Romeu e Julieta

O amor profundo entre dois jovens de famílias rivais e a trágica consequência

Romeu e Julieta” é um clássico da literatura mundial e uma das obras mais significativas de William Shakespeare.

Verona, no interior da Itália, é o cenário onde toda a história acontece. A peça inicia com mais um desentendimento entre os Montecchio e os Capuletos, duas famílias rivais.

O príncipe Éscalo intercede o enfrentamento e ameaça punir com pena de morte quem colaborar para mais uma briga de as famílias.

Após a briga, Benvólio vai até o encontro de Romeu, filho dos Montecchio, que discursa sobre o seu desânimo pertinente ao amor não-correspondido por uma garota chamada Rosalina, uma das sobrinhas dos Capuletos.

Romeu – Eis o crime do amor.
Já trago, em minha alma triste, mil lamentos;
Não vás multiplicar tristeza e sofrimentos
Somando à minha dor a tua. Sei que me amas,
Mas teu amor em minha pena atiça as chamas.
O amor é fumo aceso em ventos suspirantes;
Se satisfeito, brilha — um fogo entre os amantes;
Negado, vira um mar de tormentoso pranto.
E o que mais é o amor? Discreta insanidade;
É fel que engasga o peito e é doce amenidade.
Adeus, meu primo.

Enquanto isso, Páris, um jovem nobre, questiona o Senhor Capuleto sobre o pedido de casamento com sua filha Julieta. Capuleto pede para que o jovem espere mais dois anos, quando a herdeira completará 15 anos, e se for do agrado dela, lhe dará o consentimento.

Capuleto então convida Páris para a festa que dará a noite, pois será uma boa oportunidade do nobre aproximar-se da menina e tentar conquistá-la.

Logo em seguida, Capuleto envia seu criado para que convide todos as pessoas da lista. Ao encontrar Romeu na rua, o criado pede que Romeu leia a lista dos convidados já que ele são sabia ler.

Interessado na festa que acontecerá na casa dos Capuletos, Benvólio tenta convencer Romeu a ir sob o argumento que Rosalina estará lá.

Nesse meio-tempo, Senhora Capuleto e Ama tentam convencer Julieta a considerar Páris como seu futuro esposo, já que sonhava em ver a filha casada e muitas meninas na idade dela já eram mães.

Contudo, durante o baile de máscaras promovido pelos Capuletos, Romeu se apaixona por uma das damas presente na festa, mas não consegue descobrir sua identidade. Após uma dança, descobre que sua amada é Julieta Capuleto.

Teobaldo percebe a presença do herdeiro da família Montecchio e deseja desafiá-lo, entretanto é impedido por seu tio, que não permitirá brigas na frente de seus convidados.

Após a festa, Romeu pula o muro do pátio dos Capuletos e troca declarações de amor de Julieta, na famosa "cena da varanda". Apesar de seu ódio pelos Montecchios, Julieta não consegue renegar seu amor por Romeu.

Por conseguinte, Romeu e Julieta decidem se casar no dia seguinte. Romeu procura Frei Lourenço, um velho amigo, e confessa sua paixão por uma Capuleto. Pede ao Frei que realize o casamento.

Frei Lourenço acredita que o casamento dos dois herdeiros colocará fim na briga entre as duas famílias, por isso concorda com a união secreta dos jovens.

Teobaldo, ofendido pela audácia de Romeu em aparecer na festa, desafia o moço para um duelo. Romeu recusa, mas Mercúcio aceita o duelo em nome do amigo. Teobaldo fere fatalmente Mercúcio.

Romeu sente-se culpado pela morte do amigo, prossegue o confronto e atravessa sua espada em Teobaldo, que cai morto. Romeu foge e logo chega o Príncipe acompanhado dos Capuletos, dos Montecchios e de outros cidadãos.

Benvólio narra os acontecimentos e o Príncipe condena Romeu ao exílio. A Ama leva a notícia da morte do primo e da condenação do amado a Julieta que se desespera.

Frei Lourenço esconde Romeu e o informa sobre a decisão de Éscalo. Ao saber da tristeza de Julieta, promete encontra-la quando todos da cidade estiverem dormindo.

