Artes no Enem

Sabia que cai Artes no Enem?

Embora muitos estudantes desconheçam essa informação, a disciplina Artes é cobrada na prova de “Linguagens, Códigos e suas Tecnologias” juntamente com Língua Portuguesa, Literatura, Língua Estrangeira, Tecnologias da Informação e Comunicação, e Educação Física.

Então, para garantir uma boa pontuação no Exame Nacional do Ensino Médio é muito importante identificar os assuntos mais recorrentes nas últimas edições e dedicar-se aos estudos com antecedência.

Além dos principais movimentos artísticos é preciso reconhecer obras de arte e seus contextos históricos. Vale lembrar que também é importante desenvolver habilidades interpretativas e interdisciplinares.

Gostou? O Guia Estudo preparou algumas dicas para te ajudar a ganhar uns pontos extras na maior prova avaliativa do País.

(Gif: Giphy)

Artes no Enem: o que esperar da prova?

A prova de Artes no Enem é muito dinâmica. Diferente de alguns vestibulares, as questões de Artes no Enem evitam o formato “decoreba” e valorizam a interpretação.

Não é novidade que a prova do Enem valoriza a interdisciplinaridade, logo questões voltadas à história da arte, às expressões urbanas e aos movimentos culturais podem ser comuns e até te deixar na dúvida em relação a disciplina que está encarando.

Esses e outros conteúdos cobrados no Exame são apresentados no ensino médio e podem ter sido abordados em aulas de Literatura e História, e não necessariamente em Educação Artística.

Portanto, não fique surpreso se durante uma questão de História, por exemplo, aparecer uma obra de Michelangelo e você precisar associar os conhecimentos. É importante lembrar ainda que assuntos contemporâneos merecem atenção quando for organizar seu cronograma de estudo.

A prova de Artes no Enem não costuma abordar apenas artes plásticas! Artes visuais, artes cênicas e até mesmo artes digitais podem ser cobrados no certame.

Aliado a isso, é muito comum que a banca examinadora exija do candidato análise e interpretações de expressões folclóricas, além de citações de filmes, séries e programas de TV.

Agora que você já conhece um pouco sobre as questões de Artes do Enem, confira o plano de estudo para se dar bem no Exame.

Plano de estudos para Artes no Enem

Para ajudá-lo a montar um cronograma de estudos para a prova de Artes no Enem, confira um resumo dos conteúdos mais recorrentes nas últimas edições da avaliação.

(Gif: Giphy)

Arte na Pré-História

O período conhecido como Pré-História corresponde ao período antes mesmo da escrita, sendo caracterizado pelas pinturas rupestres, esculturas e construções realizadas pelos homens das cavernas.

Essas manifestações artísticas da Arte na Pré-História são divididas em três fases:

  • Período Paleolítico ou Idade da Pedra Lascada
  • Período Neolítico ou Idade da Pedra Polida
  • Idade dos Metais

Além dos registros de arte rupestre deixado pelos povos pré-históricos, as obras primitivas dos índios que viviam na América, como maias e astecas; dos povos africanos e também de nativos da Oceania, também fazem parte do cronograma de estudo desse assunto.

Arte rupestre, manifestação artística da Arte na Pré-História.
Além da caça e da pesca, os homens pré-históricos dedicavam seu tempo para escultura em madeira, ossos e até mesmo em pedras. (Foto: Flickr)

Veja também:

Arte Medieval
História da Escrita

Idade Antiga

Arte Egípcia: desenvolvida pela civilização do Egito Antigo a mais de 3.000 a.C, esta forma artística é marcada por diversos trabalhos que incluem pinturas, esculturas, monumentos e obras de arte relacionadas à religiosidade. Como eram politeístas e acreditam em vida após a morte, os egípcios construíram túmulos, estátuas e vasos que eram enterrados juntos aos mortos para o ritual de passagem. Dessa forma, as famosas pirâmides do Egito eram construídas de forma artística, milimetricamente calculada para guardar os corpos dos faraós.

Arte Grega: se destaca pelo culto a beleza e perfeição, e pode ser representada pelas pinturas, esculturas e obras arquitetônicas que impressionam até os dias atuais. O legado cultural da Grécia Antiga é vasto, valorizando cenas do cotidiano, fatos históricos, cultos religiosos e mitológicos. Entre as suas representações estão os grandiosos templos, o teatro grego, as esculturas que veneram os deuses gregos e as imagens pinceladas nos vasos e paredes dos seus palacetes, por exemplo.

