Marechal Deodoro da Fonseca

Militar e político, foi o proclamador da República e o primeiro presidente do Brasil

Manuel Deodoro da Fonseca, mais conhecido como Marechal Deodoro da Fonseca, nasceu em 5 de agosto de 1827, em Alagoas. Pertencente a uma família integralmente militar, todos os outros sete irmãos seguiram a mesma carreira.

Retrato de Marechal Deodoro da Fonseca
Marechal Manuel Deodoro da Fonseca (Foto: Wikipédia)

Em 1843, Deodoro da Fonseca ingressou no Colégio Militar do Rio de Janeiro, completando o curso de Artilharia quatro anos depois. Aos 21 anos, participou de sua primeira ação militar.

Deodoro da Fonseca fez parte das tropas militares que se dirigiram a Pernambuco para combater a Revolução Praieira. Em 1852, foi promovido a primeiro tenente, tornando-se capitão em 1856.

Em abril de 1860, os 33 anos, casou-se com Mariana Cecília de Sousa Meireles. Durante o Período Imperial atuou em outros conflitos, como a brigada expedicionária ao Rio da Prata e do cerco de Montevidéu.

Destacou-se durante a Guerra do Paraguai por atos de bravura e foi promovido a tenente-coronel, subsequente recebeu a patente de coronel. Em 1874, Deodoro da Fonseca foi promovido a brigadeiro, que hoje equivale a general de brigada.

Ingressou oficialmente na política em 1885, quando se tornou presidente, que hoje equivale ao cargo de governador, da província do Rio Grande do Sul. Dois anos depois recebeu a patente de marechal-de-campo.

Nesse período, Marechal Deodoro da Fonseca também foi eleito primeiro presidente do Clube Militar e liderou o movimento antiescravista do Exército.

Em 1888, Deodoro foi nomeado comandante militar do Mato Grosso, mas não permaneceu muito tempo no cargo devido uma desavença com o presidente da província na época, o coronel Cunha Matos.

Proclamação da República

A insatisfação social com as decisões tomadas pelo Imperador D. Pedro II e o interesse dos republicanos, que tentavam disseminar suas ideias a qualquer custo e não tinham apoio da população, resultou na execução de um Golpe Militar.

Para os republicanos conquistarem o poder era preciso ter Marechal Deodoro da Fonseca como aliado, porém este era amigo de Pedro II. Sendo assim, os republicanos fizeram circular uma história inverídica.

O Major Sólon espalhou que o governo do Visconde de Ouro Preto havia emitido uma ordem de prisão para Marechal Deodoro e para o tenente-coronel Benjamin Constant. Os boatos fizeram efeito, causou revolta e as tropas se rebelaram nos quartéis.

A falsa notícia convenceu Marechal Deodoro da Fonseca a se voltar contra o Governo Imperial. Apesar de Deodoro não se tratar de um convicto republicano, foi quem proclamou a República do Brasil. Foi líder do processo de instauração devido ao alto grau de sua patente militar.

No dia 15 de novembro de 1889, Marechal reuniu algumas tropas e dirigiu-se ao Campo da Aclamação, que hoje é chamado de Praça da República no Rio de Janeiro. Já sem força política, o imperador não reagiu.

Dessa forma, na mesma noite ocorreu a Proclamação da República e a Constituição do Governo Provisório (1889-1891), colocando um fim no Antigo Império e dando início ao Brasil República.

Liderado por Marechal Deodoro da Fonseca, essa etapa destinou-se a restauração das instâncias políticas, administrativas e os símbolos nacionais.

A primeira mudança realizada pelo novo governo foi a legitimação da República Federativa como forma de governo da nação brasileira. As províncias que faziam parte do extinto Império brasileiro tornaram-se estados federados.

Nesse período também foram decretados a censura e aniquilação da liberdade de imprensa e a separação entre a Igreja e o Estado (o Brasil deixou de ser um país oficialmente católico), além da criação do Código Penal brasileiro, aprovação do casamento civil e a regulamentação das datas e símbolos nacionais, como hino, bandeira, armas e selos.

Bandeira do Brasil no governo provisório
Bandeira do Brasil durante o governo provisório criada por Ruy Barbosa (Foto: Wikipédia)

Governo de Marechal Deodoro da Fonseca

Apesar de estabelecido pela primeira constituição republicana que o representante do povo no governo deveria ser eleito através do voto popular, no dia 25 de fevereiro de 1891 Deodoro da Fonseca e Marechal Floriano Peixoto foram eleitos indiretamente pelo Congresso Nacional para os cargos de presidente e vice-presidente da República, respectivamente.

Desta forma, chegou ao fim o Governo Provisório e iniciou-se o primeiro governo constitucional republicano. O mandato de Marechal Deodoro da Fonseca não durou até 1894 conforme era previsto.

O Governo Republicano encontrou muitas dificuldades. Os problemas econômicos, como o encilhamento que caracterizou-se pelo incentivo à emissão de moeda brasileira por alguns bancos e pela criação de sociedades anônimas, resultou em especulação financeira e falência de muitas empresas e bancos.

Além disso, havia a instabilidade política. O presidente enfrentou a oposição do Congresso Nacional, que propôs a Lei da Responsabilidade Fiscal com o objetivo de restringir os poderes de Deodoro.

Barão de Lucena liderou a formação de um novo ministério na tentativa de centralizar o poder, o que ajudou a levar o país ao colapso com a dissolução do Congresso Nacional por Marechal Deodoro.

Floriano Peixoto havia se tornado oposição junto as forças legalistas.

No dia 3 de novembro de 1891, Marechal Deodoro da Fonseca decretou Estado de Sítio e sob ameaça de um bombardeio por parte do comandante dos navios de guerra Custódio de Melo, Deodoro renunciou o cargo e entregou o poder ao vice-presidente Floriano. Marechal Deodoro da Fonseca, assim, foi um dos presidentes do Brasil que não concluiu o mandato.

Marechal Deodoro da Fonseca faleceu no dia 23 de outubro de 1892, no Rio de Janeiro. Foi enterrado no Cemitério do Caju, mas teve seus restos exumados e transferidos para um monumento na Praça Paris, no Rio de Janeiro, em 1937, principalmente por ser reconhecido como quem proclamou a República.

Curiosidades

  • Em 1939 o município Alagoas da Lagoa do Sul teve seu nome mudado para Marechal Deodoro em homenagem ao Marechal Manuel Deodoro da Fonseca que nasceu lá. Foi tombada como Patrimônio Histórico Nacional.
  • Na sua terra natal existe o Museu Marechal Deodoro da Fonseca que funciona na casa onde ele nasceu.
  • Na Praça da República, no Rio de Janeiro, há o memorial chamado de Casa Histórica de Deodoro. Lá foi um sobrado onde o Marechal morou. A instituição é aberta ao público com uma exposição permanente sobre Deodoro da Fonseca.
  • Em 1998 foi lançada a segunda geração da moeda de 25 centavos com a efígie de Marechal Deodoro da Fonseca. A moeda permanece em circulação no país até os dias atuais.

Citações

Digam ao povo brasileiro que a República está feita.

Até ontem, a nossa missão era fundar a república; hoje, o nosso supremo dever perante a pátria e o mundo é conservá-la e engrandecê-la.

A obra legislativa, para ser perfeita, deve representar a expressão viva, palpitante, da experiência e das necessidades de cada povo.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Marechal Deodoro da Fonseca; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/marechal-deodoro-da-fonseca >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 15:49.

Copiar referência