Livros para Enem

Chegou a hora de estudar Livros para Enem. Isso mesmo! Apesar do edital do exame não apresentar nenhuma lista com os livros que você precisa ler, é importante conhecer os assuntos literários mais cobrados.

Questões sobre literatura podem cair na prova de Linguagem, Códigos e suas Tecnologias. Elas exigem interpretação de texto, além de conhecimentos de gramática e aspectos linguísticos. Portanto, vale revisar os assuntos de Português também para responder as perguntas sobre livros e autores.

Como saber quais livros devo ler? Quais os autores mais cobrados? Como conseguir ler esses livros e ainda assim estudar para as demais disciplinas? Esses e outros questionamentos serão respondidos nesse roteiro preparado pelo Guia Estudo especialmente para você.

Livros para Enem: como se preparar?

Algumas questões de literatura no Enem só podem ser respondidas se o candidato conhecer o autor de determinado livro, poema ou poesia. Portanto, analisar a biografia dos autores que costumam cair com frequência no exame, suas características, principais obras, escola literária, contexto-histórico e linguagem será um grande diferencial.

A prova pode, por exemplo, fazer uma relação entre uma história em quadrinhos e um texto literário ou um trecho de livro com matérias jornalísticas. Então, a capacidade de análise e interpretação, bem como a relação entre o texto literário e o momento da sua produção são as “chaves” para responder as questões de literatura.

Veja também:

Memórias Póstumas de Brás Cubas
Iracema
Vidas Secas
Capitães de Areia
Macunaíma
Estrela da Vida Inteira
Os Lusíadas
O Tempo e o Vento

O que devo estudar?

Além de conhecer os Livros para Enem e seus autores, é importante relembrar as escolas literárias brasileiras e a sua cronologia – a ordem em que elas surgem – bem como a sua classificação pelo estilo e época.

Revise também assuntos como funções de linguagem (conativa, emotiva, metalinguística, fática, poética, referencial) e as figuras de linguagem (metáfora, metonímia, antítese, eufemismo, hipérbole, entre outras), pois isso vai te ajudar no momento da análise dos enunciados.

Para se dar bem nas questões sobre Livros para Enem, é muito importante identificar as diferenças entre as escolas literárias e o estilo de cada escritor relacionando aos movimentos artísticos contemporâneos, como o Pop Art, Arte Cinética, Arte Conceitual, Op Art e Street Art.

Livros para Enem
As questões sobre a literatura brasileira exigem capacidade de análise e interpretação. (Foto: Pixabay)

Principais escolas literárias

As escolas literárias são abordadas em questões de literatura no Enem dentro de um contexto interpretativo e relacional, tanto com funções linguísticas como com as manifestações artísticas que ocorrem atualmente.

Resumiremos a seguir as que mais caem no Enem.

Romantismo

Surgiu entre o século XVIII e parte do século XIX pela burguesia retratando ela própria, em meio a inquietações e revoluções, como a Revolução Francesa.

Já no Brasil surgiu entre 1823 e 1831, período em que o país enfrentava a crise no 2º Reinado e a abolição da escravatura. Nesse contexto, originou-se o romantismo em oposição ao racionalismo do neoclassicismo, caracterizado, entre outras coisas, pela emoção e subjetividade (sentimento), religiosidade, fuga à realidade, predomínio da metáfora, ilogismo e amor platônico.

Para o Enem, é importante saber que o romantismo teve três correntes:

  • Primeira geração (1840 – 1850): romances indianistas, a idealização do índio e a nacionalidade. Nesse período destacaram-se as obras “Canção do Exílio” e “I Juca Pirama”, de Gonçalves Dias, além do autor José de Alencar.
  • Segunda geração (1850 – 1860): os romances de folhetim tiveram destaque, ultrarromânticos, idealistas e melancólicos. O “poeta da dúvida” Álvares de Azevedo foi destaque na época com o “Livro de contos Noite na taverna”, inspirado por Shakespeare e Byron.
  • Terceira geração (1860 – 1870): marcada pela abolição e a república, teve grandes autores em destaque, como Castro Alves na poesia, que representava a burguesia liberal (obras Espumas Flutuantes, Vozes d’África e O Navio Negreiro; José de Alencar na prosa, Bernardo Guimarães (A Escrava Isaura), Manuel Antônio de Almeida (Memórias de um sargento de milícias) e Joaquim Manuel de Macedo (A Moreninha).

Realismo – Naturalismo – Parnasianismo

Em meio à Proclamação da República e a Primeira República, essas três escolas literárias surgiram simultaneamente, cada uma com suas particularidades.

