Gênero épico

Gênero narrativo que surgiu na antiguidade grega

O gênero épico é um texto literário construído em verso ou em prosa e que narra episódios heroicos fundamentado na história cultural dos povos.

Etimologicamente a palavra épico vem da língua grega “epikós” e significa justamente versos.

A literatura épica nasceu da oralidade de antigas civilizações, como a Grécia Antiga.

A tipologia textual do gênero épico é a narração, que apresenta os acontecimentos normalmente estruturados da seguinte forma:

  • O narrador épico que tece para os leitores o desenrolar dos acontecimentos;
  • Os fatos da história podem ser históricos ou fictícios;
  • Os personagens protagonistas envolvidos nos “fatos” do gênero épico são deuses e homens;
  • O período temporal dos acontecimentos é no passado;
  • Os fatos acontecem em um determinado tempo e espaço.

É importante destacar que a ideia de “fatos” do gênero épico é construída graças a objetividade do narrador épico.

Assim, você lembra dos escritores do Romantismo? Então, havia nos escritos românticos a valorização dos sentimentos ou estados de espírito, exaltação da pátria, o individualismo, etc., questões ligadas a subjetividade do eu lírico.

Contrariamente, no gênero épico a linguagem discursiva do narrador épico objetiva apresentar para os leitores os fatos como se eles tivessem vida própria.

Por esta razão, os fatos são narrados com afastamento através da diegese, técnica narrativa que constrói uma realidade ficcionalizada mediante a cronologia da narrativa.

Mas, isso não significa dizer que o narrador épico apenas narra os acontecimentos. Ele também se coloca fazendo comentários, sínteses históricas ou outras pistas textuais que marcam sua presença enquanto sujeito narrador.

Entre os tradicionais gêneros literários dos quais o gênero épico está inserido, pode-se destacar: os versos homéricos, romance, novela, conto, teatro épico e a poesia épica.

Certamente, em uma concepção mais moderna, o gênero épico tornou-se mais amplo passando a também fazer parte as seguintes obras: filmes, música, livros, jogos virtuais, televisão com temáticas de heroísmo.

Continue lendo esse artigo e conheça mais sobre os elementos constitutivos do textos épicos e as obras épicas com o Guia Estudo.

Obras do gênero épico

A produção do gênero épico tem como base o seguinte tripé textual: o racional, o lógico e a objetividade.

Os deuses, semideuses e figuras fantásticas que aparecem nos versos do poema épico podem colaborar ou inviabilizar o desenrolar dos acontecimentos. Esse seres são fundamentados em mitos como a mitologia grega.

Como exemplos clássicos de poemas épicos estão as primeiras obras literárias do Ocidente, escritas pelo poeta grego da antiguidade Homero – as epopeias Ilíada e Odisseia.

Essas obras homéricas são datadas do século IX a.C. e estão inseridas na coletânea literária dos primeiros estudos sobre Literatura dos filósofos gregos Platão e Aristóteles.

A Ilíada narra os acontecimentos da Guerra de Troia e todo conflito bélico que durou dez anos entre os gregos e troianos. Foi fruto da predição da deusa Afrodite ao príncipe troiano Páris Alexandre.

A narrativa também apresenta o quase imortal guerreiro Aquiles, que tinha apenas o calcanhar desprotegido. Leia abaixo trechos do capítulo VII e VIII do livro “Ilíada” e atente-se as palavras e frases negritadas:

