Helena

Terceira obra do escritor brasileiro Machado de Assis

Helena” é um romance da fase literária romântica de Machado de Assis, considerado por muitos o maior escritor da literatura brasileira.

Publicado originalmente em formato de folhetim no jornal “O Globo”, em 1876, fez tanto sucesso que no mesmo ano foi lançado em formato de livro no Brasil e em Portugal, simultaneamente.

 A obra faz parte dos quatros romances da primeira fase literária de Machado de Assis. As outras foram “Ressurreição”, em 1872, “A mão e a luva”, em 1874 e “Iaiá Garcia”, em 1878.

De todos os escritos do autor, “Helena” foi a que mais teve adaptações, totalizando cinco para novelas televisivas.

Capa da obra "Helena".
Capa do romance “Helena”, de Machado de Assis. (Foto: Site Saraiva)

Principais personagens de “Helena”

  • Helena: é a protagonista da história. Uma jovem de dezessete anos e filha ilegítima do Conselheiro Vale. Estudava em bom colégio e após a morte do suposto pai passa a ter direito à herança e a ser abrigada na residência da família.
  • Conselheiro Vale: suposto pai de Helena e antes da sua morte deixa um testamento alegando a legitimação da filha.
  • Estácio: filho legítimo do Conselheiro Vale e meio irmão de Helena. Formado em matemática, era um jovem de vinte e sente anos. Quando descobre a existência da irmã, aceita imediatamente e a acolhe na casa.
  • Úrsula: irmão do Conselheiro Vale e tia de Helena e Estácio. Ao cinquenta e poucos anos cuidava da residência após a morte da cunhada, mulher do Conselheiro Vale. Rejeita veementemente a existência de uma sobrinha ilegítima.
  • D. Ângela da Soledade: mulher que se relacionou anos com Conselheiro Vale.
  • Dr. Camargo: médico e amigo antigo e de total confiança da família e do Conselheiro Vale. Considerado um homem de feições duras e frias, é quem encontra o testamento do amigo que falava da existência da suposta filha.
  • Eugênia: Filha única do Dr. Camargo com D. Tomásia, comprometida em noivado a Estácio.
  • Mendonça: amigo de Estácio que se apaixona por Helena e a pede em casamento, mas é recusado.

Resumo do romance

A história tem como cenário o Rio de Janeiro, no bairro do Andaraí. Inicia-se com a morte do Conselheiro Vale, um homem extremamente rico e retratado com certo gosto pela vida boêmia e de boas relações.

Antes de morrer, Conselheiro Vale deixa um testamento reconhecendo como filha uma jovem de dezessete anos que estudava no colégio de Botafogo, sustentada misteriosamente pelo Conselheiro.

No dia seguinte ao falecimento, Dr. Camargo encontra o testamento em que o Conselheiro reconhecia como filha legítima e herdeira majoritária a jovem Helena, filha de D. Ângela da Soledade, que se relacionava com o Conselheiro Vale há anos.

No testamento, Conselheiro pedia que assim que a jovem saísse do colégio fosse recebida e acolhida por seus familiares na residência.

A existência da jovem era desconhecida por Estácio e Úrsula, que ficaram surpresos com a declaração deixada no testamento. A primeira reação de Úrsula foi rejeitar a jovem, concordando apenas em dividir a herança, mas sem recebê-la na casa.

Estácio acolhe a ideia de ter uma irmã e aceita de prontidão a decisão do pai. Era um jovem generoso e capaz de perdoar, características que dizem ter herdado da também falecida genitora.

Mesmo com a resistência de Úrsula, a jovem ganha o afeto de todos e passa a ocupar seu lugar na casa. Mulher de fibra e pulso forte, começa a dirigir a propriedade melhor do que a tia.

Ela não somente conquista os familiares, mas também a todos da cidade, inclusive o Dr. Camargo, que também não gostou da ideia de dividir a herança da família, já que tinha o plano de casar sua filha com Estácio.

Helena consegue impressionar a todos com sua força e zelo pela casa. Além disso, por ser uma mulher equilibrada, dona de uma beleza invejável, sensível e rica.

Noivo de Eugênia, Estácio passa a perceber que o afeto que sente pela irmã está ultrapassando o sentimento simples que existe entre parentes e vai se dando conta que Eugênia não é a mulher certa para ele.