Arte Romana: a arte da Roma Antiga foi altamente desenvolvida e influenciada diretamente pela Arte Grega. No entanto, enquanto os gregos construíam suas edificações para a morada dos deuses, os romanos destinavam suas obras para ser um local de abrigo para os cidadãos. A arquitetura romana é facilmente identificada através de arcos e abóbadas, a exemplo Coliseu de Roma que até os dias atuais é considerada a maior construção da História Antiga.

Veja também:

Esfinge de Gizé
Arte Bizantina
Arquitetura Romana
Império Romano

Idade Média

Também conhecido como Idades das Trevas, iniciou-se em 476 e terminou em 1.453, e é marcada pela decadência da Império Romano do Ocidente após invasões bárbaras. O período é dividido em Baixa Idade Média e Alta Idade Média.

No campo da arte, vale destacar a influência da igreja nas pinturas, vitrais, livros e até esculturas que reproduziam cenas da bíblia com o objetivo de ensinar a população sobre os ensinamentos dos apóstolos, já que a grande maioria era analfabeta.

Arte Romântica: refere-se a fase da Alta Idade Média e tem como destaque a criação de grandes basílicas chamadas de fortalezas. Esses castelos abrigavam os peregrinos que percorriam grandes distâncias até os santuários.

Arte Gótica: expressão artística da Baixa Idade Média, criada após a Invasão Bárbara e perdurou até o Renascimento. A arte gótica ficou conhecida como a “Arte das Catedrais” e marcou o triunfo das cidades. A arquitetura se destaca por abóbadas de arcos cruzados. Exemplo: Catedral de Notre Dame de Paris.

Veja também:

Arquitetura Gótica
Arquitetura Medieval
Cultura Medieval

Idade Moderna

O período entre a Idade Média e Idade Contemporânea é conhecido como Idade Moderna, compreende os anos de 1.453 a 1.789. Esta fase da história foi marcada por grandes transformações, repercutindo especialmente nos campos da arte e ciências.

Renascimento: marca o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna. Representou umas das mais importantes mudanças de mentalidade da história da humanidade. Os artistas desse movimento revolucionaram os campos da filosofia, política, cultura, economia, artes, além de outras, por meio de obras que valorizavam o humanismo, racionalismo, individualismo, antropocentrismo e universalismo.

Os renascentistas buscaram retomar a arte greco-romana, além de abrir o pensamento e formular novas teorias valorizando o homem, e menos a igreja.

Dentre os artistas renascentistas mais famosos, estão: Masaccio, Fra Angelico, Paollo Uccello, Pierro della Francesca, Botticelli, Leonardo da Vinci, Michelangelo e Rafael Sanzio.

Barroco: o estilo artístico surgiu no final do Renascimento e é marcado pela arte rebuscada e exagerada, com a valorização dos detalhes e das contradições. Muitas obras demostram complexidade, com jogos de ideias e conceitos, além de um certo sensualismo. Principais nomes: Tintoretto, Caravaggio, Andréa Pozzo, Bernini e Aleijadinho (Brasil).

Rococó: originou-se na França como um desdobramento do Barroco, porém com características mais leves, delicadas e intimistas. Destaca-se o uso de conchas, laços e flores em seus adornos, suas obras são identificadas pelas cores suaves e luminosas

Destacam-se: Antoine Watteau e Jean-Baptiste Siméon Chardin.

Veja também:

Fases do Renascimento
Barroco no Brasil
Barroco em Portugal

Idade Contemporânea

Período histórico importante por representar transformações profundas e significativas na sociedade. Seu início data de 1.789 com a Revolução Francesa, e segue até os dias de hoje.

A Idade Contemporânea abrange ainda outros fatos históricos relevantes, como Primeira e Segunda Guerra Mundial, Guerra Fria e a consolidação expansão do capitalismo como sistema econômico.

Neoclassicismo: baseado nos ideais greco-romanos, a simplicidade na arte era muito valorizada entre essas civilizações. Perdurou até meados do século XIX e tem como principais nomes do movimento Jacques Louis David e Jean Auguste Dominique Ingres.

Romantismo: os românticos se opuseram à arte neoclassicista e queriam se libertar das regras rígidas que tiravam a liberdade do artista. As obras possuíam dinamismo, valorização das cores e de contrastes, e buscavam transmitir as emoções humanas. Principais representantes: Francisco José Goya y Lucientes, Eugène Delacroix, Joseph Mallord William Turner e John Constable Constable.

No Brasil, os primeiros traços do Romantismo surgiram em 1808 com a chegada da corte portuguesa. O movimento foi importante para mudar a forma de fazer poesia e prosa no País, influenciando, inclusive, nas próximas manifestações culturais.

