Dom Quixote

As fantasias de um velho fidalgo que batalha como cavaleiro medieval

Dom Quixote era um velho fidalgo solitário que gostava muito de ler romances de cavalaria. Devido a isso, ele resolve se tornar um cavaleiro andante. Após providenciar um cavalo e armadura, o cavaleiro inicia sua aventura medieval.

Livro Dom Quixote
Capa do livro “Dom Quixote” de Miguel de Cervantes (Foto: Site Saraiva)

Imitando os heróis dos romances, Dom Quixote vai a luta para defender a honra e provar seu amor por Dulcineia de Toboso, uma nobre donzela imaginaria inspirada em uma paixão da juventude.

Misturando fantasia com realidade, Dom Quixote se depara com um simples albergue, o qual imagina como um castelo pertencente a cavaleiro disposto a ordená-lo. Assim, protege o lugar durante toda a noite.

Ao avistar um grupo de camponeses, supõe que se trata de inimigos e os ataca. Depois de uma falsa sagração, Dom Quixote é expulso do albergue pelo dono, que o informa que ele já é um cavaleiro. Embora ferido, retorna para casa satisfeito por sua conquista.

Prometendo glória e dinheiro, o fidalgo convence Sancho Pança a se tornar seu escudeiro nas próximas aventuras em busca de vingança. Transformando obstáculos banais em gigantes exércitos de inimigos, Dom Quixote é surrado e derrotado diversas vezes.

Em uma de suas lutas, Dom Quixote passa por dois sacerdotes que carregavam a estátua de uma santa, imagina que está diante de dois feiticeiros sequestrando uma princesa e, como um herói, decide atacá-los para salva-la.

Suas fantasias, sempre controvérsia pela realidade, são acompanhadas por seu companheiro e fiel escudeiro Pança, que tem uma visão mais realista e tenta trazer Dom Quixote para a realidade.

Sancho Pança batizou o fidalgo de Cavaleiro da Triste Figura. Após muitas aventuras imaginarias que resultaram até na perda dos dentes, Dom Quixote é levado para casa, mas persiste nas suas fantasias de cavalaria.

Triste por ser impedido de prosseguir seu objetivo, o cavaleio escreve uma carta para sua amada Dulcineia.

CARTA DE D. QUIXOTE A DULCINÉIA DEL TOBOSO

“Soberana e alta senhora!
O ferido do gume da ausência, e o chagado nas teias do coração, dulcissima Dulcinéia del Toboso, te envia saudar, que a ele lhe falta.
Se a tua formosura me despreza, se o teu valor me não vale, e se os teus desdéns se apuram com a minha firmeza, não obstante ser eu muito sofrido, mal poderei com estes pesares, que, além de muito graves, já vão durando em demasia.
O meu bom escudeiro Sancho te dará inteira relação, ó minha bela ingrata, amada inimiga minha, do modo como eu fico por teu respeito. Se te parecer acudir-me, teu sou; e, se não, faze o que mais te aprouver, pois com acabar a minha vida terei satisfeito à tua crueldade e ao meu desejo.
Teu até à morte
O Cavaleiro da Triste Figura.”

Na segunda parte da obra, o Cavaleiro da Triste Figura está de volta as aventuras. No meio de suas andanças encontra o Cavaleiro dos Espelhos, que está disposto a duelar com quem discordar que a sua amada é a mais bela da terra.

Para defender a honra de Dulcineia, Dom Quixote enfrenta o adversário e, pela primeira vez, sai vitorioso. Contudo, o Cavaleiro dos Espelhos era, na verdade, Sansão Carrasco, um amigo do fidalgo estava tentando tirá-lo da vida de cavalaria.

A caminho de Barcelona, a dupla encontra o Cavaleiro da Lua Branca afirmando a beleza e superioridade da sua amada. Por amor a Dulcineia, aceita duelar com Lua Branca, se perdesse, Dom Quixote deixaria a cavalaria e voltar para casa.

Por fim, Quixote é vencido diante de uma multidão. Seu adversário era, mais uma vez, Sansão Carrasco tentando salvá-lo de suas fantasias. Envergonhado, o Cavaleiro da Triste Figura volta pra casa e fica doente e deprimido.

