Onde e Aonde

São palavras que indicam lugar

Onde e aonde são duas palavras com escritas semelhantes e, por isso, requerem bastante atenção para a diferença entre os seus significados. A aplicação delas gera muitas dúvidas e confusão entre os estudantes, mas com algumas dicas fica fácil compreender como cada uma pode ser utilizada.

Veja a principal diferença entre onde e aonde:

  • Onde – Ideia de lugar fixo;
  • Aonde – Ideia de destino ou movimento.

Uso do onde e aonde

Onde: é um advérbio que indica o local em que algo ou alguém está e é utilizado para passar a ideia de lugar. Durante a produção de um texto ou até mesmo na linguagem oral, podemos usar outros termos para evitar repetições dessa palavra, por exemplo: “no qual”, “na qual”, “em que”.

Veja a seguir alguns exemplos de frases com o advérbio “onde”:

  • Não sei onde estou.
  • Moro na rua onde fica o SAMU.
  • Onde coloquei o celular?
  • Onde ela está?
  • Não sei onde começar a caminhada.
  • Onde está o dinheiro?
  • Os alunos fizeram uma visita ao zoológico, onde puderam observar várias espécies de animais.
  • O turista não sabe onde fica o Cristo Redentor.
  • Vivemos em um país no qual a desigualdade social é alarmante.
  • Nas grandes cidades, nas quais o trânsito é congestionado, demora-se muito para realizar um simples trajeto.

Aonde: também é utilizado para indicar o lugar em que algo ou alguém está, entretanto, nessa variação devemos observar se o verbo com no qual a palavra se relaciona requer a preposição a. Caso seja necessário o emprego da preposição, ela deve ser ligada à palavra “onde” formando a palavra “aonde”. Aonde é um advérbio que indica a ideia de destino ou movimento.

Exemplo:

Observe algumas estrofes da musica “Onde você mora”, do grupo Cidade Negra, e veja como o “aonde” foi utilizado:

“Cê vai chegar em casa
Eu quero abrir a porta
Aonde você mora?
Aonde você foi morar?
Aonde foi?
Não quero estar de fora
Aonde esta você?
Eu tive que ir embora
Mesmo querendo ficar
Agora eu sei
Eu sei que eu fui embora
Agora eu quero você
De volta pra mim”

Nesse trecho da música, o eu-lírico, após deixar para trás a pessoa amada, percebeu que cometeu um erro, querendo-a de volta. Por não saber onde ela se encontra, começou a fazer perguntas a si mesmo utilizando muitas vezes o advérbio “aonde”.

uso do onde e aonde na língua portuguesa
É impostante saber o uso do onde e aonde na língua portuguesa (Foto: Pixabay)

Conforme falado acima, pela gramática normativa, não se usa o "aonde" próximo a verbos que indiquem localização ou permanência.O verbo “morar” faz parte dessa lista.

Analisando a música, percebe-se que ela não obedeceu à norma culta da língua portuguesa, contudo, linguisticamente, não ocorreu uma transgressão já que o autor utilizou uma linguagem coloquial e o contexto apresentando na música é informal.

Através de exemplos como esse, algumas pessoas podem achar que não existe a necessidade de reconhecer a regra do onde e aonde, entretanto, desobedecê-la por opção é diferente de falta de conhecimento.

Veja mais alguns exemplos com a palavra “aonde”:

  • Aonde você pretende ir?
  • Aonde vai com essa tranquilidade?
  • Vamos aonde sua avó quiser ir.
Diferença onde e aonde
Diferença onde e aonde (Foto: Flickr)

Outros advérbios

Além do onde e aonde, existem diversos outros advérbios que alteram o sentido do verbo, adjetivos e do próprio advérbio. Que tal relembrar os principais?

Vale destacar que os advérbios podem indicar afirmação, dúvida, intensidade, lugar, modo, negação, tempo.

Advérbios de afirmação: sim, realmente, deveras, certamente, efetivamente, decididamente, positivamente, etc.

  • Estou realmente empolgado com este show!
  • Maria avaliou positivamente a peça de João.
  • João certamente viu Maria no teatro.

Advérbios de dúvida: talvez, quiçá, possivelmente, provavelmente, porventura, acaso, eventualmente, etc.

  • Talvez o hoje seja o amanhã que você tanto procura.
  • Ele aparece aqui eventualmente.
  • Provavelmente irá chover mais tarde.

