Martha Medeiros

Escritora, jornalista e cronista brasileira

Martha Medeiros é uma escritora, jornalista e cronista brasileira. Ela nasceu no dia 20 de agosto de 1961 em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. Formada em Comunicação Social, Martha já escreveu diversos livros e crônicas.

Vários dos livros e crônicas de Martha Medeiros já foram adaptadas para o cinema, para a televisão e para o teatro. Um dos grandes destaques foi o livro Divã, que foi adaptado para o teatro, em seguida para os cinemas, com dois filmes, e mais tarde, sendo exibida em formato de minissérie.

Martha Medeiros trabalhou como publicitária em várias agências. Nesse período, ela publicou seu primeiro livro de poesia, intitulado “Strip Tease“. Morou no Chile, onde se dedicou a vida de escritora.

Martha ainda escreve crônicas para o segundo caderno do jornal Zero Hora e colabora com a revista Época. Por suas publicações, a escritora já recebeu diversos prêmios.

Martha Medeiros, vida e trabalho

Martha Medeiros durante uma entrevista
A escritora Martha Medeiros (Foto: Wikipédia)

Martha Mattos Medeiros nasceu na cidade de Porto Alegre no dia 20 de agosto de 1961. Ela e filha de Isabel Mattos de Medeiros e de José Bernardo Barreto de Medeiros. Estudou no colégio Nossa Senhora do Bom Conselho, um dos mais tradicionais da cidade.

Desde pequena, Martha gostava de ler. Seus pais gostavam de Música Popular Brasileira, fazendo com que ela ouvisse cantores do estilo desde cedo. Ela começou a cursar Comunicação Social em 1982 na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS).

Após formada, Martha Medeiros trabalhou na área de Publicidade e Propaganda como redatora e criadora de conteúdo durante 14 anos. Ainda nessa profissão, ela começou a escrever poesias.

Em 1982, foi laçada a coleção Cantadas Literárias pela Editora Brasiliense, levando Martha a se apaixonar mais pela poesia. Ela resolveu, então, enviar para a editora algumas de suas poesias, recebendo como resposta uma carta de Caio Graco Prado, então dono e diretor da editora.

Caio elogiou os poemas de Martha, tendo mais tarde voltando a entrar em contato com ela, com um convite para que suas poesias fossem publicadas. O sucesso de seu primeiro livro, "Strip-Tease", de 1985, foi tão grande, que a editora que já havia recusado os poemas de Matha resolveu contatar a escritora.

Assim ela lançou seu segundo livro, “Meia noite e um quarto“, no ano de 1987. A apresentação do livro foi escrita por Caio Fernando de Abreu. A editora L&PM passaria a ser a responsável por várias das publicações dos livros de Martha Medeiros.

Em 1991 a editora enviou o novo manuscrito de Martha para Millôr Fernandes, famoso jornalista e desenhista da época, com a intenção de que ele escrevesse a apresentação do novo livro de Martha. Millôr adorou o livro.

Persona Non Grata“, terceiro livro de poesias de Martha Medeiros, foi publicado com a apresentação do jornalista que, além disso, ilustrou um dos poemas na sua coluna do Jornal do Brasil.

Em 1993, o marido da escritora, com quem ela teve duas filhas, Laura e Julia, recebeu uma proposta de trabalho no Chile. Martha acompanhou o marido, deixando a carreira na área de publicidade e se dedicando somente a escrita. Mais tarde, ainda no país, a escritora recebeu a visita do amigo Fernando Eichenberg.

Ela resolveu mostrar seus novos trabalhos, os quais ele considerou como crônicas, convencendo Martha a publicá-las no Jornal Zero Hora, onde ele mesmo trabalhava. Ao retornar ao Brasil, em 1994, ela passou a publicar suas crônicas no jornal.

No ano seguinte, Martha Medeiros laça dois novos livros. De Cara Lavada, seu quarto livro de poesias, que teve a apresentação escrita por Caio Fernando de Abreu, e Geração Bivolt, uma coletânea de suas crônicas.

