Função Metalinguística

Função de linguagem utilizada quando um código é usado para se referir a ele mesmo

A função Metalinguística é uma função de linguagem que tem como característica essencial a emissão da mensagem com ênfase no próprio código, ou seja, a mensagem fala sobre a própria linguagem. Tem, portanto, uma função explicativa.

Vale lembrar que código é o meio pelo qual a mensagem é enviada ao receptor, como fala, escrita, gestos e figuras.

É possível encontrar a função metalinguística, por exemplo, nas gramáticas, que tem o propósito de explicar o conjunto de regras e condutas da língua portuguesa, e nos dicionários, que explicam o significado das palavras. Outro exemplo é um filme que explica o que é necessário para fazer um filme.

Ela pode ser utilizada, portanto, nos mais diversos gêneros textuais.

Função metalinguística na poesia

Observe no exemplo abaixo como a função metalinguística pode ser utilizada na poesia:

“Nenhum desejo neste domingo
nenhum problema nesta vida
o mundo parou de repente
os homens ficaram calados
domingo sem fim nem começo.

A mão que escreve este poema
não sabe o que está escrevendo
mas é possível que se soubesse
nem ligasse.”
(Poema que aconteceu – Carlos Drummond de Andrade)

“Gastei uma hora pensando um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira.”
(Poesia – Carlos Drummond de Andrade)

No primeiro exemplo, Drummond faz uma descrição do próprio ato de fazer um poema, ou seja o código é o assunto do texto. Já no segundo, ele explica no próprio poema que tem a ideia de escrever um texto poético, mas não consegue construí-lo.

Analise mais esse exemplo:

“No retrato que me faço
– traço a traço –
às vezes me pinto nuvem,
às vezes me pinto árvore…

às vezes me pinto coisas
de que nem há mais lembrança…
ou coisas que não existem mas que um dia existirão…

e, desta lida, em que busco
– pouco a pouco –
minha eterna semelhança,

no final, que restará?
Um desenho de criança…
Corrigido por um louco!”
(Apontamentos de História Sobrenatural – Mário Quintana)

Também neste exemplo, Mário Quintana utilizou como tema o fazer poético.

“Catar feijão se limita com escrever:
joga-se os grãos na água do alguidar
e as palavras na folha de papel;
e depois, joga-se fora o que boiar.
Certo, toda palavra boiará no papel,
água congelada, por chumbo seu verbo:
pois para catar esse feijão, soprar nele,
e jogar fora o leve e oco, palha e eco.

Ora, nesse catar feijão entra um risco:
o de que entre os grãos pesados entre
um grão qualquer, pedra ou indigesto,
um grão imastigável, de quebrar dente.
Certo não, quando ao catar palavras:
a pedra dá à frase seu grão mais vivo:
obstrui a leitura fluviante, flutual,
açula a atenção, isca-a como o risco.”
(Catar Feijão – João Cabral de Melo Neto)

Em “Catar Feijão”, o autor investiga o fazer poético e explica o momento inicial a criação de um poema em um próprio poema.

Função metalinguística na música

Também é possível identificar a função metalinguística nas canções, como no exemplo abaixo:

“Eis aqui este sambinha feito numa nota só
Outras notas vão entrar, mas a base é uma só
Esta outra é consequência do que acabo de dizer
Como eu sou a consequência inevitável de você
Quanta gente existe por aí que fala tanto e não diz nada
Ou quase nada
Já me utilizei de toda a escala e no final não sobrou nada
Não deu em nada
E voltei pra minha nota como eu volto pra você
Vou contar com uma nota como eu gosto de você
E quem quer todas as notas: ré, mi, fá, sol, lá, si, dó
Fica sempre sem nenhuma, fica numa nota só”
(Samba de uma nota só – Tom Jobim)

Nessa composição, Jobim descreve o seu processo de criação musical por meio de uma música.

“Minha música quer estar
Além do gosto
Não quer ter rosto
Não quer ser cultura…

Minha música quer ser
De categoria nenhuma
Minha música quer
Só ser música
Minha música
Não quer pouco…”
(Minha Música – Adriana Calcanhoto)

Também nessa composição de Adriana Calcanhoto pode-se perceber que ela evidencia seus gostos relacionados a música em uma linguagem musical.

Função metalinguística na crônica

Analise o trecho abaixo escrito por Carlos Drummond de Andrade, onde ele se utiliza da crônica para explicar justamente esse tipo de texto: a crônica.

“Crônica tem esta vantagem: não obriga ao paletó e gravata do editorialista, forçado a definir uma posição correta diante dos grandes problemas; não exige de quem o faz o nervosismo saltitante do repórter, responsável pela apuração do fato na hora mesma em que ele acontece; dispensa a especialização suada em economia, esporte, política nacional e internacional, religião e o mais que imaginar se possa…”

Função Metalinguística
A função metalinguística ocorre quando uma mensagem é utilizada por um código para falar sobre ele mesmo. (Foto: Flickr)

Função metalinguística no dicionário

Outro exemplo já citado é o dicionário, que tem como objetivo falar sobre a própria linguagem. Veja o significado da palavra “substantivo”:

“Substantivo

subs•tan•ti•vo

adj

Diz-se de palavra que, exclusivamente e sem auxílio de outra, designa a substância dos seres.

Diz-se de palavra que designa os seres em geral, ações, estados e noções.

JUR: Diz-se do direito que constitui a parte essencial da legislação ou define princípios.

QUÍM: Diz-se de corante que é aplicado diretamente a fibras anfotéricas, sem a necessidade da adição de mordente; direto.”

Função metalinguística no Enem

Função metalinguística, assim como as demais funções de linguagem (função referencial ou denotativa, função emotiva ou expressiva, função conativa, função poética, função fática), costumam cair com frequência na prova de Linguagem, Códigos e suas Tecnologias do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

Para essas questões, é fundamental não esquecer que a função metalinguística ocorre quando uma determinada linguagem falar dela mesma. Isso pode aparecer por meio de um diálogo em quadrinhos, onde um dos personagens pode se referir ao balão da conversa, por exemplo, em textos que dialogam com outros textos, em perguntas comuns do dia a dia que terão, seguramente, respostas introduzidas por termos explicativos como “isto é” ou “ou seja”.

Então, a dica do Guia Estudo é: muita atenção aos detalhes!

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

LOPES, Adriana. Função Metalinguística; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/funcao-metalinguistica >. Acesso em 29 de janeiro de 2020 às 23:21.

Copiar referência

Outros Artigos de Língua Portuguesa

Trovadores apresentando em forma de cantiga o que foi escrito em seus textos com seus instrumentos.

Características do Trovadorismo

As características do Trovadorismo estão relacionadas com todas as particularidades […]

Chegada dos portugueses.

Características do Quinhentismo

As características do Quinhentismo, primeira manifestação literária do Brasil, estão […]

Características do Classicismo

As características do Classicismo eram baseadas na representação de elementos […]

Características do Arcadismo

As características do Arcadismo surgiram em meio ao período que […]