Advérbios de intensidade: muito, pouco, tão, bastante, menos, quanto, demais, mais, excessivamente, etc…

  • Eu gosto de comer muito.
  • A criança estava bastante agitada.
  • Pode colocar mais água.

Advérbios de lugar: aqui, ali, atrás, longe, perto, embaixo, abaixo, acima, adiante, aí, além, cá, dentro, fora, junto, lá, etc.

  • O livro estava embaixo da mesa.
  • Mais adiante fica a casa de Alexandre.
  • Estamos perto do banco.

Advérbios de modo: bem, mal, rapidamente, devagar, calmamente, pior, melhor, depressa, etc.

  • Os alunos terminaram o exercício rapidamente.
  • Os carros estão andando devagar na via devido ao acidente.
  • Às vezes nem sempre as coisas são como queremos.

Advérbios de negação: não, nem, nunca, jamais, tampouco, etc.

  • Jamais faria algo do tipo com você.
  • Os pais do aluno não apareceram nem deram satisfação.
  • Nunca fale nunca.

Advérbios de tempo: hoje, amanhã, nunca, cedo, tarde, antes, agora, ainda, depois, hoje, já, jamais, logo, ontem, sempre, tarde, imediatamente, diariamente, etc.

  • Os alunos devem ir para sala de aula imediatamente.
  • Esses são os remédios que ela toma diariamente.
  • Ontem o sol estava brilhando mais forte.

Graus dos advérbios

Advérbios são um grupo de palavras invariáveis, que não são flexionadas em gênero – masculino e feminino – e número – plural e singular. Ainda sim, um grupo de advérbios poderá ser flexionado em grau – comparativo e superlativo -, parecido aos graus dos adjetivos.

Grau comparativo de inferioridade: formado por: menos + advérbio + que/do que.

  • Ele come menos lentamente do que eu.

Grau comparativo de igualdade: formado por: tão + advérbio + quanto/ como/ quão.

  • Ele come tão lentamente como eu.

Grau comparativo de superioridade: formado por: mais + advérbio + que/ do que.

  • Ele come mais lentamente do que eu.

Grau superlativo absoluto sintético: formado por: advérbio + sufixo (normalmente sufixo -íssimo).

  • O avião chegou cedíssimo ao aeroporto.

Grau superlativo absoluto analítico: acompanhado de outro advérbio: muito + advérbio.

  • Aquele estudante escreve muito bem.

Atenção! Podem-se utilizar alguns advérbios na forma diminutiva, como pertinho, longinho, pouquinho, cedinho, entre outros. O advérbio na forma diminutiva transmite a ideia de muito perto, muito longe, muito pouco, muito cedo, etc.

Formas irregulares

Os advérbios bem, mal, muito e pouco, possuem formas irregulares nos graus comparativo e superlativo. Veja:

  • Bem

Comparativo: melhor, mais bem.

Superlativo: otimamente, muito bem.

  • Mal

Comparativo: pior, mais mal.

Superlativo: pessimamente, muito mal.

  • Muito

Comparativo: mais.

Superlativo: muitíssimo, o mais.

  • Pouco

Comparativo: menos.

Superlativo: pouquíssimo, o menos.

Para fixar

A palavra “onde” é usada para expressar um lugar fixo, enquanto a palavra “aonde” denota um destino ou movimento.

Exemplo do uso do “onde”:

  • Sei bem onde moro.
  • Onde está o documento?

Exemplo do uso do “aonde”:

  • Aonde você vai?
  • Iremos até aonde conseguirmos.

Como substituir “onde e aonde”?

A palavra “onde” pode ser substituída pela expressão “na qual” ou “no qual” Já a palavra “aonde” pode ser substituída por expressões como “a que lugar” ou “para onde”, por exemplo.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

Oliveira, Filipe. Onde e Aonde; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/onde-e-aonde >. Acesso em 30 de janeiro de 2020 às 14:47.

Copiar referência

Outros Artigos de Língua Portuguesa

Trovadores apresentando em forma de cantiga o que foi escrito em seus textos com seus instrumentos.

Características do Trovadorismo

As características do Trovadorismo estão relacionadas com todas as particularidades […]

Chegada dos portugueses.

Características do Quinhentismo

As características do Quinhentismo, primeira manifestação literária do Brasil, estão […]

Características do Classicismo

As características do Classicismo eram baseadas na representação de elementos […]

Características do Arcadismo

As características do Arcadismo surgiram em meio ao período que […]