Em 1997 Martha Medeiros lança o livro Santiago do Chile – Crônicas e Dicas de Viagem, com dicas sobre a cidade. No ano seguinte lança sua segunda coleção de crônicas, chamada de Topless. O livro recebeu o Prêmio Açorianos de Literatura.

Em 1998 e lançado “Poesia Reunida“, uma edição especial com poemas dos livros de poesia de Martha. Mais tarde, novas coletâneas de crônicas são publicadas, sendo elas Trem-Bala e Non-Stop.

Em 2001 Martha Medeiros laça seu, até então, último livro de poesias: Cartas Extraviadas e Outros Poemas. No ano seguinte, laça seu primeiro romance: Divã, um dos maiores sucessos da escritora até hoje.

No ano de 2003 Martha Medeiros lança uma nova coleção de crônicas, recebendo novamente o Prêmio Açorianos de Literatura. Com esse mesmo livro, é indicada e fica em segundo lugar no Prêmio Jabuti. No ano seguinte lança o primeiro livro infantil: Esquisita como eu.

Ainda em 2004 a escritora passa a assinar uma coluna no O Globo. Ela continua publicando livros, dentre os quais estão Coisas da Vida, Selma e Sinatra, Tudo Que Eu Queria te Dizer, Doidas e Santas e Fora de Mim.

Outras publicações da autora:

  • Feliz Por Nada (Coletânea de crônicas)
  • Noite em Claro (Novela)
  • Um Lugar na Janela – Relatos de Viagem (Crônica de viagem)
  • A Graça da Coisa (Contos)
  • Felicidade Crônica (Crônicas)
  • Liberdade Crônica (Crônicas)
  • Paixão Crônica (Crônicas)
  • Simples Assim (Crônicas)
  • Um Lugar na Janela 2 – Relatos de Viagens (Crônica de viagem)
  • Quem Diria Que Viver Ia Dar Nisso (Crônicas)

Adaptações das obras

Muitas obras de Martha Medeiros já foram adaptadas para a televisão, para o cinema e para o teatro. A primeira delas foi Trem-Bala, adaptado por Irene Brietzke para o teatro em 2000.

Em 2005 o livro Divã de Martha Medeiros foi adaptado para o teatro por Ernesto Piccolo. No papel principal, interpretando Mercedes, a atriz Lília Cabral. Mais tarde, em 2009, o livro foi adaptado para o cinema, sendo exibido na Rede Globo em formato de uma minissérie de oito capítulos. Em 2015 o filme ganhou uma continuação no cinema.

Em 2008 foi a vez da peça De Mim Que Tanto Falam estrear, baseada em crônicas de Martha Medeiros. Em 2010, Tudo Que Eu Queria Te Dizer foi para adaptado por Victor Garcia Peralta e Ana Beatriz Nogueira para o teatro.

Em 2013 foram adaptados para o teatro os livros Fora de Mim, por Francisco Ramalho Jr., e Doidas e Santas, por Cissa Guimarães. O livro Feliz Por Nada, também foi para o teatro, sob adaptação de Regiana Antonini.

Citações

Sou uma mulher madura, que as vezes brinca de balanço. Sou uma criança insegura, que as vezes anda de salto alto.

Mesmo tendo juízo não faço tudo certo. Todo paraíso precisa um pouco de inferno.

O tempo não cura tudo. Aliás, o tempo não cura nada, o tempo apenas tira o incurável do centro das atenções.

Seja gentil, mas não a ponto de perder o tino. Se tiver que ferir suscetibilidades para salvar sua pele, paciência. Atravesse a rua. Desça pela escada. Dê no pé. Sucesso é chegar em casa com vida.

Se não quiser participar, tudo bem fique na sua: na sua casa, no seu canto, na sua respeitável solidão. Melhor uma ausência honesta do que uma presença desaforada.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Fernandes, Ruan. Martha Medeiros; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/martha-medeiros >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 20:22.

Copiar referência