Marie Curie

Cientista polonesa responsável pelos primeiros estudos sobre radioatividade

Nascida em Varsóvia, na Polônia, em 7 de novembro de 1867, Marie Curie foi uma cientista naturalizada francesa, que iniciou os primeiros estudos sobre radioatividade.

Pioneira em campos importantes da pesquisa científica, foi a primeira mulher que recebeu a premiação do Nobel da Paz e única a ser honrada com a condecoração por duas vezes.

A família Curie, ao todo, recebeu cinco prêmios Nobel. Com o nome de batismo Maria Salomea Sklodowska, Marie Curie estudou na Universidade Floating, em Varsóvia, onde deu início aos seus treinos na área científica.

Aos 24 anos, mais precisamente no ano de 1891, seguiu sua irmã mais velha para estudar na capital francesa, em Paris, cidade onde conquistou seus diplomas e seria, um pouco mais à frente, o local em que iniciaria seus estudos e pesquisas científicas.

Marie Curie foi uma cientista polonesa
A cientista Marie Curie desenvolveu as primeiras pesquisas sobre radioatividade. (Foto: Flickr)

Anos posteriores, em 1903, Marie dividiu o Nobel de Física com o seu marido Pierre Curie e o físico Henri Becquerel, além de ter ser sido também condecorada com o Nobel de Química oito anos depois, em 1911.

As conquistas de Marie foram fundamentais para a continuidades dos estudos da química.

Ela deu início às pesquisas mais aprofundadas sobre radioatividade, técnicas indicadas para isolar isótopos radioativos e a descoberta de dois elementos químicos também radioativos: o rádio e o polônio.

Em Paris e em Varsóvia a cientista fundou dois importantes Institutos intitulados com seu nome.

Até os dias de hoje ainda são desenvolvidos trabalhos na área médica dentro desses dois centros.

Visionária, Marie Curie  fundou também os primeiros centros militares para os estudos dos elementos radioativos ainda durante a Primeira Guerra Mundial.

Apesar de ter adquirido a cidadania francesa, a pesquisadora em nenhum momento abandonou sua identidade polonesa. Sempre ensinou suas filhas a falar polonês e fez constantes viagens para a Polônia.

Curiosidade! O primeiro elemento químico descoberto recebeu o nome de polônio em homenagem ao seu país de origem.

Juventude de Marie Curie

Marie Curie foi educada em pequenas escolas da região de Varsóvia e obteve o nível de formação científica com o pai, Wladyslaw Sklodowski, um professor de matemática e física que levou equipamentos de laboratório para casa após autoridades proibirem o ensino destas disciplinas nas unidades educacionais.

Sua mãe, uma mulher que professava uma fé baseada no catolicismo, faleceu quando ela tinha dez anos e a irmã mais velha dois anos depois, o que a influenciou a abandonar a religião e, posteriormente, tornou-se agnóstica.

Após concluir o ensino básico, passou um período de um ano com seus parentes paternos em uma cidade do interior, em uma fase reclusa, proveniente de uma depressão. Logo depois voltou a viver com o pai em Varsóvia.

Proibida de continuar os estudos em uma instituição de nível superior simplesmente pelo fato de ser mulher, ela e sua irmã se envolveram em uma universidade clandestina que contrariava as ordens nacionais e permitia a presença de pessoas do sexo feminino.

Apesar das dificuldades financeiras e oposições da sociedade em relação ao ingresso feminino na universidade, Marie enfrentou adversidades, estudou por conta própria, trocou cartas e conhecimentos, e trabalhou por um período como governanta.

No final do ano de 1891 mudou-se definitivamente para Paris, indo morar com a irmã e o cunhado. Buscando se estabelecer, prosseguiu os estudos da física, matemática e química na Universidade de Paris, onde já tinha se matriculado antes.

Naquele período sobrevivia com poucos recursos financeiros, tendo crises e sofrendo desmaios por causa da fome. Marie estudava durante o dia e lecionava à noite, mas conseguia apenas o básico para sobreviver.