Não deixe de conferir também o artigo Romantismo no Brasil. O assunto é recorrente nas questões do Enem!

Realismo: estilo influenciado pela Revolução Industrial iniciada no século XVIII, na Inglaterra. Diferente dos outros movimentos culturais, o Realismo tinha um caráter ideológico, a qual os artistas e autores apoiavam-se em suas obras para denunciar os problemas das classes baixa e média.

Além das pinturas que retratavam fielmente a realidade, o movimento também ganhou destaque nas produções literárias, no teatro e artes plásticas. Gustave Coubert, Édouard Manet e Auguste Rodin são nomes famosos deste período.

Realismo Artes no Enem
Reprodução da obra “Bonjour, Monsieur Courbet”, de Gustave Courbet. (Foto: Wikipédia)

Impressionismo: com destaque para os temas como paisagens, esse movimento artístico apresentava em suas artes alterações que a luz no sol provocava nas cores da natureza. As obras apresentavam figuras sem contornos. Com uma estética fora do comum para a época, o estilo impressionista nem sempre foi bem compreendida pelos observadores. Monet, Pierre Auguste Renoir e Edgar Degas são representantes famosos deste estilo.

Veja também:

Naturalismo
Pós-Impressionismo
Pontilhismo

Arte no Século XX

Expressionismo: o movimento surgiu na Alemanha nos primeiros anos do século XX em oposição ao Impressionismo. De forma subjetiva, as obras expressionistas representava a natureza e o ser humano. As artes possuíam contornos bem definidos por linhas e cores, e apresentavam uma visão pessimista do mundo e certa melancolia. Destaca-se Edvard Munch e sua obra “O grito”.

Cubismo: movimento da vanguarda artística europeia, o Cubismo é facilmente identificado por retratar a natureza com formas geométricas e por apresentar falta de perspectivas, com composições sem harmonia e decomposição da realidade. Entre os nomes de destaque estão: Pablo Picasso, Georges Braque e Fernand Léger.

Abstracionismo ou Arte Abstrata: Com um estilo de arte subjetiva, é formado por obras não representacionais, contrárias à arte figurativa. Diferente do clássico, em que as perfeições eram fundamentais nas esculturas e pinturas, este movimento artístico mostra os objetos com outro olhar, baseado nas intuições e sentimentos dos artistas. Outras características são a utilização de formas simples, assim como cores e linhas. Kandinsky é considerado o precursor da arte abstrata.

Futurismo: mais um movimento da vanguarda europeia com um estilo revolucionário. Foi fortemente influenciado pelo movimento literário Manifesto Futurista, de Filippo Tommaso Marinetti, em 1909. Valoriza o industrialismo e o uso da tecnologia para o progresso. Nomes mais conhecidos: Anita Malfatti e Oswald de Andrade (Brasil), Fortunato Depero, Carlo Carrá, Nikolay Diulgheroff, Enrico Prampolini, Luigi Russolo, dentre outros.

Dadaísmo: movimento em oposição à Primeira Guerra Mundial. Apresentavam elementos espontâneos, que fugiam do racional e eram combinados por acaso. Tinha a intenção de chocar a burguesia, criticar a guerra e o sistema da época. Era comum a utilização de colagens com críticas e sátiras à desordem da Europa.

Pop Art: a influência da chamada “arte popular” pode ser percebida até os dias atuais, por meio das propagandas, revistas em quadrinhos e até na moda, por exemplo. Caracteriza-se pela utilização de cores vivas e baseia-se na estética de cultura de massas, com o objetivo de criticar o excesso de consumo da sociedade capitalista. Andy Warhol é o representante mais conhecido.

Veja também:

Vanguardas Européias
Op Art

Arte no Brasil

Conhecer a história do movimento artístico brasileiro é fundamental para conquistar boa nota na prova de Artes no Enem.

A arte no Brasil começa muito antes da colonização portuguesa. Uma prova disso são os vestígios de arte rupestre em cavernas, que representam a Pré-História brasileira. As pinturas mais antigas encontradas em solo nacional datam de 15.000 anos (Piauí) e 11.000 anos (Paraíba).

Além disso, quando o Brasil foi encontrado por navegadores portugueses, havia mais de cinco milhões de indígenas no território. A arte estava presente em seus corpos pintados e especialmente nos utensílios, roupas, redes, instrumentos musicais e até mesmo arquiteturas (ocas e aldeias) que eles mesmos criavam.

