Pantanal

Maior planície de inundação do planeta

O Pantanal é um dos maiores reservatórios de água doce do mundo. Situado na América do Sul, sendo a maior parte no Brasil (62%), é uma planície inundável com altitudes entre 80 a 150 metros.

Possui uma diversificada fauna com peixes, répteis, anfíbios, aves e mamíferos. No entanto, muitos desses animais estão em risco de extinção por conta das atividades agropecuárias, a principal fonte econômica da região.

Fauna pantaneira
Ave tuiuiú, o símbolo do Pantanal. (Foto: Wikipédia)

Hidrografia do Pantanal

O Pantanal integra o centro da bacia hidrográfica do Alto Paraguai e, por isso, é formado pelos seus planaltos. As zonas mais altas chegam a mil metros.

A bacia engloba uma área de aproximadamente 624.320 Km², sendo a maior porcentagem em Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, estendendo-se até a Bolívia (20%) e Paraguai (18%).

A água que nasce nas partes altas constroem os 180 rios, que desaguam nos afluentes do Paraguai, Cuiabá, Aquidauana, Apa e Miranda, e abrigam mais de 320 espécies de peixes.

Vegetação

A região pantaneira recebe influências dos biomas da Amazônia, Cerrado e Mata Atlântica, além do Chaco – zona entre o leste da Bolívia e norte do Paraguai.

O solo plano e de depressões rasas comportam plantas resistentes a grandes quantidades de água, como as gramíneas (gramas). Nas áreas intermediárias crescem os arbustos de porte médio e outras plantas rasteiras.

Já nas partes mais altas a cobertura é semelhante à caatinga, com árvores de maiores comprimentos e raízes profundas. Também é o comum o desenvolvimento dos carandazais – junção das palmeiras carandá – e das plantas de buriti.

O aumento do nível da água favorece a expansão dos biomas, pois no decorrer das secas, o material orgânico que se decompõe no solo enriquece sua qualidade. Após as enchentes, quando as águas recuam, deixam camadas de nutrientes que possibilitam o nascimento de novas vegetações.

Clima

O Pantanal enfrenta variações entre os períodos de excessivas chuvas, que ocorrem de outubro a março, e tempos de seca, de abril a setembro.

As inundações começam em novembro, com o ciclo chuvoso nas áreas altas da bacia do Alto Paraguai, aumentam o nível dos rios e provoca os alagamentos na planície. Em maio – fase final das chuvas – as águas voltam a baixar.

A declividade e variedade de rios contribuem para o solo argiloso e, consequentemente, com as enchentes.

Origem do Pantanal
Segundo especialistas, o território pantaneiro é resultado das falhas de blocos no período Terciário. (Foto: Wikipédia)

O início das chuvas acontecem sob o solo poroso e facilmente permeável. Com o passar dos dias, essa superfície não consegue mais absorver o intenso fluxo de água, acumulando nas zonas mais baixas. Já na fase das secas a água fica alojada nos leitos dos rios e lagos. 

O cenário do Pantanal é bem definido: partes que não sofrem inundações – morros que servem de abrigos para os animais – trechos que passam quase o ano todo completamente submersos e lados que alagam em meses específicos. 

Por tais motivos, o seu clima é o Tropical Continental: verão quente e chuvoso, e inverno frio e seco.

Fauna

De acordo com levantamentos da WWF-Brazil, uma organização civil sem fins lucrativos, a fauna e flora reúnem mais de 3 mil espécies de plantas, 300 categorias de peixes, 50 tipos de anfíbios, 95 classes de répteis, 650 variedades de aves e 150 de mamíferos.

Apesar dos problemas ambientais enfrentados, o Complexo do Pantanal ainda consegue ser habitat natural de animais como:

  • Araras-azuis;
  • Garças-brancas;
  • Tuiuiús (ave símbolo);
  • Curicacas;
  • Capivaras;
  •  Ariranhas;
  • Jacaré caiman e do papo amarelo;
  • Teiús;
  • Rã-assoviadeira;
  • Peixes jaú, surubim, piau e lambari.

Devido a importância no ecossistema mundial, foi nomeado, pela Constituição de 1988, como Patrimônio Nacional, e, em 2000, Patrimônio da Humanidade e Reserva da Biosfera pelas Nações Unidas.

Economia pantaneira

As atividades econômicas tiveram início no século XVIII, através da ocupação dos descendentes europeus e inclusão da pecuária – que continua sendo a principal fonte de renda do Pantanal.

A criação de gado movimenta 65% da economia de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Já a pesca, segundo lugar no ranking de produtividade, contribui com mais de 40 milhões todos os anos.  

Outro incentivo é o turismo, especialmente o voltado para pescas esportivas. Os indicadores apontam que cerca de 8% do Produto Interno Bruto (PIB) da região são provenientes dos setores turísticos.      

Por outro lado, os desmatamentos, assoreamento dos rios, pesca predatória, garimpos ilegais e uso desenfreado da agropecuária têm comprometido o equilíbrio ecológico e sobrevivência das populações ribeirinhas.

Você sabia?

  • Os 250 mil quilômetros quadrados de Pantanal, situados no Brasil, equivalem a área da Bélgica, Suíça, Portugal e Holanda juntas.
  • Em 12 de novembro comemora-se o Dia do Pantanal, uma homenagem ao ambientalista Francisco Anselmo de Barros.
  • A ave que representa o Pantanal, o tuiuiú, chega a 2 metros de uma ponta a outra das asas.
  • Existem mais espécies de aves na região pantaneira do que em toda América do Norte, e mais tipos de peixes do que na Europa.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

SANTOS, Thamires. Pantanal; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/pantanal >. Acesso em 18 de novembro de 2019 às 19:21.

Copiar referência

Outros Artigos de Geografia

As Cataratas do Iguaçu é uma das mais exuberantes belezas naturais da bacia Platina.

Bacia Platina

A Bacia Platina, também chamada de bacia do rio da […]

A bandeira do Chile representa o país internacionalmente.

Bandeira do Chile

A Bandeira do Chile possui duas listras de igual tamanho, […]

Bacia Hidrográfica do Atlântico Leste

A Bacia Hidrográfica do Atlântico Leste está entre as doze […]

A folha de bordo compõe a bandeira do Canadá.

Bandeira do Canadá

A Bandeira do Canadá é formada por uma tribanda de […]