Realismo: sua principal característica é a objetividade e temas contemporâneos. Destaque para Machado de Assis, com a trilogia “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, “Quincas Borba” e “Dom Casmurro”.

Naturalismo: pode ser considerado um desdobramento do realismo, com escritores que retratavam pessoas marginalizadas pela sociedade. As principais características são o determinismo acentuado e a análise biológica e patológica dos personagens. Os autores Aluísio Azevedo e suas obras “O Cortiço” e “O Mulato”, além de Raul Pompéia, com a obra “Ateneu” foram os destaques.

Parnasianismo: tem como particularidade o estilo poético, poesia descritiva com vocabulário nobre e a objetividade. Olavo Bilac e a “Profissão de fé” foram destaques, apesar de severamente criticado juntamente com os demais poetas dessa escola literária, por suas manias de precisão.

Modernismo

Aconteceu entre os anos de 1922 e 1980, durante o fim da República Velha e o início da República Nova. Nesse período os artistas brasileiros começaram a desenvolver sua própria identidade, deixando de seguir os acontecimentos da Europa.

Ele é dividido em três gerações:

  • Primeira Geração (1922 – 1930): surge em oposição ao movimento poético da arte pela arte chamado parnasianismo, onde o poema era o principal e o conteúdo apenas um detalhe. Mário de Andrade foi um dos principais poetas desse período e a figura central da Semana de Arte Moderna, com seu livro “Pauliceia Desvairada”.
  • Segunda Geração (1930 – 1945): retrata a pobreza no Brasil com um foco narrativo e dá atenção a problemas como a criminalidade infantil. Graciliano Ramos escreveu “Vidas Secas” que reflete bem essas características.
  • Terceira Geração (1945 – 1980): começa no fim da Era Vargas e da Segunda Guerra, quando surgiram a prosa urbana, regionalista e intimista e desenvolveu características das últimas gerações. Carlos Drummond de Andrade marcou presença nas três gerações, sendo considerado um dos principais autores da Língua Portuguesa, além de Clarice Lispector.

Agora que já conhecemos as principais escolas literárias que aparecem com frequência no exame, vamos relembrar os autores e livros que caem no Enem.

Machado de Assis

Machado de Assis
Retrato de Machado de Assis (Foto: Wikipédia)

Um dos autores mais importantes da literatura brasileira. Suas obras literárias costumam cair no Enem e por isso ele deve ser estudado com atenção. Seus livros podem ser associados ao Romantismo e Realismo, com características como ironia, crítica ao comportamento humano e à sociedade.

Na fase romântica, os principais temas dos seus livros são os relacionamentos amorosos e seus personagens possuem características românticas. É o caso de Ressureição (1872), A Mão e a Luva (1874), Helena (1876) e Iaiá Garcia (1878).

Já na fase realista, Machado de Assis aborda questões psicológicas, retratando características do realismo, com uma análise do ser humano, suas necessidades e desejos. As obras que se destacam nesse período são: Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881), Quincas Borba (1892), Dom Casmurro (1900) e Memorial de Aires (1908).

Os livros “Memórias Póstumas de Brás Cubas” (1881) e “Dom Casmurro” (1900) são os principais destaques, portanto, é importante conhecer a história e as características de cada um deles.

Memórias Póstumas de Brás Cubas (1881)

Nessa obra, o personagem (Brás Cubas) que está morto é o próprio autor e narra como foi a sua vida terrena em vários episódios cheios de divagações. Essa obra faz uma ruptura à linguagem romântica, criando um retrato impiedoso com um personagem prepotente, arrogante e preconceituoso.

Sobre esse livro, vale assistir ao filme nacional que leva o mesmo nome, lançado em 2001.

Dom Casmurro (1900)

Machado de Assis retrata nesse livro um homem da elite brasileira, triste e melancólico que por isso foi chamado de Dom Casmurro.

A história gira em torno de Bentinho, que se apaixona por Capitu e, após o casamento, dominado pelo ciúmes acredita que a esposa está cometendo adultério com o seu melhor amigo, Escobar.

Apesar da história de amor, o autor não usa sentimentalismos, pelo contrário, ironiza e provoca, conseguindo assim manter a atenção do leitor de forma ousada.

Podemos destacar como o ponto mais importante do livro a dúvida se Capitu traiu ou não, afinal de contas, Machado de Assis deixa essa questão em aberto de maneira proposital.

Veja também:

Dom Casmurro
A Moreninha
A Hora da Estrela
Senhora

José de Alencar

José de Alencar
Retrato de José de Alencar (Foto: Wikipedia)

Um dos principais destaques do Romantismo no Brasil, José de Alencar ressaltou em seus livros a cultura do povo, história e regiões brasileiras com uma linguagem diferenciada para o período.