Romeu e Julieta passam a noite juntos. Ao amanhecer ele precisa partir e os pais de Julieta acertam o casamento da jovem com Páris para aquela mesma semana. A jovem informa que não será feliz com o conde, contudo seu pai não lhe dá escolha.

Julieta pede ajuda ao Frei Lourenço para se livrar do casamento. O Frei organiza um plano para que ela consiga fugir com Romeu.

A jovem deve tomar um remédio a noite que a fará parecer morta durante 48 horas, acreditando na sua morte, a família Capuleto irá enterrá-la na cripta da família, onde ao despertar, encontrará Romeu e com ele fugirá.

Contudo, a mensagem enviada a Romeu chega alterada pelo mensageiro, Baltazar informa que Julieta está morta, atordoado, Romeu também deseja morrer. Vai até o farmacêutico e oferece a ele muito dinheiro em troca de um poderoso veneno que o mate rapidamente.

Ao visitar o túmulo da amada, pede que seu criado entregue uma carta para seu pai no dia seguinte. Lá encontra Páris, os dois lutam e o conde implora que o deixe morrer ao lado de Julieta.

Romeu reconhece o pretendente de sua amada e coloca seu corpo ao lado do de Julieta. Em seguida, toma a droga que o mata no mesmo instante.

Logo, Julieta começa a acordar e Frei Lourenço entra e encontra os dois corpos. Julieta pergunta ao Frei pelo seu senhor, ao saber que Romeu está morto, se aproxima do seu corpo e avista a taça em suas mãos.

Ela o beija e com a faca de Romeu, atinge o próprio peito, caindo morta. Nesse momento, todos chegam na tumba e o Frei explica toda a história que resultou naquela tragédia.

Abalados com o ocorrido, fruto de uma discórdia que causou a morte daqueles que eles mais amavam, O Senhor Capuleto estende a mão para o Senhor Montecchio em sinal de amizade, pondo fim a rixa familiar.

Príncipe – Esta manhã nos trouxe paz sombria: esconde o sol, de pesadume, o rosto. Ide; falai dos fatos deste dia; serei clemente, ou rijo, a contragosto, que há de viver de todos na memória de Romeu e Julieta a triste história.

Análise da obra “Romeu e Julieta”

Capa do livro "Romeu e Julieta" de Shakespeare
Capa do clássico “Romeu e Julieta” de Shakespeare (Foto: Saraiva)

“Romeu e Julieta” é uma obra baseada no conto Italiano “A Trágica História de Romeu e Julieta” de Arthur Brooke, publicada em 1562, e na versão em prosa como “Palácio do Prazer”, publicada por William Painter em 1582.

Essas duas composições são as principais inspirações para a mais famosa criação de William Shakespeare. Escrita entre 1591 e 1595, a peça percorre a comédia, o romance e o drama.

Com uma linguagem rica em poesia e que explora o contexto histórico por trás do romance, Shakespeare utilizou uma forma de comunicação recomendada por muitos autores críticos de sua época, a metáfora.

Em um dos trechos, usando metáforas de santos e pecados, Romeu e Julieta expressam seus desejos de forma particular.

Romeu – Se minha mão profana o relicário, em remissão aceito a penitência: meu lábio, peregrino solitário, demonstrará, com sobra, reverência.
Julieta – Ofendeis vossa mão, bom peregrino, que se mostrou devota e reverente. Nas mãos dos santos pega o paladino. Esse é o beijo mais santo e conveniente.
Romeu – Os santos e os devotos não têm boca?
Julieta – Sim, peregrino, só para orações.
Romeu – Deixai, então, ó santa! Que esta boca mostre o caminho certo aos corações.
“Romeu e Julieta”, Ato I, Cena V.

“Romeu e Julieta” pertence a uma tradição de romances trágicos que remontam a antiguidade.

Shakespeare executa algumas temáticas em sua obra, a principal delas é o amor proibido e suas consequências, mas também trata sobre o tempo, crenças religiosas e astrológicas.

