Marechal Hermes da Fonseca

Um dos dois únicos militares eleitos através do voto direto. Enfrentou diversas revoltas

Hermes Rodrigues da Fonseca nasceu em 12 de maio de 1855, na cidade de São Gabriel, estado do Rio Grande do Sul. De família tradicional militar, era filho do Marechal Hermes Ernesto da Fonseca e de Rita Rodrigues Barbosa.

Presidente Marechal Hermes da Fonseca
Presidente Marechal Hermes da Fonseca

Aos 16 anos se tornou bacharel em Ciências e Letras e ingressou na Escola Militar da Praia Vermelha, onde foi aluno de Benjamin Constant, que lhe serviu como um mestre dos ideais positivistas.

Por volta de 1878, Hermes da Fonseca foi um dos fundadores do “Clube Republicano do Círculo Militar”, uma organização que articulava movimentos sociais com o intuito de derrubar a monarquia e instituir o Brasil República.

Nesse mesmo ano, se casou com Orsina Francioni da Fonseca.

Hermes da Fonseca também atuou como ajudante de campo durante a Proclamação da República. Posteriormente, passou de capitão a tenente-coronel.

Em 1893, Hermes da Fonseca comandou a defesa do governo de Floriano Peixoto durante a Revolta da Armada. Três anos depois assumiu o comando do 2° Regimento de Artilharia Montada.

Seguinte a isto, foi nomeado chefe da Casa Militar da Presidência. Entre 1899 e 1904, comandou a Brigada Policial, atual polícia militar, do Rio de Janeiro e a Escola Militar do Realengo, que formava os oficiais do exército.

Hermes da Fonseca também participou da Revolta da Vacina (1904), movimento iniciado pela população que se contrapôs a obrigatoriedade da vacina antivariólica durante o governo de Rodrigues Alves, consequentemente foi promovido a coronel.

Entre 1906 a 1908, foi Ministro da Guerra do governo de Afonso Pena, no qual:

  • Instituiu a lei do serviço militar obrigatório, lei que só fora legitimada em 1964;
  • Promoveu a reforma do Exército e o Ministério, com a criação de serviços técnicos e administrativos;
  • Enviou oficiais para treinamento no Império Alemão, conhecidos como os “Jovens Turcos”.

Hermes da Fonseca pediu demissão do cargo de ministro devido a uma discussão na Câmara sobre a participação dos militares na vida política do país. Em seguida se tornou ministro do Supremo Tribunal Militar (STM).

Governo de Marechal Hermes da Fonseca

Fundador do Partido Republicano Conservador (PRC), Marechal Hermes da Fonseca foi indicado para a eleição presidencial. Venceu com o apoio do então presidente Nilo Peçanha e dos conservadores.

Sua eleição demonstrou a falta de acordo entre as lideranças, já que o país se dividiu, criando um clima de disputa entre civilistas e hermistas.

Em 15 de novembro de 1910, tomou posse do cargo e já enfrentou a Revolta da Chibata, um movimento dos negros que faziam parte da Marinha Nacional, contra os tratamentos abusivos recebidos pelos oficiais que os castigavam com chibata, como forma de punição.

Após o levante do segundo motim, Marechal Hermes da Fonseca ordenou um bombardeio aos portos e colocou o país em estado de sítio. Tal ordem resultou em mais de mil marinheiros expulsos e centenas de presos e mortos.

A popularidade que Marechal Hermes da Fonseca havia conquistado quando eleito ficou bastante abalada após o conflito, que logo foi seguido por outro.

Em outubro de 1912, ocorreu a Guerra do Contestado, um conflito armado entre a população cabocla e o poder estadual e federal.

No primeiro conflito entre os protestantes e as tropas do governo do Paraná, na cidade de Irani, vinte e três sertanejos foram mortos, entre eles, o beato José Maria, líder do movimento que pretendia fundar uma “monarquia celestial” na região.

Essa rebelião só chegou ao fim em 1915, já no governo de Venceslau Brás.

Em março de 1913, eclodiu à manifestação de cerca de dez mil pessoas contra uma nova lei que determinava a expulsão de estrangeiros envolvidos em greves no Brasil. A pedido do presidente, foi decretado estado de sítio na capital federal para controlar os movimentos.

No mesmo ano, também foi decretado estado de sítio no Ceará, consequente da revolução em Juazeiro do Norte. A partir daí que se formou a aliança entre o padre Cícero e os opositores ao governo de Franco Rabelo, indicado pelo governo federal.

Durante seu governo, Marechal Hermes da Fonseca retomou o planejamento administrativo dos seus antecedentes. Realizou uma nova renegociação das dívidas externa brasileira, com um segundo Funding Loan, em 1914.

Internamente continuou com os projetos para construção de ferrovias e de escolas técnico-profissionais. Concluiu as reformas e obras da Vila Militar e do Hospital Central do Exército (HCE).

Contudo, não conseguiu progredir com a “Política das Salvações”, criada para conter um surto militarista que dominava as regiões Norte e Nordeste com o intuito de derrubar as oligarquias.

No dia 8 de dezembro de 1913, casou-se com a caricaturista Nair de Tefé von Hoonholtz, no Palácio Rio Negro, em Petrópolis, durante seu mandato. Foi o primeiro presidente a realizar tal acontecimento.   

Com o fim do seu mandato, Marechal Hermes da Fonseca candidatou-se ao Senado no Rio Grande do Sul, porém não aceitou assumir a cadeira após o assassinato do dirigente do Partido Republicano Conservador, Pinheiro Machado, no dia em que deveria ser diplomado, em 1915.

Após esse episódio, afastou-se da política e viveu durante seis anos na Suíça. Retornou ao Brasil em 1921 quando se iniciava uma nova campanha presidencial. Recebido pelos militares, ocupou a presidência do presidência do Clube Militar.

Marechal Hermes da Fonseca envolveu-se na frustrada revolta militar de 1922, conhecida como a Revolta do Forte de Copacabana. Foi preso durante seis meses devido a acusação de conspiração.

Após ser libertado por habeas corpus, mudou-se para Petrópolis, onde morreu poucos meses depois. Marechal Hermes da Fonseca faleceu dia 9 de setembro de 1923, aos 68 anos. Foi sepultado no cemitério da cidade.

Curiosidades sobre Marechal Hermes da Fonseca

  • Marechal Hermes da Fonseca era sobrinho do primeiro presidente da República do Brasil, Marechal Deodoro da Fonseca.
  • Foi no Governo de Marechal Hermes da Fonseca que foi criada a faixa presidencial, através do Decreto número 2.299, de 21 de dezembro de 1910. Ele mesmo foi o primeiro presidente a usá-la e a passá-la a seu sucessor.
  • Marechal Hermes da Fonseca foi um dos dois únicos militares a chegar a presidência da república de forma direta e eleitoral.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Marechal Hermes da Fonseca; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/marechal-hermes-da-fonseca >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 18:49.

Copiar referência