Deuses Egípcios

São divindades da religião do antigo Egito

Os deuses egípcios são seres antropomorfos (aparência dos seres humanos). Eles também podem ser classificados com antropozoomorfismo, pois possuem partes do corpo humano misturadas com as de animais.

Além dos aspectos físicos, essas divindades possuem também comportamentos e sentimentos semelhantes aos seres humanos. Assim como os deuses gregos e romanos, no Egito os seres mitológicos não tinham apenas qualidades, mas também sentimentos como inveja, raiva, ganância, entre outros.

A civilização egípcia era constituída por povos bem religiosos, por isso, os deuses egípcios exerciam grande influência na vida da sociedade do Egito. Cultuavam diversos seres de um panteãoNão é possível a firmar a quantidade exata desses deuses, mas no geral, acredita-se que sejam milhares.

Deuses Egípcios
Os mortos sendo julgados diante de Osíris. (Foto: Wikipédia)

Os deuses egípcios podem ser agrupados da seguinte forma:

  • Enéades (grupo de nove deuses) 
  • Ogdóades (grupo com outo deuses)
  • Tríades (grupo com três deuses)

Mitologia

Na mitologia egípcia existem várias enéades, sendo a mais famosa a da cidade de Heliópolis, localizada no Baixo Egito. De acordo com os mitos, no princípio havia apenas as águas de Nun, que na sua versão feminina é Neunet, que representa a Água Primordial.

De uma colina de lodo chamada Ben-Ben originou Atum, que ficou conhecido por ter gerado a si próprio, tornando-se o primeiro dos deuses egípcios.

Através do sêmen liberado pelo ato da masturbação de Atum, também chamado de Rá-Atum, ou apenas Rá, surgiram as divindades Shu (deus do ar seco) e Tefnut (deusa da umidade e das nuvens).

Por meio da relação incestuosa dos irmãos Shu e Tefnut, surgiram, então, os deuses egípcios Geb (terra) e Nut (o céu). Da união entre Geb e Nut nasceram os seus quatro filhos: Osíris, Ísis, Seti e Néftis. Esse mito deu origem aos principais deuses egípcios.

Principais deuses egípcios

Amon 

É o rei dos deuses egípcios do panteão. Seu nome significa “O oculto”, era a personificação dos ventos. Tem a forma humana com a cabeça de carneiro. Amon faz parte do “Tríade Tebana”, junto com a sua esposa Mut e seu filho Khonsu (lua).

Após a fundação da XVIII dinastia, que tornou Tebas a capital do Alto Egito, Amon surgiu como Rá. Com o nome Amon-Rá, Amon passa a ser reverenciado como deus do sol e criador da vida.

Deus do sol. Conhecido como o criador da vida. Cabia a ele decidir o momento da morte de cada um. Tornou-se um dos principais deuses egípcios no período da Quinta Dinastia. É representado por um corpo humano com cabeça de ave.

Maat

Deusa da verdade, da justiça e da manutenção cósmica. Filha e mãe o deus Rá. Os povos do antigo Egito acreditavam que os fenômenos naturais aconteciam por ordem de Maat.

Segundo os mitos, quando uma pessoa morre, para que ganhasse o direito de ir para o submundo, a sua alma deveria passar por um lugar onde fariam uma “confissão negativa” a Maat, ou seja, confessar tudo o que havia feito de ruim durante a sua vida.

Essa declaração era baseada no Papiro de Ani, uma versão do “Livro dos Mortos”, que apresenta 42 cláusulas de erros a não serem cometidos. Diante dessa espécie de “tribunal” as almas deveriam revelar que “não matei” ou até “não fiz ninguém chorar”.

Depois das declarações, Maat colocaria em um balança - de uma lado uma pena e do outro o coração do morte. Caso o seu coração fosse mais leve que a pena, ele poderia ir para o submundo, do contrário seria devorado por Ammit, ou seja, deixaria de existir.

Mut

Cultuada como uma deusa bastante poderosa. No antigo Egito, ela surgiu como uma deusa falcão, mas a partir da XVIII dinastia, tornou-se esposa de Amon e mãe adotiva de Khonsu, substituindo a primeira mulher de Amon, Amonet.

Nut ou Nuit

Mãe dos deuses egípcios, representa o céu. A esposa de Geb deu a luz de uma só vez a Osíris, Seth, Ísis e Néftis. Nessa gestação nada convencional, Seth foi quem rasgou o vente da sua mãe para propiciar o seu nascimento e dos seus irmãos. Segundo os mitos Ísis e Osíris já se amavam dentro da barriga de Nut.