Apolo propõe suspender o combate. Minerva consente. Por instigação de Heleno, inspirado por estas duas divindades, Heitor chama o mais bravo dos Gregos a combate. — Silêncio entre os Gregos. — Menelau estranha o receio e responde ao desafio de Heitor e Agamemnon o detém. Nestor lamenta a sua velhice. Nove guerreiros se apresentam e todos almejam combater com Heitor.
Ajax, filho de Telamon, é designado pela sorte. Pedem os Gregos a Júpiter lhes conceda a vitória ou a deixe indecisa. Ajax toma suas armas. Heitor e Ajax se desafiam. Combate.
[…]
Júpiter reúne os deuses. — Proibe-lhes auxiliarem aos Gregos e aos Troianos.
Minerva implora a permissão de aconselhar aos Gregos. Júpiter vai ao monte Ida.
Encontro dos dois exércitos: combate. Júpiter pesa os destinos dos dois povos em suas balanças de ouro. Atemoriza os Gregos. […] Júpiter auxilia os Troianos e lança um raio que cai junto aos cavalos de Diomedes. Diomedes a princípio hesita fugir.
[…] Juno induz Netuno a intervir em favor dos Gregos. — Netuno recusa. —

Observe que nesses versos homéricos têm a presença dos deuses gregos, como o deus da luz, “Apolo”, o deus maioral dos deuses gregos, “Júpiter”, que interferem no desenrolar dos acontecimentos. Nesse caso, em determinado momento, os troianos são auxiliados pelo deus Júpiter.

E para enaltecer ainda mais o caráter de ação tem-se ainda a presença de guerreiros, como “Heitor”, “Ajax” e “Diomedes”.

Em razão disso, na narrativa épica das epopeias, o narrador valoriza o tom grandioso através de acontecimentos a partir de fatos históricos ou místicos.

Outro exemplo clássico do gênero épico está na Literatura Portuguesa trata-se da famosa obra “Os Lusíadas” (1572) do poeta português Luís de Camões que narra as viagens marítimas das caravanas portuguesas à Índias, as conquistas territoriais, e a dimensão do poder político e econômico do Império de Portugal. Leia abaixo a Iª estrofe da obra:

As armas e os barões assinalados,
Que da ocidental praia lusitana,
Por mares nunca de antes navegados,
Passaram ainda além da Taprobana
Em perigos e guerras esforçados
Mais do que prometia a força humana,
E entre gente remota edificaram
Novo Reino, que tanto sublimaram. (grifos nossos)

Gênero épico
No texto épico a narrativa sempre apresenta o protagonista, o antagonista e os coadjuvantes. (Foto: Pixabay)

Um texto épico na modalidade de epopeia, como a Ilíada e Os Lusíadas, apresenta a seguinte estrutura textual:

1-Introdução

  • Proposição: o narrador apresenta os principais heróis e o enredo da história;
  • Invocação: partes da história em que ocorre a intervenção das divindades míticas, como os deuses, musas e valquírias;
  • Dedicatória: o narrador oferece a sua obra a alguém;

2-Desenvolvimento

  • Narração: desencadeamento das ações, as aventuras e as peripécias dos heróis.

3-Conclusão

  • Epílogo: momento final do enredo podendo conter comentários do narrador.

Características do gênero épico

Resumidamente, as narrativas do gênero épico podem apresentar um caráter universal, nacional ou regional e o narrador tentar se excluir das emoções. Apenas registra a dinâmica do mundo. As principais características são:

  • Tipologia textual narrativa;
  • Verbos conjugados predominantemente no passado;
  • Presença de figura mitológica que interferem nos “fatos”;
  • Texto longo com um estrutura própria que pode ser narrado em prosa ou em verso;
  • O narrador, normalmente, procura apresenta-se de forma impessoal na narrativa.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

ARAÚJO, Andréa. Gênero épico; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/genero-epico >. Acesso em 30 de janeiro de 2020 às 00:46.

Copiar referência

Outros Artigos de Língua Portuguesa

Trovadores apresentando em forma de cantiga o que foi escrito em seus textos com seus instrumentos.

Características do Trovadorismo

As características do Trovadorismo estão relacionadas com todas as particularidades […]

Chegada dos portugueses.

Características do Quinhentismo

As características do Quinhentismo, primeira manifestação literária do Brasil, estão […]

Características do Classicismo

As características do Classicismo eram baseadas na representação de elementos […]

Características do Arcadismo

As características do Arcadismo surgiram em meio ao período que […]