Friedrich Engels

Filósofo alemão colaborou para o marxismo

Friedrich Engels (1820-1895) foi um filósofo social e político alemão. Junto com Karl Marx, fundou o socialismo científico, também conhecido como marxismo.

Das obras que fez com Karl Marx (1818-1883), a mais conhecida é o “Manifesto Comunista” (1848). O livro foi escrito no meio do processo de lutas urbanas da primavera dos povos, série de revoluções europeias que ocorreram contra os regimes governamentais autocráticos e as crises econômicas dos países do continente.

Foto de rosto de Friedrich Engels
Friedrich Engels. (Foto: Wikipédia)

Infância e juventude

Friedrich Engels nasceu em 28 de novembro de 1820, em Barmen, na Alemanha. Ele era o mais velho de nove filhos de um rico industrial da mesma cidade.

Na juventude, após trabalhar na empresa do pai, ficou impressionado com a situação de miséria dos trabalhadores da fábrica da sua família. Democrata e revolucionário, desde jovem Engels participou do movimento socialista.

Em 1842, foi para Londres, país onde acompanhou de perto a luta cartista, movimento social focado na inclusão dos operários na política.

Em consequência da desaprovação com a qual encarava o cenário do operariado, em 1845, desenvolveu um estudo sobre a condição da classe operária na Inglaterra. O trabalho foi intitulado “A situação da Classe Trabalhadora na Inglaterra” e publicado em 1845.

No trabalho, tinha formulado alguns elementos teóricos do socialismo científico. Nesse momento, a relação entre o filósofo e Marx foi mantida por meio de cartas, sendo Engels um colaborador do jornal Gazeta Renana, de Marx.

Friedrich Engels e Karl Marx

A partir da amizade e troca de mensagens, os germânicos Engels e Marx construíram tratados, ensaios e obras sobre as forças opressoras e dominantes dos meios de produção do capital.

Depois de diversas publicações da esquerda política, em 1848, após uma série de revoluções tomarem conta da Europa, foi lançado o “Manifesto Comunista” de Engels e Karl Marx.

O manifesto foi escrito com base em questões como:

  • Abolição da propriedade da terra e seu modo de função apenas para a renda;
  • Abolição dos direitos sobre a herança;
  • Centralização do crédito nas mãos do Estado;
  • Estatização dos meios de produção, da agricultura e das fábricas de forma projetada;
  • Igualdade entre todas as formas de trabalho;
  • Educação infantil universal em escolas públicas.

Nesse momento, o manifesto funcionou como uma análise histórica das formas de opressão social que aconteceram ao longo dos séculos europeus.

No entanto, após o fracasso do movimento revolucionário de 1848, Engels percorreu países como a Itália e a Suíça. Ao mesmo tempo, ficou colaborando para os trabalhos de Marx e a difusão do comunismo.

Outras obras relevantes

Friedrich Engels também desenvolveu outras importantes obras no campo político e social. Em 1878, publicou a “Revolução de Herr Eugen Dühring na Ciência”, crítica sobre as posições filosóficas de  Eugen Dühring (1833-1921). Dühring foi o filósofo alemão contrário ao marxismo.

Além de criticar as opiniões e pensamentos do filósofo alemão, mostrou como os conceitos de dialética funcionam na natureza e na ciência.

Engels introduziu com Marx um novo conceito de dialética, a dialética materialista. Nela, os movimentos históricos ocorrem de acordo com as condições materiais da vida.

Em “Socialismo: utópico e científico” (1880), criticou os chamados socialistas utópicos, a exemplo de Charles Fourier (1772-1837) e Robert Owen (1771-1858). Na obra, apresentou uma explicação do cenário socialista para entender o capitalismo.

Em suma, o trabalho foi uma descrição do caminho do desenvolvimento social e econômico pela perspectiva do materialismo histórico, abordagem metodológica que procurava as causas das mudanças na sociedade humana pelos meios de produção das pessoas.

De forma inacabada, em 1883, o filósofo alemão aplicou algumas ideias marxistas, principalmente as que foram ligadas com o materialismo dialético na ciência. O resultado foi a obra “Dialética da Natureza“, datada do mesmo ano.

Últimos anos

Já no final da vida, Friedrich Engels escreveu "A Origem da Família, da Propriedade Privada e do Estado" (1884). O trabalho fez uma relação entre o capitalismo e a família, organizações que o filósofo acreditava estarem unidas por uma característica, a constante e quase previsível mudança estrutural.

Na ocasião da obra, tinha 64 anos e descreveu o ambiente familiar como a questão da luta de classe, subjugação feminina e disputas por propriedades privadas.

Depois da morte de Marx, em 1883, o filósofo completou e publicou dois volumes da obra O Capital. A ação serviu como forma de homenagear o amigo e companheiro de luta política e social.

Com uma história de vida marcada por tamanha importância, aos 74 anos,  Friedrich Engels faleceu em Londres (Inglaterra), no dia 5 de agosto de 1895.

Reflexões de Friedrich Engels e Marx

Nos trabalhos feitos com Marx, Friedrich Engels desenvolveu reflexões que contribuíram para a compreensão do pensamento filosófico do socialismo científico. Além disso, os pensamentos deram base aos estudos da economia e da ciência social.

Entre as contribuições históricas do filósofo alemão, do nível político até o social, estão passagens como:

A história da humanidade é a história da luta de classes.

A frase virou o resumo do marxismo. Ela foi relacionada com os questionamentos econômicos e sociopolíticos que fazem parte do capitalismo.

Nesse sentido, a mensagem mostrou a importância da luta social como forma de mudança de um cenário político desfavorável a classe operária.

Quando for possível falar de liberdade, o Estado como tal deixará de existir.

Para Friedrich Engels, o Estado apareceu para reforçar os privilégios da classe dominante, além de ter contribuído com a manutenção do poder desse segmento social. Como consequência, o filósofo acreditava que mesmo na democracia existem formas de dominação de uma classe sobre a outra.

Quando defendeu em suas obras a revolução operária, também acreditava ser possível a inversão de posições de domínio para o fim do Estado.

O fator em última análise determinante da história é a produção e a reprodução da vida imediata.

Por fim, Friedrich Engels reforçou em seus trabalhos os pensamentos filosóficos que configuraram o materialismo dialético.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Conceição, Thiago. Friedrich Engels; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/friedrich-engels >. Acesso em 21 de novembro de 2019 às 09:32.

Copiar referência