Maomé

O fundador e líder da religião islâmica

Maomé, cujo o nome de batismo é Abu al-Qasim Muhammad ibn ‘Abd Allah ibn ‘Abd al-Muttalib ibn Hashim, foi o fundador do Islamismo. Nascido em Meca, onde atualmente localiza-se a Arábia Saudita, faleceu em junho de 632 com mais de 60 anos.

Dentro da religião islâmica era visto como o profeta de Deus – o líder soberano entre os muçulmanos, o modelo a ser seguido.

A vida de Maomé

Maomé era filho de pais nativos de Meca, no entanto, tornou-se órfão precocemente. Consta que o pai morrera antes mesmo do seu nascimento e a mãe, com a perda do marido, não resistiu.

Esse incidente o levou a ser criado pelo tio Abu Talib, membro do clã Banu Hashim. O novo tutor lhe ensinou o ofício de mercador e Maomé passou a vender nas caravanas de especiarias que cruzavam o deserto da Arábia.

Nesse período, tentou se casar com a prima, mas as tradições da época eram rigorosas com os órfãos. Como chefe de uma caravana conheceu uma viúva rica, passando a administrar seus negócios. Após uma viagem bem sucedida, a viúva lhe pediu em casamento e Maomé aceitou.

Eles mantiveram um casamento de vinte e cinco anos e seis filhos, sendo que dois morreram ainda na infância. Durante o período de matrimônio, o futuro profeta teve contato com as primeiras manifestações divinas.

Mas, foi aos 40 anos que recebeu o chamado através do anjo Gabriel. O mensageiro avisou que Maomé foi escolhido para ser o último profeta enviado por Alá.  A sua nova missão seria difundir os ensinamentos de uma única divindade nas cidades da Arábia.

A vida de Maomé
Durante 23 anos o profeta transmitiu o que seriam as palavras de Deus. (Foto: Wikipédia)

Antes do Islamismo pregava-se os conceitos do Paganismo, Judaísmo e Cristianismo.  Dessa forma, Maomé começou a compartilhar as revelações de Alá, conquistando seguidores. Esses ensinamentos seriam reunidos em um livro sagrado dos muçulmanos, o Alcorão ou Corão.

Maomé casou-se diversas vezes, a fim de concretizar alianças espirituais e políticas. Um dos matrimônios mais inusitadas foi com Aisha, pois ela tinha apenas 6 anos. A diferença de idade entre os noivos era de 44 anos.

No total foram 13 esposas, mas teve filhos com 3 delas. Dessas, apenas a filha de uma, chamada de Fátima, atingiu a vida adulta.

A missão do profeta

Ainda que seu principal objetivo fosse a propagação das palavras de Deus, Maomé também criticou as injustiças em Meca, sobretudo a escravidão e os juros abusivos cobrados no comércio. Por conta das queixas, despertou a ira dos poderosos e passou a ser ameaçado de morte.   

Além disso, sua doutrinação monoteísta  confrontou as tribos e clãs da cidade. Com a morte do tio e esposa, aliado às constantes ameaças, decidiu fugir para a cidade de Medina. Essa migração foi chamada de Hégira, marcando assim  o início do calendário muçulmano.

A partir desse evento, Maomé conquistou mais adeptos, de modo que a cidade tornou-se o centro do Islamismo. Ele também travou diversos conflitos contra Meca, pois o intuito era converter as tribos e clãs diante de Alá. Os principais embates entre as religiões foram nas cidades de Badr e Ohod. Das duas, os muçulmanos conseguiram  a conversão de Badr.

Em 629, o profeta e seus seguidores cercaram Meca. As batalhas pelo domínio da região duraram quase um ano, quando os muçulmanos conseguiram vencer a resistência.

O controle de Meca foi o difusor para a expansão do islã. A localidade tem grande importância dentro da religião.  Maomé ordenou que as orações fossem feitas, diariamente, voltados para a sua direção. As mesquitas mundo afora reservam um lugar específico para esses ritos.

Com a morte de Maomé – dois anos após a conquista da sua cidade natal – disputas pela liderança da religião dividiu os fiéis em sunitas e xiitas. As duas vertentes compartilhavam das mesmas crenças islâmicas, no entanto, os sunitas acreditavam que o sucessor de Maomé deveria ser indicado pelos próprios seguidores da doutrina. Já os xiitas, que o único que teria credibilidade para assumir o lugar de Maomé seria o seu primo Ali.

Os princípios do Islamismo

A “Sharia” é a principal Lei Sagrada do Islã. É o caminho que os muçulmanos devem seguir para viver em harmonia com Alá. Para cumprir as vontades divina, os seguidores têm que obedecer os Cinco Pilares da doutrina:

  • Profissão de Fé: a crença na existência de único Deus e que o último profeta escolhido foi Maomé.
  • Preces Rituais: orações cinco vezes ao dia, de maneira coletiva nas mesquitas ou individual, mas sempre em direção à Meca.
  • Doações: os que possuem riquezas devem contribuir anualmente com uma quantia.
  • Jejum: jejum no período de Ramadã (nono mês do calendário islâmico), exceto crianças, doentes e idosos.
  • Peregrinação: a ida para Meca, pelo menos uma vez na vida, é uma das principais obrigações dos muçulmanos. Na terra natal do profeta, os adeptos devem arrodear sete vezes em volta de uma grande pedra negra, a Caaba. Acredita-se que rocha integra a mesquita de Al-Haram desde o tempo de Adão.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

SANTOS, Thamires. Maomé; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/maome >. Acesso em 12 de dezembro de 2019 às 15:49.

Copiar referência

Outros Artigos de Religião

Dez Pragas do Egito 7

Dez Pragas do Egito

As Dez Pragas do Egito foram dez desastres que ocorreram […]

catolicismo

Catolicismo

O catolicismo é uma religião cristã que se tornou oficial […]

Sincretismo e Religiões Afro-brasileiras

O sincretismo é definido como a fusão de várias religiões. […]

Igreja Ortodoxa

Igreja Ortodoxa

A Igreja Ortodoxa reúne a segunda maior comunidade cristã do […]