Em 1893, concluiu uma graduação em física e começou a trabalhar no laboratório industrial do seu professor, dando continuidade aos estudos. Com a ajuda de uma bolsa de estudos conseguiu uma segunda graduação no ano de 1894.

Carreira científica e educação

Marie Curie conseguiu que seu marido, Pierre Curie, chegasse ao cargo de chefe do Laboratório de Física da Sorbonne.

Dedicado à carreira acadêmica, doutorou-se em ciências em 1903, e após a morte de Pierre Curie, em 1906, em um acidente rodoviário, ela assumiu o seu lugar como professora de Física Geral na Faculdade de Ciências, sendo a primeira mulher a ocupar este cargo.

Além de ter sido também nomeada Diretora do Laboratório Curie do Instituto do Radium, da Universidade de Paris, fundado em 1914.

Marie Curie teve conseguiu destaque na carreira acadêmica, como educadora.

Aos 33 anos, já na França,tornou-se professora secundária, participando do corpo docente da Universidade de Sorbonne.

Em relatos arquivados, suas ex-alunas contam que ela foi a acadêmica mais inovadora dentro do ambiente da universidade.

Dentro da sala de aula, ampliou o tempo de suas atividades, levava as alunas para conhecer e explorar os laboratórios de pesquisa e ensinava a manusear os equipamentos científicos, o que era restrito apenas para uso dos garotos, além de produzir seu próprio material de ensino.

Há também registros da filha de Marie Curie. Ela conta que sua mãe, em parceria com outros cientistas, participava de um projeto de ensino intitulado “cooperativa de ensino“, com o intuito de ensinar ciência aos próprios filhos de forma mais prática, um método ainda experimental.

As próprias crianças, supervisionadas por adultos, realizavam experimentos, visando incentivá-las a terem interesse pelo conteúdo científico. 

Os cientistas Jean Baptiste Perrin, Paul Langevin, Marie Henriette Mouton, Henriette Perrin, Alice Chavannes e  Jean Magrou ajudaram no projeto.

O elemento 96 da tabela periódica, o Cúrio, símbolo Cm foi batizado em honra do Casal Curie.

Mérito acadêmico

  • Marie Curie foi a primeira pessoa a receber o prêmio Nobel por duas vezes;
  • Durante a Primeira Guerra Mundial, propôs o uso de radiografia para o tratamento de guerrilheiros feridos;
  • Criou o Instituto do Rádio, em Paris;
  • No início do século XX integrou o grupo de membros livres da Academia de Medicina;
  • Foram produzidos dois filmes sobre a sua vida: “Marie Curie: More Than Meets the Eye”, no ano de 1997 e “Marie Curie – Une certaine jeune fille”, em 1965;
  • Foi elaborada uma minissérie francesa em sua homenagem;
  • Foi responsável pela descoberta de dois elementos químicos: rádio e polônio.

Morte

Marie Curie morreu em 1934, aos 66 anos de idade, em um sanatório em Sancellemoz, na França, após ter contraído um quadro de leucemia.

A enfermidade se instalou por causa da sua constante exposição à radiação ao carregar testes de rádio em seus bolsos durante a pesquisa e ao longo de seu serviço na Primeira Guerra, quando teve a ideia de realizar exames móveis de raio-X nos soldados feridos que serviam na guerra.

Citações

Na vida, não existe nada a temer, mas a entender.

Seja menos curioso sobre as pessoas e mais curioso sobre as ideias.

A vida não é fácil para nenhum de nós. Temos que ter persistência e, acima de tudo, confiança em nós mesmos."

Não podemos esperar construir um mundo melhor sem melhorar os indivíduos.

Estou entre aqueles que acham que a ciência tem uma grande beleza.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Neves, Juliete. Marie Curie; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/marie-curie >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 17:32.

Copiar referência