Suas obras são divididas entre romance urbano, indianista e regionalista. Alguns dos seus livros mais importantes são: O Guarani, Senhora, Til, Iracema e A Viuvinha.

As questões do Enem que envolvem o autor e suas obras costumam abordar características presentes nas suas obras, como o nacionalismo.

O Guarani (1857)

Esse romance indianista retrata a história do índio Peri, figura marcante da literatura brasileira, um herói idealizado que possui diversas qualidades como força, bondade, beleza, jovialidade, velocidade. Ele se apaixona por Cecilia, jovem de Portugal e filha de um importante fidalgo, também uma personagem totalmente idealizada.

Para ficar junto, Peri torna-se cristão e, após inúmeros obstáculos, o casal acaba sendo obrigado a fugir para conseguir se manter unidos. Nessa obra, José de Alencar busca a representação da união entre os povos (portugueses e índios).

Iracema (1865)

Romance também indianista publicado no formato de folhetim conta a história da índia tabajara Iracema que se apaixona por um dos colonizadores portugueses. Diante das dificuldades da época para ficarem juntos, eles fogem e geram Moacir, um símbolo do povo brasileiro, resultado da miscigenação entre os dois povos.

Senhora (1875)

Senhora é uma história sobre vingança. Os personagens Aurélia e Fernando estão noivos, mas o rapaz troca a noiva pela qual era apaixonado por um de interesse, com uma moça rica que daria um dote maior.

Para a surpresa de Fernando, Aurélia recebe uma herança, fica muito rica e planeja uma vingança contra o ex-noivo pagando um dote maior e casando-se com ele e obrigando-o a chama-la de “senhora”.

Apesar de Aurélia ser uma personagem feminista, independente e que, naquela época, administrava a sua fortuna sozinha, ela possui características românticas, que são a marca de José de Alencar e o romantismo.

Clarice Lispector

Clarice Lispector
Retrato da escritora Clarice Lispector (Foto: Wikipedia)

Destaque da terceira fase do Modernismo, Clarice Lispector foi autora de grandes romances, crônicas, poesias e literatura infantil se utilizando sempre de uma linguagem poética e prosa intimista.

Nos seus textos, Clarice Lispector valorizava o caminho do personagem em busca de si mesmo e de suas emoções, envolvendo questões psicológicas e conflitos internos do ser humano.

Suas obras de mais destaque e mais cobradas no Enem são: A Hora da Estrela, Laços de Família e Felicidade Clandestina.

A Hora da Estrela (1977)

Essa obra apresenta três enredos: o primeiro relata o drama de uma moça alagoana chamada Macabéa que vive no Rio de Janeiro e é engolida pela cidade grande, além de ser muito castigada pela tia, com quem vivia.

O segundo traz a visão do narrador da história – Rodrigo S.M., que pode ser entendido como uma representação da autora – e que numa relação de amor e ódio retrata a vida de Macabéa como uma tentativa de se libertar do desconforto que ela representa.

Já o terceiro enredo trata da limitação da literatura em relação a questões psicológicas e busca existencial, criticando também autores que abusam de modismos.

As três narrativas aparecem entrelaçadas e com diversos recursos metalinguísticos.

Laços de Família (1960)

Também entre os livros para estudar para o Enem, esse é a primeira obra de contos de Clarice Lispector. Temas como conflitos familiares e as emoções decorrentes desses problemas, como desconfianças, mágoas, ressentimentos, incertezas, planos de felicidades, são abordados nas 13 narrativas que compõem Laços de Família.

A autora explora também o mundo doméstico retratando-o como um local de sufocamento e os mais variados contextos, como uma dona de casa que se angustia quando está longe do marido e dos filhos (O Amor), ou as visões de uma jovem garota após um jantar de sua família (Mistério em São Cristóvão).

O ponto em comum entre esses contos é justamente as relações familiares.

Felicidade Clandestina (1971)

Outro que está na lista de livros para estudar para o vestibular e entre os livros para Enem é Felicidade Clandestina. Essa obra reúne 25 textos escritos por Clarice Lispector em momentos diversos da sua vida.

O conteúdo dessa obra varia de gênero, apresentando tanto características de conto como de crônicas e também de ensaio, trazendo recordações da infância e de fatos que marcaram seu passado, por meio de uma análise psicológica dela mesma.

A associação de ideias e pensamentos desconexos, bem como a narrativa em fluxo de consciência, sem uma estrutura sequencial são particularidades dos textos.

Amizade sincera, O ovo e a galinha, Os desastres de Sofia e Comentário do Professor são alguns dos contos apresentados.