Por fim, próximo a sua morte, Dom Quixote recupera sua sanidade e pede perdão à sobrinha e a Sancho Pança, que permanecem ao seu lado até o momento de sua morte.

Análise do livro “Dom Quixote”

Escrito por Miguel de Cervantes, a obra “Dom Quixote” é dividida em duas partes. A primeira edição foi publicada em Madrid no ano de 1605, seguindo o movimento maneirista. Já a segunda parte só foi publicada dez anos depois, em 1615, com estilo mais voltado ao movimento barroco.

Contrário aos romances de cavalaria tomados por heróis e seus grandes feitos em busca de justiça, que fazia muito sucesso na Espanha na sua época, Cervantes criou a figura do cavaleiro inusitado fazendo uma sátira bem-humorada desses romances.

Dom Quixote tinha dificuldade em aceitar o mundo como ele era e encorajado por sua “loucura”, misturou imaginação e realidade em uma aventura inventada, baseada nas histórias fantasiosas dos livros que tanto apreciava.

A oposição do autor em relação aos heróis das novelas se dá na constituição de um personagem que não é belo e, impulsionado por fazer o bem e encontrar sua donzela imaginaria, sempre acaba se dando mal e sem grande triunfo.

A obra é apontada como o primeiro romance moderno, influenciando vários autores de gerações seguintes. E é considerada a maior da literatura espanhola e o segundo livro mais lido da História.

“Dom Quixote” é considerado a grande criação de Miguel de Cervantes e já foi escolhido como a melhor obra de ficção de todos os tempos.

Principais personagens

  • Dom Quixote: fidalgo de meia idade que de tanto ler romances de cavalaria perdeu a razão e foi viver aventuras imaginarias para mostrar seu amor por Dulcineia, uma mulher imaginaria.
  • Sancho Pança: se junta ao velho em busca de dinheiro e poder. Mantem a amizade e lealdade pelo cavaleiro até o fim.
  • Dulcineia de Toboso: fruto da imaginação de Dom Quixote, é a mais bela e honrada dama por quem ele luta por amor.
  • Sansão Carrasco: amigo do cavaleiro, utiliza a loucura para salvar o velho de suas aventuras.

Dicas para melhor entender a obra

“Dom Quixote” é uma obra, considerada por muitos, difícil de ler. Por tratar de uma temática que não se aproxima do cotidiano, nem do popular, a narrativa acaba apavorando e desestimulando os leitores.

Deste modo, buscar algumas referências antes de iniciar a leitura do livro pode contribuir para um melhor entendimento da obra. São elas:

  1. Conhecer as novelas de cavalaria que Dom Quixote gostava, que são o alvo da ridicularizarão de Miguel de Cervantes;
  2. Leia “O romance de Amadis” escrito por Afonso Lopes Vieira, um romance clássico de cavalaria e o favorito de Dom Quixote;
  3. Busque uma boa edição do livro, com uma tradução clara e atual.

Sobre o autor

Retrato de Miguel de Cervantes
Suposto retrato de Miguel de Cervantes por Juan de Jáuregui (Foto: Wikipédia)

Miguel de Cervantes (1547-1616) era um romancista, dramaturgo e poeta espanhol. Seu trabalho está entre os mais importantes em toda a literatura, além de ter forte influência sobre a língua castelhana, que frequentemente é chamada de La lengua de Cervantes (A língua de Cervantes).

Além do clássico “Dom Quixote de La Mancha”, Cervantes também é autor de “Novelas exemplares” (1613), “Viagem de Parnaso” (1614) e “Oito comédias e oito entremezes novos nunca antes representados” (1615). Após sua morte foi publicada a obra “Os trabalhos de Persiles e Sigismunda” (1617).

Curiosidades

  • O título e ortografia originais eram do livro era “El ingenioso hidalgo Don Quixote de La Mancha” (em espanhol).
  • “Dom Quixote” já foi traduzido para inúmeras línguas e dispõe de muitas versões.
  • Um dos grandes sucessos da banda Los Hermanos é a música “Dom Quixote”, mesmo título da obra que de Cervantes, que traz a referência da história do cavaleiro no trecho “Tudo bem, até pode ser que os dragões sejam moinhos de vento”.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Dom Quixote; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/dom-quixote >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 15:15.

Copiar referência