Dividida em 5 atos, cada um composto de diversas cenas, “Romeu e Julieta” é uma das obras mais admiradas, reproduzidas e é mais levada aos palcos do mundo inteiro.

Personagens

A obra “Romeu e Julieta” retrata a relação entre tradicionais famílias da cidade de Verona.

Família Capuleto

  • Julieta: filha única dos Capuleto;
  • Senhor e Senhora Capuleto: pais de Julieta;
  • Teobaldo: primo de Julieta, sobrinho da senhora Capuleto;
  • Ama: ama e confidente de Julieta;
  • Pedro: criado da ama de Julieta;
  • Gregório: criado de Capuleto.

Família Montecchio

  • Romeu: filho único dos Montecchio;
  • Senhor e Senhora Montecchio: pais de Romeu;
  • Benvólio: primo de Romeu;
  • Baltasar: criado de Romeu;
  • Abraão: criado de Montecchio.

Outros personagens

  • Éscalo: príncipe de Verona
  • Páris: jovem nobre, parente do príncipe e pretendente de Julieta;
  • Mercúcio: parente do príncipe e amigo de Romeu;
  • Frei Lourenço: franciscano e confidente de Romeu;
  • Frei João: franciscano;
  • Boticário: quem vende a poção fatal para Romeu;
  • Rosalina: pretendente de Romeu antes dele conhecer Julieta.

Filmes sobre “Romeu e Julieta”

A última versão cinematográfica baseada no clássico de Shakespeare foi lançada em 2016. Branagh Theatre Live: Romeo and Juliet foi dirigida por Benjamin Caron.

Em 2013 também teve uma adaptação, dirigida por Carlo Carlei. O longa-metragem recebeu muitas críticas que o acusaram de desprezar a essência da peça original.

A obra “Romeu e Julieta” já havia sido adaptada para as telas anteriormente. A versão de 1968, dirigido por Franco Zeffirelli, foi indicado ao Oscar nas categorias de melhor filme e melhor diretor. Venceu o Globo de Ouro (1969) nas categorias de melhor filme estrangeiro em língua inglesa e melhor revelação masculina e feminina.

Já o filme lançado em 1996, dirigido por Baz Luhrmann, foi protagonizado por Leonardo DiCaprio. Foi indicado ao Oscar (1997) na categoria de melhor direção de arte, venceu o BAFTA nas categorias melhor roteiro adaptado e melhor desenho de produção e foi indicado ao Urso de Ouro como melhor filme.

Confira o filme “Romeu e Julieta” (2013) na íntegra:

William Shakespeare

Shakespeare foi um poeta, dramaturgo e ator inglês considerado o mais influente do mundo. A maior parte de suas obras foram produzidas entre 1590 e 1613. Suas primeiras peças eram, principalmente, comédias obras baseadas em eventos e personagens históricos.

“Romeu e Julieta” foi sua primeira peça de muito sucesso, seguida pelas celebres “Hamlet”, “Rei Lear” e “Macbeth”.

Aclamado por pela genialidade, suas peças e muitos de seus textos permanecem populares até a atualidade por todo o mundo. Shakespeare faleceu aos 52 anos em Stratford-upon-Avon, sua terra natal.

Pintura de William Shakespeare
William Shakespeare se inspirou em duas obras para escrever Romeu e Julieta (Creative Commons)

Curiosidades sobre “Romeu e Julieta”

  • As famílias Montecchio e Capuleto realmente existiram, embora não se saiba se moravam na Península Itálica, ou se eram rivais;
  • Ao todo são 77 filmes inspirados na obra “Romeu e Julieta”;
  • O filme “Cartas para Julieta” também foi inspirado nesta obra. Nele é mostrado o muro de cartas escritas por apaixonados de todo o mundo, em busca de uma resposta.

Faça a referência deste conteúdo seguindo as normas da ABNT:

BRITO, Samara. Romeu e Julieta; Guia Estudo. Disponível em

< https://www.guiaestudo.com.br/romeu-e-julieta >. Acesso em 28 de outubro de 2019 às 14:53.

Copiar referência