Donatello

Escultor do Renascimento na Itália

Donatello, Donato di Niccoló di Betto Bardi, nasceu em Florença, Itália, por volta de 1386. Era filho do tecelão de lã Nicollo di Betto Bardi, e começou a treinar a arte de esculpir em uma oficina de ourives e na oficina do escultor Lorenzo Ghiberti, quando ainda era jovem.

Estudou artes clássicas de Roma com o arquiteto Filippo Brunelleschi entre os anos de 1402 e 1403.

Desenvolvimento de Donatello

Ao retornar para Florença, entre 1404 e 1407, trabalhou como assistente de Lorenzo Ghiberti durante a elaboração das gigantescas portas de bronze do “Batistério de San Giovanni”, no qual a porta norte ilustra episódios do Novo Testamento, e a segunda, A “Porta do Paraíso”, nome dado posteriormente por Michelangelo, ilustra histórias do Antigo Testamento.

Em 1408, Donatello trabalhou na obra “Duomo” de Florença, onde fez uma estátua de David em mármore com uma coroa de amaranto e membros alongados em um estilo gótico tardio.

Estava apoiada em uma única perna correspondendo uma torção do busto. As mãos realistas mostram um estudo caprichado da anatomia humana. A estátua foi transportada para o “Palazzo Vecchio”, em 1416, e hoje em dia está conservada no “Bargello”, em Florença.

imagem da obra de Donatello “David”
Estátua de “David” a segunda versão. (Foto: Flickr)

Escultor renascentista, envolto pela arte de fazer representações de santos, em meados de 1409 a 1411 Donatello esculpiu o “São João Evangelista para o vão do portal central do “Duomo” com uma composição clássica, humana e embasada nos estudos anatômicos, que seriam um modelo significativo para “Moisés de Michelangelo”.

Donatello esculpiu a estátua de "São Pedro", em mármore, para a Igreja de "Orsanmichele", também em Florença. E em 1411 começou a esculpir a estátua de "São Marcos" para a mesma igreja, concluindo seu feito no ano de 1412.

Trabalhou na escultura de “São Jorge e o Dragão, entre 1415 e 1416, na qual pode-se observar a mobilidade do corpo humano que remetia a torção e o jogo das pernas, pela primeira vez desde a Antiguidade Clássica. Sua base em pedra apresenta baixo-relevo construído com uma técnica conhecida como stiacciato, feita para provocar ilusão de maior profundidade, diminuindo a espessura de primeiro plano para o fundo.

Por volta do ano de 1423, Donatello esculpiu o “São Ludovico em Tolosa”, inicialmente introduzido em um tabernáculo da ordem coríntia. Esculpiu mais cinco estátuas para o “Duomo: O Profeta imberbe”, “O Profeta barbudo”, “O Sacrifício de Isaac”, “Profeta Abacuc” e “O Profeta Jeremias”, caracterizados pelo modelo clássico de oradores, suntuosos e decorosos, mas com gestos serenos e um forte efeito claro-escuro no manto.

Nos anos de 1425 a 1435, Donatello trabalhou em projetos com o arquiteto Michelozzo, dentre eles, o "Battistero", escultura fúnebre do Papa João XXII, feita em bronze.

Já em 1427, em Pisa, fez os painéis de mármore do monumento fúnebre do Cardeal Brancacci para uma Igreja de Nápoles. Esculpiu sete estatuetas de bronze para a pia batismal de San Giovanni em Siena.

Segunda fase artística de Donatello

Em sua segunda fase artística, Donatello torna a tendência clássica sua principal característica e que pode ser percebida na sua obra de mais destaque, a estátua de "David", de 1430, feita em bronze e com tamanho real.

Essa obra foi realizada como missão de Cosme de Médici, e pode representar tanto o “Davi bíblico”, símbolo das virtudes patrióticas, quanto o deus Mercúrio contemplando a fronte de Argo e dá uma representação rebuscada da figura humana, com o corpo nu e o pé sobre a cabeça de Golias, corpo vivo, representando a razão triunfando sobre a força bruta.

Terceira fase artística de Donatello

Já na cidade de Pádua, nos anos de 1443 a 1450, Donatello esculpiu a primeira estátua equestre em bronze desse período, para o centro da Piazza del Santo. Ela representava Erasmo de Narni e ficou conhecida como “Gattamelata”.

Donatello rompeu sua influência clássica criando estilos mais realistas. Entre elas se destacam "Madalena", obra feita em 1455 com madeira para o batistério de Florença. E "Judite e Holofernes", esculpida entre 1457 e 1460, e encomendada por Piero de Médici para o Palazzo Vecchio.

imagem da obra de Donatello “Madalena”
Estátua de “Madalena”, obra de Donatello que exprime dor e sofrimento. (Foto: Wikipedia).

Em 1455 Donatello esculpiu o grupo em bronze “Giuditta e Oloferne” para a catedral de Siena, mas ficou no jardim do palácio Médici na Via Larga, e foi encomendada por Piero de Médici em memória de Cosme, o velho.

A obra foi assinada como "Optus Donatelli" e está paralisada por valores simbólicos, como a castidade que abate a luxúria, e a república que abate a tirania.

Teve sua última encomenda: dois púlpitos de bronze para a igreja de São Lourenço, os quais projetou, mas foi executada com a participação de outros escultores.” O Púlpito da Ressurreição, com acontecimentos da vida de Cristo e o “Púlpito da Paixão.

Donatello faleceu no ano de 1466 e foi enterrado na Basílica de São Lourenzo, em Florença.

Principais Obras 

Dentre tantas obras esculturais que ficaram conhecidas por todo o mundo se destacam:

  • “São João Evangelista” – Uma de suas maiores esculturas com composição clássica e humana;
  • “São Jorge” – Encomendada pela guilde de artesãos que fabricavam armaduras, ainda em sua primeira fase;
  • “O Profeta Barbudo”, “O Sacrifício de Isaac”, “Profeta Abacuc” e o “Profeta Jeremias” – Obras realizadas para o Duomo.
  • Battistero– Monumento fúnebre para o Papa João XXII.
  • “Tabernáculo do Sacramento’ – Escultura para a Basílica de São Pedro.
  • ‘Madalena” – Feita em madeira essa obra nega a beleza física, enfatizando a expressão, a dor, os sentimentos mais profundos da alma humana.
  • “David” –  Foram duas estátuas feitas por Donatello que retratam a história bíblica o Rei David acima de Golias. A primeira de 1409 e a última esculpida em 1430.

Curiosidades

  • A visita de suas obras está entre os principais roteiros turísticos da Itália;
  • Constam poucos registros sobre a vida pessoal do escultor;
  • A sua última obra foi a mais marcante, Maria Madalena, que foi feita de madeira. Sua expressão contrasta com estereótipos de beleza, demonstra tristeza e dor. Alguns críticos ponderam que o momento de doença que o artista vivia influenciou na produção da obra. 

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Letícia Reis, Ana. Donatello; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/donatello >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 14:40.

Copiar referência