Lavoisier

O pai da química moderna

Lavoisier foi o cientista francês considerado pai da química moderna e um dos pioneiros nos estudos da fisiologia, economia, finanças, agricultura, administração pública e educação. É o autor da frase “Na natureza, nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”.

Biografia

Antoine Laurent de Lavoisier nasceu no dia 26 de agosto de 1743 em Paris, França. Pertencente a uma família rica, foi educado nas melhores escolas de Paris. Ainda no colegial estudou química, botânica, astronomia e matemática.

Lavoisier
Antoine Laurent de Lavoisier. (Foto: Wkipédia)

Órfão de mãe aos cinco anos, herdou uma grande fortuna e passou a ser criado pelo pai e por uma tia. Estudou direito e obteve licença para exercer a profissão, contudo seu interesse era estudar ciências.

Lavoisier teve aulas de química com o professor Bourdelian, um importante químico teórico. O encontro com o naturalista sueco Carlos Lineu, considerado o pai da taxonomia moderna, influenciou na escolha de sua carreira científica.

Com 22 anos venceu o concurso de elaboração do plano de iluminação das ruas de Paris.  Nesta ocasião, recebeu medalha de ouro da Academia de Ciências da França.

Em 1766, Lavoisier foi proposto pela primeira vez como membro da Academia, mas foi eleito somente em 1768. Como membro participou de comissões de investigação de novas teorias e fenômenos, de forma a avaliar a sua legitimidade científica.

No ano seguinte, trabalhou na Ferme Général, um sistema utilizado na França para arrecadação de impostos da monarquia, porém não deixou de dedicar-se ao seu trabalho científico.

Casamento

Em dezembro de 1771, aos 28 anos, Lavoisier casou-se com Marie-Anne Pierrette Paulze, uma jovem aristocrata com metade de sua idade. Marie tornou-se uma importante colaboradora da carreira do químico.

Com seu conhecimento em línguas, Marie-Anne traduziu para o francês obras de outros cientistas ingleses da época escritas em inglês e em latim, principalmente de Priestley e de Cavendish. Além disso, ilustrou as experiências mais significativas feitas por Lavoisier.

A química e Lavoisier

No século XVIII a química encontrava-se em um período de novas descobertas. Lavoisier é considerado o pai da química moderna, graças a suas importantes descobertas e considerações.

Ele é responsável pela identificação e batismo das moléculas de oxigênio. A descoberta do gás já havia sido feita pelos químicos Carl Wilhelm Scheele e Joseph Priestley, contudo após uma conversa com Priestley, Lavoisier refez as experiências e as reformulou. 

Por volta de 1783, depois de várias experiências, o químico compreendeu melhor as características do novo gás e ainda confirmou que a combustão e a oxidação correspondem à combinação do oxigênio com outros materiais.

O gás que Preiestley chamara de “ar perfeito”, recebeu de Lavoisier o nome de oxigênio ("produtor de ácidos" em grego).

Além disso, repetindo as experiências de Henry Cavendish, com um gás combustível que ele chamou de “ar inflamável”, descobriu que a água é uma substância composta, formada por dois átomos de hidrogênio e um de oxigénio: H2O.

Essa descoberta foi muito importante para a época, pois, segundo a teoria de Tales de Mileto, a água era um dos quatro elementos terrestres primordiais, a partir da qual outros materiais eram formados.

Após esse feito, Lavoisier considerou que na composição química da água, que  é formada de oxigênio, nenhuma substância pode queimá-la, e o hidrogênio, que pega fogo tão prontamente, apaga a maioria dos fogos, não condizia com a nomeação dada por Cavendish.

As observações feitas por ele resultou uma controvérsia sobre quem deveria receber o crédito e o então “ar inflamável” recebeu do químico o nome de hidrogênio.

Lavoisier é reconhecido por refutar a teoria flogística e participar da reforma da nomenclatura química, juntamente com outros químicos como Berthollet, Fourcroy e Guyton de Morveau.

Antoine inventou balanças muito delicadas que lhe permitiram realizar  experiências, sendo o primeiro a sistematizar a matéria segundo sua propriedade e peso determinado.

Anunciou os estudos sobre a lei de conservação das massas, também conhecida como Lei de Lavoisier, defendendo que:

“Na Natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”

Lavoisier também tinha forte interesse pela agricultura. Possuía uma grande fazenda em Le Bourget, onde demonstrou a importância dos fertilizantes na lavoura e a adequada quantidade de pasto.

Vida Pública

Durante a vida também dedicou-se ao serviço público. Era representante do Terceiro Estado (o povo) no Parlamento Provincial de Orleans e foi nomeado presidente do Banco da França. Atuou como membro da Comissão de Agricultura e elaborou um Sistema Educacional Nacional para a França, semelhante ao que existe hoje.

Morte de Lavoisier

Embora o pai da química não tivesse mais ligação com a Ferme Général, esse sistema foi causa da sua condenação à morte. Ele viveu na época em que começava a Revolução Francesa, quando o terceiro estado disputava o poder na França.

Em setembro de 1793 foi instituída a Lei dos Suspeitos, que permitiu a criação de tribunais revolucionários para julgar possíveis traidores e punir os culpados. Lavoisier foi denunciado e condenado à prisão por ter rejeitado um tratado químico submetido por Jean-Paul à Academia de Ciências.

Marat denunciou o cientista e todos os membros da organização arrecadadora de impostos como ladrões. Todas as petições realizadas com o intuito de libertar-lo por ser um grande cientista não foram aceitas.

Lavoisier foi guilhotinado na cidade de Paris em 8 de maio de 1794 e jogado em uma vala comum.

Após o julgamento do cientista, Joseph-Louis de Lagrange, um importante matemático, declarou:

Não bastará um século para produzir uma cabeça igual à que se fez cair num segundo.

Curiosidades

  • Enquanto esteve preso, Lavoisier finalizou sua grande obra “Memorias de Química”, que só foi publicada posteriormente por sua esposa Marie-Anne.
  • Em 1788, Lavoisier foi eleito membro da Royal Society, um título honorífico concedido a cientistas notáveis e também um tipo de afiliação da Royal Society para o Melhoramento do Conhecimento Natural.

Citações

Eu considero a natureza um laboratório químico vasto em que todos os tipos de composição e decomposição são formados.

A felicidade não deve limitar-se a um pequeno número de pessoas, ela pertence a todos.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Lavoisier; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/lavoisier >. Acesso em 18 de novembro de 2019 às 16:27.

Copiar referência