Osíris

Uma divindade associada a vegetação e a vida pós-morte. Osíris destaca-se como o mais popular entre os deuses egípcios, sendo considerado o Faraó que governou o Egito nos tempos antigos. Filho primogênito de Geb (terra) e Nut (céu), tinha como símbolos o pilar ou coluna djed.

Segundo os mitos, Osíris foi o primeiro Faraó, sendo atribuído a ele o mérito de ter ensinado os homens a desenvolver uma civilização e cultivar o solo.

De acordo com a mitologia egípcia, Osíris foi morto e esquartejado pelo seu próprio irmão Seth, que tinha o objetivo de assumir o seu posto de governador do Egito. Com ajuda de sua esposa Ísis, Osíris consegue voltar a vida, tornando-se o senhor da vida após a morte e o deus do renascimento.

Ísis

Considerada a mãe divina do faraó, que estava ligado ao seu filho Hórus. No antigo Egito, acreditava-se que Ísis ajudava aos mortos durante a passagem para o pós-vida, uma alusão ao fato de Ísis ter ressuscitado o seu marido.

Ísis é a deusa da fertilidade, esposa e irmã de Osíris. Tem um papel fundamental na mitologia egípcia por ter recolhido os pedaços de Osíris que havia sido esquartejado pelo seu também irmão Seth. A partir desse fato é introduzida na cultura egípcia a pratica de mumificar os mortos.

De acordo com os contos, quando Ísis conseguiu unir todos os membros de Osíris, exceto seu órgão genital, ele pôde voltar a vida.

Seth

Deus do caos, do deserto, da guerra. Tem a sua imagem associada a desordem e conflitos. Ele é considerado o mestre dos trovões e relâmpagos, exercendo seu poder nas margens do Egito, nas terras de planícies áridas.

Seth é retratado como um homem com a cabeça de um porco-formigueiro, animal africano, que no Egito chamavam de Seti.

Foi responsável por esquartejar em catorze pedaços o seu irmão Osíris em uma conspiração feita para retirá-lo do trono.

Embora esteja associado como um dos deuses egípcios mais perigosos, Seth era respeitado pelos faraós, pois acreditavam que Seth foi umas das divindades a conceder a eles o poder.

Hórus

Deus dos céus, depois de derrotar Seth tornou-se o rei dos vivos do Egito. O filho de Osíris e Ísis tinha o corpo de homem com a cabeça de um falcão. Conhecido como o deus da vingança, por ter vingado a morte do seu pai Osíris, e matado o seu tio Seth.

Durante a batalha travada contra o seu tio Seth, Hórus acabou perdendo as duas mãos e o seu olho esquerdo, dando origem as explicações dos egípcios para as fases da lua, que seriam o olhos feridos de Hórus.

Anúbis

O deus do mundo dos mortos e moribundos guiando as almas até o submundo. Sendo também considerado o protetor das pirâmides, já que elas eram construções mortuárias. Tinha a aparência de um homem e a cabeça de um chacal preto.

Thot ou Tot

É o deus da sabedoria, do conhecimento, da escrita, da música e da magia. Segundo os mitos, Tot foi o criador da escrita egípcia antiga, dos hieróglifos, escritura sagrada do Egito e até do calendário egípcio.

O deus é retratado como homem com cabeça de íbis ou de babuíno. Thoth era o escriba do submundo, mestre das leis físicas e divinas, que mantinha a biblioteca dos deuses egípcios.

De acordo com os mitos, ele publicou os seus feitiços nas escrituras “O Livro dos Mortos” e “O Livro de Thoth”.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

RIBEIRO, Lohana. Deuses Egípcios; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/deuses-egipcios >. Acesso em 30 de janeiro de 2020 às 01:09.

Copiar referência

Outros Artigos de Religião

Dez Pragas do Egito 7

Dez Pragas do Egito

As Dez Pragas do Egito foram dez desastres que ocorreram […]

catolicismo

Catolicismo

O catolicismo é uma religião cristã que se tornou oficial […]

Sincretismo e Religiões Afro-brasileiras

O sincretismo é definido como a fusão de várias religiões. […]

Igreja Ortodoxa

Igreja Ortodoxa

A Igreja Ortodoxa reúne a segunda maior comunidade cristã do […]