Carlos Drummond de Andrade

Estátua de Carlos Drummond de Andrade
Famosa estátua de Carlos Drummond de Andrade na Praia de Copacabana, Rio de Janeiro (Foto: Wikipedia)

Um dos autores mais cobrados no Enem, Carlos Drummond de Andrade possui um estilo que reflete o engajamento político e social que o Brasil enfrentava na Era Vargas, sendo um dos principais representantes do modernismo brasileiro.

Suas obras possuem uma diversidade de temas e estilo, sempre abordando questões filosóficas, sociais e a própria poesia.

As obras de Carlos Drummond de Andrade mais cobradas no exame são: Sentimentos do Mundo, Alguma Poesia e A Rosa do Povo.

Alguma Poesia (1930)

É o primeiro livro de Drummond e reúne 49 poemas. Essa obra expressa uma temática existencialista retratando situações cotidianas. As principais características são o humor, a ironia, o sensualismo, além de reflexões sobre o amor, a morte e o pessimismo, marca registrada do autor.

Alguns dos poemas mais famosos foram publicados anteriormente em revistas da época, a exemplo de “No Meio do Caminho”, que teve uma grande repercussão.

Sentimentos do Mundo (1940)

Esse também faz parte da lista de livros para Enem que devem ser lidos e cuidadosamente analisados. A terceira obra de Carlos Drummond de Andrade traz uma poesia que aborda, em 28 poemas, temas sociais, refletindo a situação que o país e o mundo viviam no período antes da Segunda Guerra Mundial, sem deixar de lado questões pessoais, como a terra natal, a família e o indivíduo.

O autor expressa a sua impotência em relação aos problemas sociais da época com um aspecto pessimista e uma linguagem coloquial.

A Rosa do Povo (1945)

Escrita entre os anos de 1943 e 1945, a Rosa do Povo é composta por 55 poemas. Nesse período, o mundo acompanhava as atrocidades da Segunda Guerra Mundial e Drummond retratou o seu sentimento em relação a essa situação: indignação, melancolia e tristeza.

A dualidade entre a realidade e o pessimismo diante dela também fazem parte dessa obra e são características do autor. A metalinguística, ou seja, a poesia sobre a própria poesia, também é identificada no livro, que expressa também uma reflexão sobre o passado.

Questões existenciais não deixaram de aparecer nessa obra, o que é chamado de existencialismo.

Oswald de Andrade

Oswald de Andrade
Retrato de Oswald de Andrade (Foto: Opinião e Notícia)

Um dos fundadores do Modernismo no BrasilOswald de Andrade expressava em seus textos a liberdade da escrita, sem as formalidades características dos períodos passados e valorizando a cultura brasileira.

Suas principais obras cobradas no exame são “Memórias Sentimentais de João Miramar” e “Pau-Brasil”.

Memórias Sentimentais de João Miramar (1924): sobre essa obra é importante destacar que apresentava as principais características da primeira fase do Modernismo, como a crítica da realidade brasileira e sociedade burguesa capitalista, o nacionalismo e a visão social.

Pau-Brasil (1925): o livro conta com ilustrações feitas por sua esposa, Tarsila do Amaral, e explora o primitivismo que predominava na cultura brasileira. A partir desse livro teve início o Movimento Pau-Brasil, que defendia que a poesia brasileira deveria ser exportada. O nome faz referência ao pau-brasil, primeiro produto brasileiro exportado.

No Enem, o autor aparece em questões que envolvam a Semana de Arte Moderna de 1922 e os outros destaques do período, como Anita Maffalti e Tarsila do Amaral.

Dica do Guia

Além desses principais autores e livros citados, é importante revisar também as principais características e obras de Cecília Meireles, Guimarães Rosa, Graciliano Ramos, Aluísio Azevedo, Rubem Braga, Manuel Bandeira, Ferreira Gullar, Luís Fernando Veríssimo, Monteiro Lobato e Mário de Andrade.

É muito conteúdo, não é mesmo? E para conseguir dar conta de tudo isso e mais as outras disciplinas do Enem é fundamental ter organização. Não custa relembrar a importância do cronograma de estudos que, de fato, vai te ajudar a dar conta de tudo que precisa ser estudado.

Sobre os Livros para Enem a #dicadoguia é analisar alguns aspectos em relação às obras que devem ser estudadas. A estrutura, ou seja, forma. Trata-se de uma crônica ou romance, por exemplo. Além disso é importante estar atento à temática, a construção narrativa e ao contexto em que a obra foi escrita e ao estilo de cada autor.

Outro detalhe super importante: quanto antes você começar a se preparar, melhor. Comece já o seu cronograma de estudos e você verá que, com organização, será possível aprender e apreender todos os assuntos exigidos para o Enem.