Após a colonização, o Brasil foi influenciado por diversas culturas além da portuguesa, como a holandesa e africana.

Confira alguns movimentos artísticos que se destacaram na história da arte brasileira e merecem destaque no seu cronograma de estudos para a prova do Enem.

Barroco no Brasil

Muitas construções produzidas na América foram inspiradas na arte barroca. No Brasil, o Barroco se destaca na arquitetura, escultura, pintura e literatura. Suas características estão presentes principalmente na região Nordeste e no estado de Minas Gerais. O maior nome nacional do movimento é Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, considerado o maior artista plástico do Barroco Mineiro.

Expressionismo no Brasil

As marcas desse movimento artístico no Brasil tiveram ênfase na pintura. Lasar Segall e Anita Malfatti são os principais representantes do país e responsáveis por introduzir a arte moderna para os brasileiros.

Aleijadinho, obra do Barroco Mineiro, pode ser uma das questões de Artes no Enem
Obra de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, considerado o maior artista plástico do Barroco Mineiro. (Foto: Pixabay)

Modernismo no Brasil

A Semana da Arte Moderna de 1922 foi o marco inicial do Modernismo no Brasil, além de influenciar decisivamente a literatura e as artes plásticas do país.

O evento aconteceu em São Paulo e reuniu artistas e intelectuais com novas ideias e conceitos artísticos. Suas poesias, músicas, desenhos exibidos em telas e toda forma de expressão da arte tinham humor e a irreverência da liberdade de criação e experimentalismo.

Realizado em um período em que o país passava por grandes transformações sociais, políticas e econômicas, a Semana de 22, provocou reações da classe conservadora.

Apesar de ir de encontro à arte acadêmica, o evento apresentou para a sociedade uma nova visão sobre os processos artísticos. Após a Semana da Arte Moderna, vários artistas começaram a desenvolver arte com estilo próprio, que com o tempo também passou a ser mais valorizada no Brasil.

Dentre nomes importantes do movimento, estão: Tarsila do Amaral, Mário de Andrade e Oswald de Andrade.

Dicas para o Enem 2019

Além de utilizar um bom material de apoio para estudo, sabia que algumas atitudes simples fazem a diferença na hora de encarar a prova? Confira:

Conheça a prova do Enem!

Você já sabe que a prova do Enem exige muita concentração e conhecimento amplo acerca dos conteúdos escolares, e também dos assuntos atuais.

O formato da avaliação evoluiu muito e hoje apresenta características muito singulares, como enunciados cada vez maiores e interdisciplinaridade. Então, para que você se acostume a essas características, e adapte o estudo, nada melhor do que conhecer antecipadamente a prova.

Mantenha-se antenado com as notícias do Brasil e do mundo, e estude edições anteriores do Exame, elas estão disponíveis no site do Inep. Se possível faça simulados ou tente calcular o tempo que gasta para responder as questões no Enem. Essa estratégia vai lhe dar mais segurança e direcionar o seu esforço para se dar bem na prova.

Revise os conteúdos

A grade programática das disciplinas é extensa, afinal, reúne conhecimentos de todo o ensino médio. É impossível deixar para estudar nos últimos dias, portanto, durante o período de preparação, tenha em mente os assuntos que têm mais dificuldade e revise. Faça resumos e atente-se aos tópicos que são recorrentes. Assim, você pode ganhar pontos extras valiosos.

Leia os enunciados com atenção

Como já foi dito, a prova do Enem geralmente contextualiza assuntos e possui grandes enunciados, valorizando a interpretação.

Muitas das perguntas são simples, mas requerem alto poder de concentração. Nada demais para quem está acostumado a estudar e a ler com regularidade. Portanto, mantenha-se calmo e atento.

Descanse e se alimente bem antes da prova!

O Enem pode sim ser encarado como uma maratona. Segundo edital do Enem 2019, no primeiro dia serão aplicadas as provas de “Linguagens, Códigos e suas Tecnologias”, Redação, e “Ciências Humanas e suas Tecnologias”, que exigirão de você 5 horas e meia de alta concentração.

No segundo dia é a vez das provas de “Ciências da Natureza e suas Tecnologias”, e “Matemática e suas Tecnologias”, que deverão ter 4 horas e meia de duração.

Então, descanse no dia anterior à prova! seu corpo precisa estar bem para que sua cabeça pense com tranquilidade. Nada de ficar sem se alimentar ou então exagerar na alimentação. Coma alimentos leves e saudáveis que vão lhe proporcionar a energia necessária para o desafio.

(Gif: Giphy)