O sentimento de Estácio fica mais evidente quando um amigo de longa data, Mendonça, conhece Helena e se encanta perdidamente.

Mendonça até pede a mão dela em casamento, mas o relacionamento não se desenvolve porque Estácio, enciumado, não permite. Além disso, a jovem rejeita o rapaz porque também estava sentindo fortes sentimentos pelo irmão.

Ao decorrer da narrativa, Estácio se martiriza pelos sentimentos direcionados à irmã, enquanto ela sente o mesmo, mas não podia “jogar tudo para alto” e ficar com ele, pois sabia que na verdade não era filha do Conselheiro.

Nesse meio tempo, o noivado de Eugênia com Estácio é desfeito e Mendonça a pede em casamento com o intuito de esquecer Helena.

Um dia, Estácio decide seguir a suposta irmã a uma chácara na qual fazia constantes visitas. Na casa, morava um senhor que ao ser confrontado por Estácio contou toda a verdade: sua suposta irmã era, na verdade, filha dele e não do Conselheiro.

E que a jovem era apenas filha de criação do Conselheiro, já que tinha criado afeto por ela nos anos que conviveu com D. Ângela da Soledade.

Por ser um homem de bons valores, Estácio ainda cria a esperança de finalmente se concretizar o seu amor por ela, afinal não era sua irmã biológica.

Contudo, a jovem fica muito doente, à beira da morte. Estácio, completamente apaixonado, resolve ir ao seu encontro e cuidar da amada. Momentos depois da declaração de amor, Helena morre.

Análise da obra

“Helena” é narrado na terceira pessoa por um narrador onisciente, ambientado no período do século XIX.

Na obra é possível identificar marcas do Romantismo, como a presença de sentimentos idealizados. Essa corrente literária também torna-se evidente no amor entre pais e filhos, vizinhos, na forma idealizada do sentimento de como as coisas deveriam ser e não como os sentimentos realmente eram: com imperfeições e hipocrisia, assim como a elevação ao extremo das paixões arrebatadoras.

Outro diferencial dessa obra, diante das demais linhas do romantismo, é o caráter da personagem principal. Isso porque as personagens tradicionais românticas como a Escrava Isaura, Iracema, entre outras, idealizavam o casamento com um príncipe encantado e felicidade eterna. 

Já para Helena, a relação de casamento era algo prático. A protagonista tinha a convicção de que não precisava simplesmente está apaixonada pelo marido e que o amor não era certeza de felicidade.

O melhor era fazer uma escolha sensata, um casamento com alguém que amasse, é claro, mas que também estivesse disposta a passar o resto da vida juntos. Ou seja, uma visão do casamento diferente do romantismo.

Sobre o autor

Joaquim Maria Machado de Assis foi um escritor, jornalista, contista, cronista, dramaturgo e poeta brasileiro pertencente aos movimentos literários do Romantismo e do Realismo.

Machado de Assis aos 57 anos, em 1896.
Retrato de Machado de Assis em 1896, aos 57 anos. (Foto: Wikipédia)

Nasceu no Rio de Janeiro, no dia 21 de junho de 1839, e faleceu aos 69 anos, no dia 29 de setembro de 1908.

Sua obra compreende um total de 10 romances, 200 contos, 10 peças teatrais, 5 coletâneas de poemas e sonetos e 600 crônicas.

Atualmente, é considerado o maior escritor de todos os tempos, o responsável pela introdução do Realismo no Brasil com a obra “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, em 1881.

Em uma reedição de “Helena”, Machado de Assis fez a seguinte declaração:

Esta nova edição de Helena sai com várias emendas de linguagem e outras, que não alteram a feição do livro. Ele é o mesmo da data em que o compus e imprimi, diverso do que o tempo me fez depois, correspondendo assim ao capítulo da história do meu espírito, naquele ano de 1876.

Não me culpeis pelo que lhe achardes romanesco. Dos que então fiz, este me era particularmente prezado. Agora mesmo, que há tanto me fui a outras e diferentes páginas, ouço um eco remoto ao reler estas, eco de mocidade e fé ingênua. É claro que, em nenhum caso, lhes tiraria a feição passada; cada obra pertence ao seu tempo.

“Helena” está sob domínio público. Faça o download e boa leitura!

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Lima, Cleane. Helena; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/helena >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 15:03.

Copiar referência