igreja).

Dentro do catolicismo existem os leigos, religiosos e sacerdotes. Leigos são os praticantes, o público geral que frequenta a igreja, pratica os costumes e partilha a fé.

Freiras, freis e missionários são os chamados religiosos. Eles também vivem em celibato e têm a vida voltada tão somente para Igreja e sua obra.

Já os sacerdotes são (em ordem crescente): diáconos, padres, bispos, arcebispos, cardeais e papa.

Para ser um sacerdote é necessário ser homem, possuir esse desejo, ser identificado por outro líder com o potencial para tal ocupação e abdicar da possibilidade de casar (celibato).

Já o diácono, como explicado acima, pode ser casado. No entanto, só pode se tornar diácono após 5 anos de união e ter o consentimento da esposa.

Catolicismo romano e ortodoxo

Depois de se tornar instituição do império romano, a Igreja Católica buscou aumentar seu tamanho e se expandiu para o Oriente.  Inúmeros acontecimentos após essa expansão levaram a Igreja a se dividir.

Igreja Ortodoxa na Sérvia, ondo o catolicismo ortodoxo é preticado
A Igreja Ortodoxa da Sérvia. (Foto: Wikipédia)

A igreja do ocidente ficou sendo a do catolicismo romano e a do oriente, catolicismo ortodoxo.  

A igreja ortodoxa se auto denomina a “verdadeira igreja”, dizendo que a romana, em contrapartida, assumiu novos costumes ao longo dos anos.

Confira na tabela abaixo algumas diferenças entre elas:

Igreja Católica Ortodoxa

Igreja Católica Romana

Não possui papa

O papa é a maior autoridade

A cruz possui três barras horizontais

A cruz tem uma barra horizontal

Utiliza apenas quadros de santos

Usa quadros e estátuas de santos

Não acredita no purgatório

Acredita no purgatório

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Oliveira, Ana Cláudia. Catolicismo; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/catolicismo >. Acesso em 06 de dezembro de 2019 às 22:03.

Copiar referência

Outros Artigos de Religião

Dez Pragas do Egito 7

Dez Pragas do Egito

As Dez Pragas do Egito foram dez desastres que ocorreram […]

Sincretismo e Religiões Afro-brasileiras

O sincretismo é definido como a fusão de várias religiões. […]

Igreja Ortodoxa

Igreja Ortodoxa

A Igreja Ortodoxa reúne a segunda maior comunidade cristã do […]

Anglicanismo

Anglicanismo

O Anglicanismo surgiu na Europa, mais precisamente na Inglaterra do […]